s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Pinte o seu quintal e seja universal

Pinte o seu quintal e seja universal

Luciano Pires -

Recebi um e-mail de um leitor, o Victor, sobre o caso dos refugiados que chegam à Europa e que tem estarrecido o mundo a cada dia.

“Luciano, eu preciso conversar com você sobre os refugiados, não consigo mais ver notícias de tantos morrendo, a ponto de tragédias virarem números. Existe uma dor imensa quando vejo as fotos ou notícias dos acontecimentos, mas ao mesmo tempo vem a impotência, pois tudo parece tão pouco diante de algo tão grande.

Queria pedir sua opinião, sobre isso, pois acredito que falta debate sobre as possíveis soluções. Queria pedir que soltasse uma isca intelectual para que mais pessoas pensassem em como ajudar, pois sozinhos não podemos fazer a diferença, mas muitos pensando, quem sabe o que acontecerá.”

Respirei fundo antes de responder. E mandei:

Caro Victor, a situação é realmente desoladora, mas tem a mesma dinâmica daquela que envolve os fanáticos degoladores do Exército Islâmico. Se os Estados que estão sofrendo as consequências daqueles malucos decidissem mobilizar suas forças para acabar com eles, o problema seria resolvido. No entanto não querem, e jogam a bomba no colo da Europa. Logo mais os EUA vão entrar na dança e serão acusados pela esquerda planetária de imperialistas e aquele mimimi todo que você conhece.

A resolução do problema começa nos países onde ele se origina, e a questão não é falta de dinheiro, é política. Tenho dúvidas se é preciso um esforço mundial, para mim tem que ser primeiro um esforço regional. Cuidar dos refugiados é uma ação humanitária e urgente, mas só trata dos sintomas. A doença nunca acaba.

É uma pena falar assim, mas quem pode resolver o problema, os Estados, não quer! E as vítimas são os indivíduos.

Por outro lado, alguns indivíduos conseguem fazer alguma coisa. Quer um exemplo? Assista este vídeo, que mostra a missão de Phil Harvey. Cuidado, pois tem imagens com conteúdo sexual: https://www.youtube.com/watch?v=f0Dzfae7D_I

Veja o que fez um rapaz cheio de vontade de mudar o mundo, quebrando preconceitos e barreiras e causando impacto na vida de milhões de pessoas que vivem a milhares de quilômetros de sua casa, em outros continentes, outras culturas. O polêmico Phil Harvey é um exemplo do que pode ser feito, mas ele fez disso um propósito de vida e poucos conseguem chegar onde chegou.

Nós, como indivíduos independentes, podemos organizar doações ou até mesmo oferecer nossas casas para receber refugiados de outros países. Essas são ações preciosas, necessárias e provas de caráter e dignidade, mas fazem mais bem a quem doa do que a quem recebe, pois perdem-se, são extraviadas, não têm um sistema de logística, não chegam até quem precisa. Numa situação calamitosa de dimensões planetárias como essa que assistimos, como você mesmo disse, isso é muito pouco.

Veja bem: não acho que essas iniciativas não devam ser tomadas, mas questiono a eficiência. Os vários programas de erradicação da fome na África já mostraram que doações só atenuam temporariamente o problema e, mesmo assim, para poucos flagelados. Se a perspectiva de que você ajudou pelo menos um necessitado for suficiente, vá em frente, faça as doações e retorne para seu dia a dia, torcendo para que garrafa d’água que você doou chegue até a criança sedenta. Mas repito: isso é muito mais uma forma de aliviar a consciência do que ação efetiva.

Se você não está à frente de alguma organização que tem capacidade de mobilização social, se você é apenas um indivíduo indignado, minha recomendação é: pegue essa energia gerada pela indignação com a situação dos refugiados na Europa e aplique na esquina da sua casa. Use a indignação para causar impacto nas pessoas que estão a seu redor. Lute pelos que sofrem perto de você. A chance de fazer algo efetivo, de impactar de verdade nas vidas das pessoas que estão a seu alcance, sem intermediários, é muito maior.

Dos problemas europeus cuidam os europeus. Dos problemas africanos cuidam os africanos. Dos conflitos humanitários em larga escala, cuidam os Estados, é para isso que eles deveriam servir.

Estou sendo insensível? Não. Estou reconhecendo minha impotência diante de uma tragédia dessas dimensões e usando a lógica, pensando em termos de economia, de como aproveitar da melhor forma os poucos recursos dos quais posso dispor.

Seu esforço, como indivíduo é mais útil e efetivo aí, no seu quintal. A menos que você decida ser um Phil Harvey.

Mas, de novo, quantos conseguem?