Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Café Brasil 705 – Empreendedor: Meu malvado favorito

Café Brasil 705 – Empreendedor: Meu malvado favorito

Luciano Pires -

O Café Brasil chega a você com o apoio da SIKA Brasil. Líder Mundial de Impermeabilizantes.

Você sabe que é perigoso. Umidade é o bicho, cara! Ela traz um monte de doenças respiratórias e não é muito difícil acabar com ela não. Se você se assessorar ou procurar quem sabe das coisas, né? Acesse @sika_brasil no Instagram e coloque lá suas dúvidas!

Ou diga simplesmente,  que conheceu a SIKA através do Café Brasil!

SIKA – S.I.K.A. – @sika_brasil.

Meu, como tem empreendedor no Brasil, não é? Parece que é o sonho de todo mundo: ser o dono da firma, não prestar contas pra ninguém, entrar na hora que quer, sair quando quer, tirar férias quando quiser, ganhar muito bem e explorar os funcionários. Que tal, hein? Você se reconheceu nessa descrição? Não?

Hummm… tem que ver isso…

Bom dia, boa tarde, boa noite. Você está no Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Posso entrar?

Trabalhador
Seu Jorge

Está na luta, no corre-corre, no dia-a-dia
Marmita é fria mas se precisa ir trabalhar
Essa rotina em toda firma começa às sete da manhã
Patrão reclama e manda embora quem atrasar

Trabalhador…
Trabalhador brasileiro
Dentista, frentista, polícia, bombeiro
Trabalhador brasileiro
Tem gari por aí que é formado engenheiro
Trabalhador brasileiro
Trabalhador…

E sem dinheiro vai dar um jeito
Vai pro serviço
É compromisso, vai ter problema se ele faltar
Salário é pouco não dá pra nada
Desempregado também não dá
E desse jeito a vida segue sem melhorar

Trabalhador…
Trabalhador brasileiro
Garçom, garçonete, jurista, pedreiro
Trabalhador brasileiro
Trabalha igual burro e não ganha dinheiro
Trabalhador brasileiro
Trabalhador…

Trabalhador brasileiro – salário é pouco, não dá pra nada, desempregado também não dá. E desse jeito a vida segue sem melhorar. É com o Seu Jorge que damos a largada hoje.

Ivanildo Terceiro é um profissional de comunicação que escreve para o Infomoney. Publicou algum tempo atrás um texto chamado “Seis coisas que você precisa saber antes de sair por aí falando que todo empresário é malvado.” Adaptei esse texto para o programa de hoje.

Dá uma subidinha aí Lalá…

Ser empreendedor está na moda. Programas, reportagens e até mesmo uma série de documentários promete ensinar como empreender.

O empreendedorismo também é apontado como a solução para boa parte dos desafios que temos. A chave para sair da crise? Empreendedorismo. Resolver os problemas sociais? Empreendedorismo. Quer ficar rico? Seja um empreendedor!

O fenômeno é tão grande que criou até um subtipo: o empreendedorismo de palco. Misturando autoajuda e dicas de administração, os empreendedores de palco vendem palestras, livros e cursos, prometendo ensinar o segredo para abrir seu próprio negócio e ficar rico.

Apesar do momentum ser novo, o ato de empreender definitivamente não o é. Na pré-história, índios que viviam no litoral do atual território brasileiro trocavam sambaquis por cerâmicas com as populações que viviam no interior. Os habitantes da Ilha de Marajó, construíram entre os anos 400 e 1400 uma complexa rede comercial, trocando artefatos até com moradores das ilhas do Caribe. De fato, há evidências de que uma das principais vantagens do homem moderno sobre o homem das cavernas foi sua capacidade de fazer comércio.

A despeito de ter sido uma das primeiras atividades humanas a gerar ganhos mútuos para os envolvidos, poucas profissões se tornaram tão odiadas como a do empreendedor. Inimigos de classe, exploradores, gananciosos, abusadores e às vezes simplesmente “malvados” são os adjetivos mais comuns para descrevê-los.

O Partido da Causa Operária (PCO) usa como slogan a frase “quem bate cartão, não vota em patrão”. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) afirma que os empreendedores são inimigos dos empregados. Gleisi Hoffman, senadora pelo PT do Paraná, acredita que a crise foi causada pelos empresários. Para o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, os donos de negócios são os responsáveis pela caótica situação do país.

Para o bem ou para o mal, empreendedores não têm uma vida tão fácil e poderosa. E Ivanildo enumera seis fatos para demonstrar algumas verdades sobre o empreendedorismo.

Mas antes…

“Luciano: aqui quem fala é a Isabel, Santa Catarina. Eu acabei de ouvir o teu podcast do empreendedor e no começo eu estava p da vida contigo. Falei: não acredito, o Luciano falando que concurso é um bom caminho, que que está acontecendo, vou gravar um áudio já. Realmente….o tema virou e achei sensacional. É isso mesmo. Além de… eu sou consultora do SEBRAE e também tenho uma empresa pra dar consultoria e muitas amigas minhas vem me perguntar e amigos, sobre essa questão de empreender.

E eu digo pra eles assim: primeira coisa: empreender é foda, mas é foda. Assim: tem a parte muito boa e tem a parte que é muito difícil. Muito mesmo. Você tem que estar muito preparado. E as pessoas não se preocupam com a inteligência emocional.  Eu costumo indicar um curso que… de respiração, meditação, pros amigos que pensam… que já decidiram empreender, que precisa de muita, muita inteligência emocional, além de todas as habilidades e conhecimentos gerenciais. Precisa ter uma visão do todo.

De fato, é muito difícil, mas é liberador. Só que essa liberdade tem um custo e a pessoa precisa saber se de fato ela está disposta a isso ou não. Achei muito, muito, muito bom esse podcast, um dos melhores, porque realmente reflete muito o que eu penso, o que eu falo pros meus amigos, também pros clientes do SEBRAE, porque canso de ver pessoas que abriram uma empresa, oferecem mais do mesmo e não entendem porque que não está dando certo. E aí, fecham. E aí o problema é do governo.

Não estou dizendo que o governo facilita, mas já vem melhorando. Então, realmente é pra poucos, de verdade, é pra poucos. O importante é que as pessoas acreditam no seu potencial e vão atrás do conhecimento. Que não achem que é uma brincadeirinha fácil, de criança.

Mas é isso aí. Parabéns mesmo. Foi muito completo. Agora, quando alguém me perguntar sobre como é empreender eu vou indicar esse podcast. Achei ótimo. Obrigada”.

Oi Isabel.. eu é que agradeço, viu? Olha: você levantou essa questão da inteligência emocional e eu assino embaixo. Habilidades técnicas, talento e esforço não bastam, não é? Ah, a Izabel comentou o Café Brasil 525, que complementa este programa aqui totalmente.

Muito bem. A Isabel receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculinos. Isabel: envie seu endereço para o contato@lucianopires.com.br.

A essa altura você está cansado de saber que a DKT distribui as marcas Prudence, Sutra e Andalan, e assim ela contempla a maior linha de preservativos do mercado, além de outros produtos como anticonceptivos intrauterinos, géis lubrificantes, estimuladores, coletor menstrual descartável e lenços umedecidos. Mas o mais legal é entender a causa da DKT que é reverter grande parte de seus lucros para projetos nas regiões mais carentes do planeta, assim eles ajudam a evitar gravidez indesejada, infecções sexualmente transmissíveis e a AIDS. Quando você compra um produto Prudence, Sutra ou Andalan você está ajudando nessa missão!

facebook.com/dktbrasil,

Vamos lá então!

Luciano – Lalá, você como um empreendedor, tem muito pra ensinar. O que é que você faz quando a coisa tá dura, hein?

Lalá- Ah, meu, eu uso Prudence, né?

Vamos então aos seis fatos relacionados pelo Ivanildo Terceiro?

  1. A maior parte dos empreendedores, donos de microempresas, é composta de negros.

Não é incomum que nas charges publicadas por sindicatos o empreendedor seja um indivíduo branco, gordo, com uma cartola na cabeça, segurando um charuto fumado compulsivamente em uma mão e com a outra erguendo um chicote para castigar seus múltiplos funcionários.

É difícil encontrar algo mais distante da realidade do que essa representação. Ao contrário da visão propagada por partidos políticos e sindicatos, o empreendedor médio do Brasil é negro, dono de uma microempresa e começou seus negócios mais por necessidade do que por ter uma ideia inovadora.

44% dos empreendedores estudou no máximo sete anos, um tempo inferior ao necessário para terminar o Ensino Fundamental. Com pouca qualificação, se torna quase impossível produzir o suficiente para pagar o próprio salário e os 57% de impostos que incidem sobre a remuneração, restando apenas o trabalho informal.

No roteiro deste programa no portalcafebrasil.com.br, eu publiquei um link sobre a pesquisa que trata desse assunto:

https://exame.abril.com.br/pme/negros-ja-sao-maioria-entre-empreendedores/?fbclid=IwAR3Yd_NWmcVhj2SbFu13HuLkLrj123ld2-d35Bs798CK-Ar5V_0lLOaniOQ

Em alguns casos, como na crise gerada pelas políticas dos partidos no poder, até os empregos sem carteira assinada desaparecem. Nestas situações, o até então empregado se torna empreendedor apenas para continuar tendo alguma renda. Entre 2014 e 2015, o chamado “empreendedorismo por necessidade” subiu de 29% para 44% do número total de empreendedores.

Você já deve ter visto vários deles por aí, vendendo balas no sinal, pipoca no ônibus, oferecendo pequenos serviços de reparo, cortando cabelos e realizando sozinhos uma miríade de atividades. Afinal, 85% dos empreendedores trabalham por conta própria, e não têm funcionários para “chicotear”.

Opa! Caiu o disjuntor aí é?

– Ah, Luciano, quem vende bala no farol não é empreendedor coisa nenhuma!

Bom, então tome mais uma vez a definição: empreender é agregar valor, saber identificar oportunidades e transformá-las em um negócio lucrativo.

Vender bala no farol é uma oportunidade. O vendedor ambulante de doces e balas Marcos Rogério, 32 anos, trabalha perto da rodoviária de São Paulo há 17 anos, e diz assim: “Ganho muito mais dinheiro vendendo balinha do que se eu fosse fichado. Sei trabalhar como pedreiro, sou eletricista formado, mas trabalhando por conta própria ganho mais do que um salário. Não daria para sustentar meus filhos e minha mulher, então me adaptei na rua”.

Rogério vende balas por opção, por achar que a oportunidade é melhor.

  1. Empreendedores não têm direitos trabalhistas.

Férias, jornada de trabalho de 8 horas por dia, FGTS, 13º salário e tantas outras coisas comuns na vida do empregado que tem CLT são completamente estranhas ao empreendedor médio.

43% dos empreendedores trabalham dez horas por dia. 51% simplesmente não tiram férias e, dentre os que tiram, apenas 3% o fazem por quatro semanas seguidas, como um trabalhador comum.

É verdade que os números vêm melhorando um pouco para o lado dos empreendedores. Entre 2003 e 2016, a jornada de trabalho média saiu de 49,98 para 45,48 horas semanais. Um número ainda maior que o limite imposto a quem é contratado pela CLT e muito distante da jornada média de 40,2 horas dos empregados registrados.

Não é difícil entender esses dados. Para muitos empreendedores, deixar de trabalhar significa deixar de ter o seu “sustento”. Não é incomum que alguns permanecem nos seus postos de trabalho até conseguirem a renda suficiente para comprar o alimento do dia. Outros simplesmente não têm alguém capaz de substituí-los temporariamente no seu posto para que possam tirar férias.

Como se isso não fosse o suficiente, um empreendedor que vai à falência não apenas pode sair de mãos abanando, tendo gasto a poupança de uma vida, como pode fechar sua empresa afundado em dívidas. No início de 2016, quase 60% dos microempreendedores individuais atrasaram os boletos de pagamento à Receita Federal.

  1. Empreendedores não fazem parte da classe alta.

Com pouca escolaridade, trabalhando muito e empreendendo por necessidade, a maior parte dos empreendedores brasileiros definitivamente não está entre as pessoas mais ricas do Brasil. De acordo com o Sebrae, 58% se enquadram na categoria de “baixa renda”, vivendo com menos de dois salários mínimos.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), os brasileiros que ganham mais de R$ 4.916 fazem parte dos 10% mais ricos da população brasileira. Entendeu? Se você ganha 5 mil reais por mês, está entre os 10% mais ricos do Brasil.

Sendo assim, 67,2% dos funcionários públicos federais, 44,6% dos servidores públicos estaduais e 20,5% dos servidores públicos municipais, estão entre os 10% mais ricos. Muitos funcionários públicos estão entre os 4% mais ricos e, em alguns casos, do 1% mais rico, já que receberem mais que R$ 27.432.

Não é o seu caso, que é funcionário público, professora, policial, bombeiro e ganha uma merreca? Eu lamento. Mas saiba que há muito mais funcionários públicos entre a elite mais abastada do que empreendedores. Portanto, generalizar empreendedores como elite econômica é uma bobagem.

E, ao contrário da maioria dos funcionários públicos, empreendedores não receberão aposentadoria integral, não podem parar suas atividades na pressão para que suas rendas aumentem e não terão aumentos concedidos no meio de uma das maiores crises da história do país. Você entendeu o drama, hein? Se você é funcionário público e reclama dos pequenos aumentos de salário, saiba que empreendedores não tem nenhum aumento. Só ganham mais se os clientes pagarem mais. Num cenário de crise, a situação complica com facilidade.

Na verdade, os empreendedores sempre são os primeiros a sentir os impactos das crises.

Em 2015, 1,8 milhão de empresas fecharam suas portas – o triplo do ano anterior -, por diversas vezes deixando seus donos com dívidas que demorarão anos para serem pagas.

  1. O governo pega mais dinheiro das empresas que os próprios empresários.

Qual é a margem de lucro das maiores empresas do país, hein? Os americanos responderam esta pergunta em uma pesquisa feita pela revista Reason e a média dos chutes foi surpreendente, incríveis 36%. Um número completamente fora da realidade.

Uma das companhias mais lucrativas do mundo, a Apple tem uma margem de lucro de 23%. Uma das maiores redes de varejo do planeta, o Wal-Mart tem uma margem de apenas 3,1%. De acordo com o professor da Universidade de Michigan Mark Perry, é como se em um mês com 31 dias, a companhia tivesse que usar 30 para cobrir seus custos, e tivesse um único dia de lucro. Em média, as empresas americanas têm margens de 6,22%.

No Brasil, as coisas não são tão diferentes. Os famosos Supermercados Guanabara operam com uma margem líquida de 1,1%. Para a Moinho Dias Branco, a maior produtora de biscoitos e massas do país, a margem fica em 13%. A fabricantes de cigarro Souza Cruz vive com seus 26% de margem líquida.

Enquanto isso, 32% dos donos de micro e pequenas empresas gastam mais de 30% do seu faturamento pagando tributos, mesmo optando pelo Simples Nacional. Um valor muito maior que o retirado pelos empreendedores dos seus próprios negócios.

Sabia disso, é? Não? Então vou repetir: um terço dos donos de micro e pequenas empresas gastam quase um terço do seu faturamento pagando tributos, mesmo optando pelo Simples Nacional.

O sócio governo ganha mais do que o dono do negócio.

  1. Do ambulante ao dono da Google: empreendedores têm de resolver os problemas dos consumidores para sobreviver.

Você já deve ter visto essa cena em uma grande cidade, olha: bastam as primeiras gotas de chuva para que uma multidão de ambulantes apareça ofertando guarda-chuvas, não é? Está com fome, é? Não é preciso procurar muito para achar alguém vendendo comida. A bateria do celular acabou? Ande alguns metros e verá alguém vendendo um powerbank.

São poucos os empreendedores que conseguem ter sucesso se aliando ao Estado e fomentando monopólios. Para a grande maioria, o único meio de receber dinheiro e crescer é agradando o consumidor, mesmo que isso signifique abandonar ideias às quais você está emocionalmente apegado. Quando a Microsoft sumiu com o botão “Iniciar” do Windows, os consumidores reclamaram tanto que a companhia recuou.

Alguns empreendedores levam isso muito a sério. Sam Walton, o fundador do Wal-Mart, começou sua rede de lojas com um único estabelecimento no estado do Arkansas. Mesmo rico, continuou dormindo em motéis baratos e dividindo quartos com funcionários nas suas viagens de negócios. Para ele, cada centavo economizado era um centavo a menos que poderia se transformar em uma oferta na sua política de preços baixos todos os dias.

Do alto dos seus bilhões de dólares, Walton costumava repetir que o seu chefe era o consumidor. Ele, o consumidor, era o único capaz de destruir sua rede de supermercados apenas decidindo trocar o lugar em que fazia compras.

Empreendedores não tem segurança. Ou são bons em resolver problemas dos clientes, ou quebram.

E o Café Brasil chega a você com o apoio do Itaú Cultural, que também tem podcasts, cara! Aliás, eles tem três podcasts especialmente produzidos para quem se interessa por música, literatura e questões indígenas.

No podcast Escritores-Leitores, autores brasileiros falam de seu processo criativo. No Toca Brasil, artistas, produtores e pesquisadores do universo musical falam do seu trabalho. E no podcast Mekukradjá escritores, cineastas e lideranças de povos indígenas de várias regiões do Brasil tratam das questões indígenas.

Acesse lá, ó: itaucultural.org.br , Agora você tem cultura entrando por aqui, ó:

Pelos ouvidos…

Vamos então ao último ítem, o…

  1. O poder de lobby dos empreendedores é muito menor que o dos sindicatos.

O sistema corporativista montado por Getúlio Vargas criou sindicatos, federações e confederações para os empregados e para os patrões. Você provavelmente deve conhecer as poderosas Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), mas nunca deve ter ouvido falar da Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Representando 54,6% dos empreendedores atuantes no Brasil, com participação ainda maior entre os de baixa renda, a CNC não tem assentos no conselho da Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (ApexBrasil), ao contrário da CNA e da CNI.

Quando Dilma Rousseff resolveu reativar o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, prontamente convidou representantes da CNI, da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), das principais centrais sindicais e até o ator Wagner Moura, mas deixou a CNC de fora. De fato, no governo Dilma, fazer lobby funcionava. O Ministro da Indústria e Comércio era egresso da confederação da indústria e o do Trabalho vinha da CUT.

Não é uma surpresa que empreendedores tenham um poder de lobby tão fraco. Seus interesses são extremamente difusos e usualmente restritos a uma única cidade. Poucas pautas são capazes de unir todos os empreendedores do país, como a simplificação do pagamento de impostos, por exemplo. Por outro lado, centrais sindicais e as confederações da indústria e do agronegócio constantemente buscam os mesmos privilégios, como manipulação no câmbio e linhas de crédito subsidiadas.

No Congresso, são muito poucos os deputados ou senadores eleitos em defesa da facilitação do empreendedorismo. Já sindicatos e indústrias têm bancadas inteiras à sua disposição ou formadas por seus membros. Se existe uma força que move as decisões do governo, ela certamente não é o interesse dos empreendedores.

Que tal, hein? Aprendemos hoje que a maior parte dos empreendedores é de negros, donos de microempresas. Que a maioria dos empreendedores ganham muito pouco. Que empreendedores não têm direitos trabalhistas. Que empreendedores não fazem parte da classe alta. Que quem tira mais dinheiro da empresa é o governo e não o dono. Que empreendedor só sobrevive se resolver todo dia, o dia todo, os problemas dos consumidores. E que o poder de lobby dos empreendedores é muito menor que o dos sindicatos.

Mas e daí, hein?

Daí que ser empreendedor é muito complicado, que empreendedor é alguém igual a você, não é o vilão que ensinaram para você. E que esse seu sobrinho progressista com cedilha que vive de dedo em riste criticando os donos das firmas, só vai entender o que é empreender quando tiver a empresa dele e passar a pagar os boletos.

Olha, eu estou de saco cheio com as simplificações, os rótulos e as mentiras que são contadas no Brasil para jogar uma classe contra a outra. Muito pouca gente sabe do que se passa nas áreas onde não atua, e tratar as outras classes com ódio não resolve nada. Mas é muito conveniente para alguns.

 

Moro no Brasil
Gabriel Moura
Seu Jorge

“Por isso
Quero deixar claro
Ao povo brasileiro
Que o governo
Junto ao congresso
Vem trabalhando num prazo
A ser estipulado
Para que possamos recuperar
As alíquotas do
Produto interno bruto
Sendo assim
A partir do mês que vem
O salário mínimo sofrerá
Um aumento de 3,04.7″…

Alô povão agora é sério
Chora cavaco!
Vai!…

Bam! Bam! Bam!
Brasil 2000…

Deixa comigo!

“Há muito tempo
Venho pensando
No povo brasileiro
No sufoco que passamos
Cada ano que passa
Promessas nos fazem
Mas ninguém acha graça
Mas eu acredito
Que há uma solução
Alcançando o objetivo
Com o nosso coração
Então vai lá cidadão
Faça por você
Não se sinta um derrotado
E lute prá sobrevivier”
Uh! Hiê!
Lute prá sobreviver!…

Refrão:
Moro no Brasil
Não sei se moro
Muito bem ou muito mal
Só sei que agora
Faço parte do País
A inteligência
É fundamental…

“Agora eu tenho aqui
A causa do nosso problema
Miséria e fome derrotam
Derrotam nossa nação
Prá completar
Tem, tem
Violência ao cidadão
Precisamos sim
Fazer por nossos irmãos
Com a ajuda de Deus
Deus!
E por que não?
Então vai lá
Vai lá cidadão
Faça por você
Não se sinta um derrotado
E lute prá sobreviver”
Uh! Hiê!…

“O povo brasileiro
Continua rindo
Resistindo à violência
Que alguém planejou
Vivendo na favela
Morrendo na viela
Coitado do bangela
Sua hora já chegou”…

É só Plim, Plim
Dá dois, dá dois
Tirim, Tirim
Bangue, Bangue
Papau!…

“Agora eu tenho!
A causa do nosso problema
Miséria e fome derrotam
Derrotam nossa nação
Prá completar
Tem, tem, tem
Violência ao cidadão
Precisamos sim
Fazer por nossos irmãos
Com a ajuda de Deus
Deus!

(Duvida?)
E por que não?
Então vai lá
Vai lá cidadão
Faça por você
Não se sinta um derrotado
E lute prá sobreviver”
Uh! Hiê!..

Brasil!

E é assim, ao som do Farofa Carioca com Seu Jorge no vocal, com Moro no Brasil, composição de Gabriel Moura e Seu Jorge, que vamos saindo no embalo.

Olha! Tenha respeito por quem trabalha para si ou para os outros, na iniciativa privada ou no setor público. Tenha respeito por quem ama o que faz, sua a camisa para ganhar o pão de cada dia. Respeite quem paga impostos, perde o sono, priva-se dos momentos com a família para conseguir cumprir com suas responsabilidades ou manter suas empresas funcionando, criando empregos e progredindo. Respeite quem atende os clientes com carinho, os respeita e sabe que é deles que todos dependemos.

Tenha respeito pelo trabalhador brasileiro.

Guarde sua ira para os parasitas.

O Café Brasil é produzido por quatro pessoas. Eu, Luciano Pires, na direção e apresentação, Lalá Moreira na técnica, Ciça Camargo na produção e, é claro, você aí, completando o ciclo.

De onde veio este programa tem muito mais, especialmente para quem assina o cafebrasilpremium.com.br, o que? Você não viu ainda, hein cara? Site novo, aplicativos. É a nossa “Netflix do Conhecimento”, onde você tem uma espécie de MLA – Master Life Administration. Acesse cafedegraca.com e experimente o Premium por um mês, sem pagar.

O conteúdo do Café Brasil pode chegar ao vivo em sua empresa através de minhas palestras. Acesse lucianopires.com.br e vamos com um cafezinho ao vivo.

O resumo do roteiro deste programa, publicado como um e-book em PDF, é exclusivo para assinantes do Café Brasil Premium.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Para terminar, uma frase do empreendedor norte americano Jim Rohn:

Se você não está disposto a arriscar, esteja disposto a uma vida comum.