s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 936 – Os dois capitais
Café Brasil 936 – Os dois capitais
Em junho de 2015, durante uma cerimônia na Universidade ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição

Jota Fagner - Origens do Brasil -

“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo bombear. Deu parada cardíaca dentro da ambulância”, disse minha mãe, um tanto esbaforida, numa mensagem de voz pelo WhatsApp. Fiquei abalado, mas torci internamente para que fosse só um susto. Desejava que o nobre poeta voltasse logo para o aconchego da sua família.

Curiosamente, ela disse “o Jorge Portugal”, colocando o artigo definido antes do nome. Coisa não muito comum entre nós baianos. Como se, inconscientemente, tentasse destacar que não fora qualquer Jorge Portugal, mas “o Jorge Portugal”.

Alguns minutos depois um colega enviou-me o link para uma matéria do G1 Bahia confirmando o falecimento do nosso querido professor, poeta e compositor. Meus olhos marejaram imediatamente. O sentimento era de que perdemos, junto com Jorge Portugal, parte da nossa identidade. Não que ela, a identidade, tenha deixado de existir, mas poucos saberiam expressar tão bem quanto ele as dores e alegrias do que é ser baiano.

Carentes de poetas que transfigurem em palavras a identidade estadual, ficamos mais órfãos a cada dia. Perdemos outro Jorge, o Amado, João Ubaldo Ribeiro, Floriano Teixeira, Carybé e agora ficamos sem Portugal.

“A dor da gente é dor de menino acanhado, menino-bezerro pisado no curral do mundo a penar”, dizia Portugal em sua mais famosa parceria com Raimundo Sodré. A minha dor é perceber que a expressão da baianidade vai se metamorfoseando em outra coisa qualquer, muito mais palatável para o mercado de consumo. E já são poucos aqueles que ainda lutam para conservar nossas diferenças em amálgama com a unidade nacional.

Como escreveu Portugal, dessa vez numa parceria com Roberto Mendes, existem coisas que são típicas do nosso estado, do nosso jeito de ser: Pedra pisada de preto, Luso bantu sudanesa, Precipício de beleza, Reconvexa alegria, Ímã de toda utopia, Rima de toda riqueza, Tudo isso com certeza só se vê, Só se vê na Bahia. Essas idiossincrasias tão típicas da baianidade foram brilhantemente expressas por Portugal. Mas o poeta continua em sua definição daquilo que chamamos de povo baiano: Gente que tira alegria da dor, Do batecum do batente, Todas as cores de gente, Contas de todos os guias, Uma nação diferente, Toda prosa e poesia, Tudo isso finalmente só se vê, Só se vê na Bahia.

Você já foi à Bahia? Não? Então acho difícil que entenda a profundidade de tais versos.

Jorge Portugal faleceu no Hospital Geral Roberto Santos, às 20h e 15min desta segunda-feira, três de agosto de dois mil e vinte. Faria aniversário na próxima quarta-feira. Com ele vai um pedaço da Bahia, ao menos parte da nossa capacidade de autodefinição. Vá em paz, caro poeta. Sentiremos sua falta.

 

Ver Todos os artigos de Jota Fagner