s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Café Brasil 537 – VAMO, VAMO CHAPE

Café Brasil 537 – VAMO, VAMO CHAPE

Luciano Pires -

Olha, este Podcast é diferente de todos que já fizemos. Na verdade relutei em fazê-lo, com medo de que parecesse oportunismo… mas conforme as notícias chegaram foi impossível não pensar num programa e sabe por que, hein? Porque escrever, gravar e editar um programa como este é uma forma de cura, de alivio da angústia. Como esta que ainda sinto com a queda do avião da Chapecoense em novembro de 2016. Considere como uma homenagem aos mais de setenta que morreram e a seus parentes.

Posso entrar?

Senhoras e senhores

Nas primeiras horas da manhã desta terça feira, notícias começaram a alertar sobre uma queda de avião nos arredores da cidade de Medellin na Colômbia. A aeronave transportava jogadores e dirigentes do time brasileiro Associação Chapecoense de Futebol. O time ia disputar a final da Copa Sul Americana contra o time colombiano Atlético Nacional na quarta feira. Tragicamente 75 pessoas perderam suas vidas e nesta noite pedimos aos fãs que se unam e lembrem deles. Um momento de silêncio vai começar e terminar com o apito do árbitro.

Agora não tem explicação, cara! Você chegar aqui no estádio, olhar pro gramado, ver que não tem mais o Danilo embaixo da trave, o Diego dando bicicleta pra tirar a bola da área, o Judimar que não perde uma dividida, o Tiaguinho correndo pra lateral…… não tem explicação, cara! Não tinha que acontecer isso, podia acontecer qualquer coisa menos isso, cara! Por que que aquela bola não entrou, cara? Você olha… parece que o estádio vai cair. Parece que ninguém mais quer ver isso aqui…

Heraldo Pereira – Tem sido um longo dia esta terça-feira (29). Desde a madrugada, os brasileiros acompanharam, aflitos, as notícias da queda do avião.

Giuliana Morrone – É um dia que ficará marcado nas nossas vidas.

Galvão Bueno – Todos nós sabemos como o esporte provoca emoção e paixão. Os atletas são os grandes protagonistas de tantas histórias inesquecíveis. São eles, os técnicos e os dirigentes que fazem o espetáculo.

Mas quem leva a você a emoção que o futebol provoca são os jornalistas: das TVs, das rádios, dos jornais impressos e da internet. É absolutamente simbólico, e muito triste, que seja esse acidente a nos lembrar, de forma tão explícita, essa ligação.

Só nos resta então uma última homenagem para os jogadores, a comissão técnica e os dirigentes da Chapecoense. E para os jornalistas de todos os veículos que nos deixaram nesta terça tão tragicamente.

Todos nós, na redação do Jornal Nacional, de pé, juntos, damos uma salva de palmas.

Ostra faz pérolas. Mas não é toda ostra que faz pérola. Só a ostra que sofre.  Por que? Porque a ostra para produzir a pérola tem que ter um grão de areia, tem que ter alguma coisa que a irrite. E ela vai produzir a pérola pra deixar de sofrer. Pra que aquele ponto agudo, cortante, seja envolvido por uma coisa lisinha que é a pérola. Em muitas das minhas histórias eu fui a ostra que produziu a pérola porque tinha um grão de areia que me cortava. 

Eu me lembro de um dia, seis horas da manhã, minha filha de três anos de idade, eu dormindo, ela chegou no meu quarto, me acordou, eu dormindo ainda disse pra ela: – o que é Rachel? Ela disse: – papai, quando você morrer, você vai sentir saudade? Aí doeu demais. Que grão de areia pontudo! Pai, quando você morrer, você vai sentir saudade? Eu não sabia o que dizer pra ela e nunca imaginei que uma criança de três anos fosse dizer uma coisa assim. 

Eu fiquei mudo. Ela disse: – não chora não que eu vou te abraçar. Aí eu tive que escrever uma história.

Usei neste programa especial  uma sequência de áudios encontrada no youtube. Primeiro a homenagem prestada às vítimas das queda do avião antes do jogo Liverpool e Leeds na Inglaterra, depois a narração emocionada de Deva Pascovicci da defesa do goleiro Danilo que levou a Chapecoense à final da Copa Sul Americana. Tanto o narrador como o goleiro morreram na queda do avião. Em seguida o depoimento emocionado do jogador Hyoran, que só não estava no avião por causa de uma lesão que o cortou do jogo e ele pergunta: porque aquela bola não entrou? Depois, os minutos finais do Jornal Nacional com a homenagem às vítimas do acidente. E por fim, o mestre Rubem Alves explicando que a ideia da morte pode ser um cisco que produz a pérola…

Pois é… cada familiar, cada chapecoense, cada brasileiro tem agora um baita cisco, um grão de areia dentro de si. Cabe a cada um de nós trabalhar para transformá-los em pérolas.

Não sei se alguma palavra aqui servirá de consolo para quem foi diretamente atingido pela tragédia da queda do avião com o time da Chapecoense. Eu acho que não serve não, viu? Palavras não tem o poder de superar um momento como este. Só quem tem esse poder é ele, o tempo.

De minha parte, fica a reflexão sobre o SNAP!, aquele momento que acontece assim: SNAP! E tudo acaba. Acaba a vida, começa a vida, mudam as direções, mudam os planos…

O SNAP taí, ó. Na esquina. À espera de cada um de nós. A qualquer momento.

Faça com que o tempo que você usa hoje, como se tivesse todo o tempo do mundo, valha a pena.

Pra terminar, ao som de Gilberto Gil com NÃO TENHO MEDO DA MORTE, o grito que tomou conta do Brasil:

Não tenho medo da morte
Gilberto Gil

não tenho medo da morte
mas sim medo de morrer
qual seria a diferença
você há de perguntar
é que a morte já é depois
que eu deixar de respirar
morrer ainda é aqui
na vida, no sol, no ar
ainda pode haver dor
ou vontade de mijar

a morte já é depois
já não haverá ninguém
como eu aqui agora
pensando sobre o além
já não haverá o além
o além já será então
não terei pé nem cabeça
nem figado, nem pulmão
como poderei ter medo
se não terei coração?

não tenho medo da morte
mas medo de morrer, sim
a morte e depois de mim
mas quem vai morrer sou eu
o derradeiro ato meu
e eu terei de estar presente
assim como um presidente
dando posse ao sucessor
terei que morrer vivendo
sabendo que já me vou

então nesse instante sim
sofrerei quem sabe um choque
um piripaque, ou um baque
um calafrio ou um toque
coisas naturais da vida
como comer, caminhar
morrer de morte matada
morrer de morte morrida
quem sabe eu sinta saudade
como em qualquer despedida.