s
Iscas Intelectuais
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 328 – Crimes de Honra
Cafezinho 328 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

Petróleo e pedras

Petróleo e pedras

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Quem acompanha corridas – de carro ou moto – pelo mundo sabe que os veículos elétricos estão na moda; desde o motociclismo de alta performance até disputas dignas de Fórmula 1. Meu amigo Cuca, viciado em qualquer coisa que tenha rodas (de carrinho de mão a caminhão atômico) garante que isso não é nada passageiro, mas uma tendência que veio para ficar.

Há muito tempo as grandes fábricas automotivas buscam uma alternativa final para os veículos a combustão fóssil e, ao que parece, encontraram. Não que motores elétricos sejam uma novidade; mas atualmente os problemas de autonomia, peso, logística e custo parecem ter sido resolvidos. A Tesla, pioneira de luxo nesse setor, colocou ótimos veículos nas lojas, e as outras grandes – mesmo as não tão luxuosas – partiram em seu encalço na corrida por esse lucrativo mercado mundial, cujo futuro é visto com bons olhos por todos, desde os histéricos ecochatos até muitos pilotos de competição, como o grande campeão inglês Lewis Hamilton. Sem esquecer que, historicamente, tudo que é testado e aprimorado nas pistas de corrida, acaba invariavelmente sendo utilizado também nas ruas, pelos motoristas comuns.

Trocando em miúdos: no máximo em algumas décadas, grande parte dos motores a combustão fóssil será considerada obsoleta e sua produção descontinuada. Há algumas interrogações que só o futuro esclarecerá: Os motores a álcool vão continuar? Veículos pesados, como caminhões, deixarão de utilizar combustíveis fósseis, como o diesel? E como será contida a poluição resultante dos subprodutos das baterias que armazenam energia nos carros elétricos, extremamente tóxicos?

Nos anos 70, os arautos do apocalipse, primos-irmãos dos atuais eco-histéricos, apontavam o fim do mundo ali na esquina, com o fim do petróleo e a consequente distopia digna de filme-tragédia. Ao inverso, o consumo de combustível fóssil vem caindo e não se vislumbra mais um barril de petróleo a 200 dólares, como em passado recente. Como muito bem explicou Zaki Yamani, ex-ministro de governo da Arábia Saudita, a Idade do Petróleo não vai acabar por falta de petróleo, exatamente como a Idade da Pedra não acabou por falta de pedra. Em ambos os casos, a genialidade humana tratou, simplesmente, de buscar alternativas melhores, em lugar de chorar o desabastecimento.

Enquanto isso, aqui na Banânia, a jecaria prevalece. A lulada berrava e esperneava (em coro com ex-lulistas e lulistas disfarçados, tais como Ciro Gomes, o espertão) que o Brasil ia entregar o Pré-sal a um conglomerado internacional a preço de banana, tudo “combinado”, segundo eles. Porém, eis que nenhum desses “vilões opressores” se animou a participar dos recentes leilões no Brasil. A Petrobrás acabou adquirindo a maior parte dos campos petrolíferos à venda. Compramos de nós mesmos, lamentou o ministro Paulo Guedes. A lulada deve ter se decepcionado, em vez de festejar. O mercado mostrou que as ideias dessa gente pertencem ao início do século XX e, desde a queda do Muro de Berlim, há 30 anos, não é crível que alguém com cérebro leve a sério essas ideias enferrujadas.

Como o brasileiro esquece a cada 15 anos tudo o que aconteceu nos últimos 15 anos (obrigado, Ivan Lessa), é obvio que vão continuar tratando a Petrobrás como a grande joia brasileira no setor energético, em lugar de perceber a realidade: Uma empresa falida pela roubalheira do desgoverno Lula/Dilma e que tem um futuro presumivelmente ruim em razão da expressiva queda do consumo e, consequentemente, do preço do petróleo. A lulada, por exemplo, tem fortes esperanças de voltar ao poder e chupar a jugular da Petrobrás de canudinho, exatamente como fez durante os anos do Petrolão.

O Brasil vai aprender essas lições simples? Essa futurologia certeira vai ser respeitada? Difícil dizer. Há apenas três anos, éramos governados por gente cujas mentes eram movidas não a óleo, mas a carvão, e as ideias sendo tão sujas quanto. Aqui na Banânia, os interesses escusos ultrapassam a barreira da realidade.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes