s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil – A chamada
Café Brasil – A chamada
Meu conteúdo vale muito desde que seja de graça.

Ver mais

Café Brasil 745 – Superhomem
Café Brasil 745 – Superhomem
O programa de hoje passa por igualdade de gêneros. E ...

Ver mais

Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Você já ouviu alguns ditados como “faça o que digo, não ...

Ver mais

Café Brasil 743 – A inveja
Café Brasil 743 – A inveja
Olha, tá pesado, viu? A cizânia plantada na sociedade ...

Ver mais

LíderCast 210 – Sarah Rosa
LíderCast 210 – Sarah Rosa
“Atriz pornô e acompanhante” como ela mesma se define. ...

Ver mais

LíderCast 209 – Gabriel Lima
LíderCast 209 – Gabriel Lima
CEO da Enext e uma das mais jovens referências nos ...

Ver mais

LíderCast 208 – Alon Lavi
LíderCast 208 – Alon Lavi
Bacharel em Engenharia Biotecnológica na Universidade ...

Ver mais

LíderCast 207 – Danilo Balu
LíderCast 207 – Danilo Balu
escritor, formado em educação física, corredor, que ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Vacinas para quem precisa
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, o assunto não é a vacina contra a Covid-19. Por dois motivos: Primeiro, tem gente demais dando opinião sobre isso, e a maioria totalmente leiga no assunto. A coisa virou briga política, e ...

Ver mais

A montanha-russa peruana
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A montanha-russa peruana Peru em flashes  “Desde a década de 1970, a democracia na América Latina cresceu num clima internacional favorável, mas suas vantagens são prejudicadas pela fraqueza de ...

Ver mais

A nova esquerda e a ideologia ultraliberal
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, a nossa alienação nunca está onde nós acreditamos que ela esteja: a nossa alienação está justamente onde temos certeza de que enxergamos a realidade.   Digo isso porque percebo, em boa ...

Ver mais

A gangorra da concentração no setor bancário
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A gangorra da concentração no setor bancário  “Concorrência é como um jogo de tênis. Não tem contato físico. Não podemos impedir que ela crie jogadas e produza. Temos que ser eficientes em nosso ...

Ver mais

Cafezinho 338 – Cobertor de casal
Cafezinho 338 – Cobertor de casal
Ir de um post ao outro foi como sair de uma sauna e ...

Ver mais

Cafezinho 337 – Erebus e Terror
Cafezinho 337 – Erebus e Terror
A Expedição Franklin, no final do século 19, apesar de ...

Ver mais

Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Não dá pra provocar a sorte. Mas dá pra dar uma chance ...

Ver mais

Cafezinho 335 – Identidade
Cafezinho 335 – Identidade
Não me reconheço mais neste povo incompleto e perdido, ...

Ver mais

Café Brasil 741 – A cascata de disponibilidade

Café Brasil 741 – A cascata de disponibilidade

Luciano Pires -

A Perfetto patrocina o Café Brasil e faz sorvetes, combinando a alta capacidade de produção com sistemas avançados de controle de qualidade e de logística. O resultado é o sorvete ideal, na hora ideal, no sabor ideal.

Dê uma olhada no site deles, é o perfetto.com.br, esse perfetto tem dois tês. Tem um blog lá com receitas que é enlouquecedor.

A Perfetto tem como pontos de venda as melhores lojas de cada município em que está presente. São pequenos, médios e grandes varejos, onde você encontra a linha de impulso e também a linha leve para casa.

Luciano – Ô Lalá, me diga uma coisa na qual você acredita:

Lalá – Na hora de tomar sorvete, eu escolho Perfetto!

Luciano – Rararararara…

De quando em quando certos temas tomam a sociedade de assalto, pautando as discussões, dividindo opiniões e impactando nossas vidas. Alguns até mesmo provocando ações do Estado, com o surgimento de legislações e mudanças comportamentais. Sabe como isso tudo começa, hein? Com uma Cascata de Disponibilidade.

Bom dia, boa tarde, boa noite. Você está no Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Posso entrar?

Olha, antes de mergulhar no tema do programa, eu vou dar uma dica aqui. O Cafezinho é outro podcast que eu publico às segundas e sextas, no qual faço uma experiência de distribuição por WhatsApp e por Youtube. É um podcast que tem uma versão com imagens, que você pode acessar no canal do Youtube: bit.ly/lucianonoyoutube. Vá lá cara, inscreva-se no canal. Apesar de ter mais de 20 mil assinantes, o índice de aprovação perto de 100%, mas os views têm sido vergonhosos, cara: 300, 400, 500 views em conteúdos que, modéstia às favas, são muito legais.

Vai lá: bit.ly/lucianonoyoutube. Ajude o canal a crescer.

Vou começar o programa reproduzindo o Cafezinho 327 – A cascata de disponibilidade. Lalá, manda aí o Lyan com Michael Jackson…

O psicólogo e economista Daniel Kahneman, em seu livro Rápido e Devagar, diz assim:

“A Cascata de Disponibilidade é uma cadeia de eventos auto sustentável, que pode se iniciar com matérias na imprensa sobre um evento de pequena importância, até provocar pânico e ações governamentais em alta escala.

Em algumas ocasiões, uma matéria na imprensa sobre algum risco, captura a atenção de um segmento do público, que se torna atento e preocupado. Essa reação emocional se transforma numa história por si mesma, provocando cobertura adicional da imprensa, que por sua vez produz mais preocupação e envolvimento.

Esse ciclo é algumas vezes acelerado deliberadamente por “empreendedores da disponibilidade”, indivíduos ou organizações que trabalham para assegurar um fluxo contínuo de notícias alarmantes. O perigo é cada vez mais exagerado, conforme a mídia compete por manchetes apelativas. Cientistas e outros que tentam acalmar o medo e repulsa crescentes, recebem pouca atenção, a maioria hostil: qualquer um que afirme que o perigo é exagerado é imediatamente suspeito de associação com teorias da conspiração ou interesses escusos.

O assunto torna-se politicamente importante porque está nas mentes de todos, e a resposta do sistema político é guiada pela intensidade do sentimento popular. A cascata da disponibilidade redefine prioridades. Outros riscos e outras formas pelas quais os recursos públicos poderiam ser aplicados para o bem comum, caem para um segundo plano.”

Daniel Kahneman escreveu isso num livro lançado em 2011, falando de um conceito que surgiu em 1999.

Qualquer semelhança com o que estamos vivendo hoje, não é mera coincidência.

Este cafezinho chega a você com apoio do cafebrasilpremium.com.br, conteúdo extra-forte para seu crescimento profissional cafebrasilpremium.com.br.

Olá, você já sabe a sua parte aqui: assina, clica, compartilha, comenta, faça algum tipo de interação com o post aqui, pra ver se a gente consegue fazer com que o Youtube entregue esses videos prra mais gente. Precisa crescer o canal pra que as ideias vão adiante.

Olha! Esse post aqui nasceu depois que eu fiz uma postagem no facebook essa semana de um artigo que dizia respeito às conclusões que uma comissão formada, acho que foi na Alemanha, se não me engano, chamada World Doctors Alliance reuniu uma série de especializstas médicos que estão contestando a reação dos governos estão tomando com relação à pandemia.

Na visão deles, essa reação é muito superior àquilo que a pandemia na verdade é. Eles estão fazendo um questionamento muito profundo, estão preparando trabalhos e em alguns momentos estão até entrando com processos contra determinados governos por excesso de lockdown, essa coisa toda.

Bom. Inclusive eu vou até colocar, eles tem um site acu2020.org  , se você quiser acessar pra ver o trabalho deles lá. Eu realmente não sei a profundidade. Eu sei que chamou a atenção o fato de uma reação estar acontecendo em algum  lugar do mundo.

Bom. Eu publiquei entre aspas o início do texto, pra que o pessoal pudesse ver e fui trucidado na rede social, por gente que não admite que alguém possa contestar as coisas que elas acreditam, né? Não admite que possa haver uma outra visão. Não admite que alguém possa, de  alguma forma, estar contestando tudo aquilo que foi publicado pela mídia, pela ciência, ciência, ciência, correndo na última hora.

É impressionate a reação que essas pessoas tem, que é uma reação absolutamente emocional, Elas não conseguem botar o pé no chão e falar: escuta, algumas pessoas estão enxergando o problema de uma outra forma, né? Será que não tem um outro jeito de ver o que está acontecendo? Será que, realmente, a gente não está indo além do que devia ser? Nada disso nega a pandemia, não nega as mortes, não nega o problema. Nada disso! O que está se tentando fazer é o seguinte: cara! Para e pensa um pouquinho. Será que não há uma cascata da disponibilidade? Será que não há um interesse de criar um pânico maior do que ele é? Com qual sentido, sabe? Eu não sei qual é o sentido, eu não sei se isso é engenharia social, se é ganância, se é pra ganhar poder, se é pra ganhar dinheiro.

Eu sei que pode ser que haja alguma outra forma de enxergar o problema. E a ideia é você estar aberto pra isso. Não precisa concordar, não precisa assinar embaixo. Apenas ouça e não xingue. Ouça e vá atrás dos dados. Ouça e vá pesquisar: o que será que está acontecendo do outro lado, né? Será que as pessoas tem um ponto? Se tiveer um ponto, eu tenho mais é que ouvir, porque cara, pode ser que eu esteja errado, sabe? E se eu estiver errado, não tem problema nenhum reconhecer. O que não pode é continuar amarrado na burrice.

“Bom dia, boa tarde, boa noite. Oi Luciano. Aqui é Adriano, de Patos na Paraíba. Tudo bom? Sou um ouvinte assíduo seu e hoje pela manhã, logo cedo, cinco, cinco e pouquinho da manhã, que é o horário que eu acordo pra ir trabalhar, assisti, escutei o seu podcast O tempo passa na janela, o 740. Inclusive é da data de hoje mesmo.

E ele me fez refletir muito sobre  o tempo, realmente, a gente vê, o tempo vai passando e, como você disse, só as coisas que nos causam uma sensação sensorial é que ficam na nossa mente.

E pra mim, particularmente, o tempo tá passando muito rápido. Falta menos de um mês das eleições. Eu sou servidor da Justiça Eleitoral e diferente das outras pessoas que acham que a gente só trabalha de dois em dois anos, escuto muito de colegas, familiares, de amigos, a gente trabalha constantemente. E nesse período, Luciano, é inacreditável. A gente trabalha doze, quatorze horas por dia. As pessoas não tem noção, quem é de fora dessa área, o quanto a gente trabalha pra que essa democracia, que esse voto que as pessoas vão depositar no dia 15 de novembro é importante. A gente faz isso de coração aberto, abnegado, pra que tudo dê certo. E o tempo corre.

Eu estou querendo ver se eu seguro os dias porque tem muita coisa pra fazer ainda, muita coisa ainda pra gente organizar. São muitos detalhes, pra que no dia tudo ocorra e ainda tem esse grande desafio dessa pandemia. A gente nem… nem a possibilidade de adoecer a gente pode. Porque os cartórios eleitorais, quem não sabe, são dois servidores efetivos, dependendo do tamanho do cartório, no Brasil e vários, vários requisitados e no caso, a gente só pode requisitar pessoas com base em quantidade de eleitores, Então, dependendo da quantidade de eleitores, podem mais servidores. Mas é um desafio, um desafio tremendo.

E com esse podcast, eu me senti mais confortável, independente dos desafios, olhar ao lado bom das coisas e para o objetivo comum. Que é proporcionar aos eleitores, incluindo a mim e a você e a todos os brasileiros, uma sensação sensorial de dever cumprido, de voto certo. As pessoas honestas e que querem fazer verdadeiramente este país um país livre e democrático.

Forte abraço, Luciano. Deus te abençoe e abençoe toda essa nossa nação”. 

Grande Adriano, que legal essa sua explicação aí sobre a demanda das pessoas envolvidas com a organização e operação das eleições. Olhando de fora, a gente não entende muito bem. Esse processo é sempre considerado uma caixa preta… O seu alerta final sobre a importância de votar direito é essencial. Na verdade é isso que venho fazendo há tempos: dar às pessoas condições de perceber quando estão sendo manipuladas. Esse é o primeiro passo. Boa sorte aí, meu caro!

Muito bem. O Adriano receberá um KIT DKT, com alguns dos principais produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculinos. Basta enviar o seu endereço para contato@lucianopires.com.br

A DKT distribui a maior linha de preservativos do mercado, com a marca Prudence, além de outros produtos como os anticonceptivos intrauterinos Andalan, géis lubrificantes, estimuladores, coletor menstrual descartável e lenços umedecidos. Mas o que realmente marca na DKT é sua causa de reverter grande parte de seus lucros para projetos nas regiões mais carentes do planeta. A DKT trabalha para evitar gravidez indesejada, infecções sexualmente transmissíveis e a AIDS. Ao comprar um produto Prudence, Sutra ou Andalan você está ajudando nessa missão!

facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então!

Luciano – Lalá, me fala aí outra coisa que você acredita.

Lalá – Ah, na hora do amor, eu uso Prudence.

Muito bem. Ao som de Rio de Lágrimas, com a viola sempre genial de Almir Sater,

eu vou lembrando que o conceito da cascata de disponibilidade foi proposto incialmente pelos professores Timur Kuran e Cass R. Sunstein, em 1999 numa publicação chamada “Availability Cascades and Risk Regulation”.

Eles afirmaram que a cascata de disponibilidade é um processo que se auto alimenta, quando um tema ganha cada vez mais presença no discurso público, aumentando a disponibilidade desse tema para as pessoas, fazendo com que elas acreditem cada vez mais nele e ajudem a espalhar o assunto.

É como um meme: quanto mais atenção um perigo recebe, mais preocupadas as pessoas se tornam, ampliando a cobertura da imprensa e aumentando ainda mais o alarme.

Por exemplo: mudanças climáticas. Cada matéria dispara uma sucessão de comentários e novas matérias e discussões sobre esse tema. E como pequenos aumentos de temperatura não preocupam o povo, os alarmistas pegam exemplos climáticos extremos e eventos de impacto na saúde pública e os anunciam como sendo provocados por mudanças climáticas causadas pelo ser humano. E gritam a plenos pulmões: tem coisa muito pior pela frente, se não fizermos nada para esfriar o planeta. Começando pela redução da queima de combustíveis fósseis e culminando em viagens alucinadas como o tal Green New Deal que os democratas querem implementar nos Estados Unidos.

Você entendeu? O resultado das cascatas de disponibilidade é que medidas concretas acabam sendo tomadas.

Por isso, por causa da poderosa influência que as cascatas de disponibilidade têm na sociedade, é importante entende-las.

Uma cascata de disponibilidade ocorre com a sucessão de processos que consistem de outros dois tipos de cascatas:

Primeiro as Cascatas Informacionais, que ocorrem quando as pessoas que sentem falta de informação sobre um determinado assunto, baseiam suas opiniões nas opiniões apresentadas por outros. Não é assim? Depois expressam suas opiniões, copiando aquelas das pessoas que julgam que sabem mais que elas sobre o tópico em questão.

Depois vem as Cascatas Reputacionais, que acontecem quando as pessoas espalham uma crença popular, acreditando ou não nela, porque querem obter aprovação da patota, evitando assim serem lacradas ou canceladas, pra ficar nos termos da moda.

Quando as cascatas informacionais e as reputacionais ocorrem simultaneamente em larga escala, uma passa a reforçar a outra. E esse fenômeno é acionado pela ocorrência de algum evento notável que é largamente anunciado pelas mídias. O resultado é uma cascata de disponibilidade, onde as pessoas continuamente espalham uma informação ou crença, ampliando a quantidade de gente que fará o mesmo.

Cara, tudo que aconteceu com a Pandemia e os Átilas da vida é perfeitamente explicado por esse conceito. O sujeito, com ares de cientista, espalha uma informação que, quando se prova falsa, é tarde demais. O meme ganha tanta força que a verdade não importa mais. O espalhador virou guru, e tudo passa a ser questão de fé, mas aquela fé burra, que não admite o raciocínio lógico.

A cascata de disponibilidade é, então, um tipo de sistema de feedback positivo, já que quanto mais as pessoas discutem um tópico, e quanto mais frequentemente o fazem, mais outras pessoas se tornam dispostas a fazer o mesmo. E uma vez que a discussão ganhe massa crítica, dispara uma reação em cadeia que faz com que ela se torne mais e mais proeminente. Esse é sistema que se auto alimenta.

Opa! Agora você está ouvindo marionete, também com Almir Sater…

As cascatas de disponibilidade influenciaram a opinião pública em muitos segmentos, como na regulação das drogas, no uso de organismos geneticamente modificados, na adoção de novas tecnologias, na criação de novas regulações financeiras e na formação de atitudes para combater as mudanças climáticas. Estamos assistindo a formação de uma dessas ondas neste momento, com a questão das fake news e a crescente pressão pela regulação das mídias sociais pelo Estado. Querem que você troque um pouco de sua liberdade por um pouco de proteção.

No Cafezinho com o qual abri este programa, Daniel Kahneman exemplificou de forma clara como esse fenômeno é formado.

Existem diversas razões para que as pessoas perpetuem os vários tipos de cascatas, a maioria delas relacionadas ao viés cognitivo, que acontece pela forma como processamos informações e tomamos decisões.

O mais notável desses vieses é a disponibilidade heurística, que faz com que confiemos em atalhos mentais para tomar decisões. Isso significa que quanto mais frequentemente ouvimos uma determinada informação, mais fácil se torna acessá-la mentalmente, o que faz com que seja mais fácil acreditar nela.

Outro viés similar é o efeito da familiaridade, que faz com que as pessoas desenvolvam uma atitude positiva com relação àquilo que lhes é familiar. Aqui também, quanto maior a exposição a um tipo de informação, mais ela se torna crível e fácil de ser promovida.

Os marqueteiros sabem muito bem disso. Por isso a gente vê certos discursos e narrativas sendo repetidos à exaustão, até que se tornem familiares. Por exemplo, as ideias de que o capitalismo é malvadão e provoca a miséria, de que o socialismo só não deu certo porque foi deturpado, e outros temas que seu professor de historia martelou na sua mente o tempo todo. Você ficou familiarizado com essa narrativa, o que faz com que ela seja mais fácil de ser engolida.

Por fim, outro viés cognitivo é o efeito manada, que faz com que as pessoas adotem narrativas que são apresentadas por outras pessoas, causada pela confiança em provas sociais quando tomamos decisões e com o desejo de se sentir de acordo com o comportamento dos outros na comunidade. Queremos se aceitos pela patota.

Então vem os empreendedores de disponibilidade. Os indivíduos ou grupos que entendem a dinâmica das cascatas de disponibilidade e usam seu conhecimento para promover e suportar certas agendas. Essa turma usa certas táticas para aumentar a probabilidade de que uma cascata de disponibilidade ocorra. Para isso usam consistentemente a mídia, fazendo com que uma determinada ideia se torne mais palatável para o público. Também se preocupam para que o conceito que defendem seja muito fácil de ser repetido e assim disseminado para outros.

Você quer um exemplo? As hashtags que são lançadas a todo momento, desde antes de ter esse nome. ForaCollor, ForaTemer, SalvemOsPandas, AmazoniaEmChamas… são slogans meticulosamente criados para grudar em sua mente. E você os repete imbuído da vontade de salvar o mundo que embrulha esse conceito.

São afirmações retóricas simplificadas que os empreendedores de disponibilidade criam para serem fáceis de entender e assimilar. Mesmo que essas afirmações sejam de alguma forma erradas. A vantagem dessas afirmações é que as pessoas estão ávidas para promove-las no lugar de conceitos complexos e difíceis de serem compreendidos. Mesmo que esses conceitos complexos representem a verdade de forma mais precisa.

Uma forma de criar essas narrativas retóricas é usar histórias dramáticas, enquanto se ignora os dados empíricos que representam melhor a verdade, mas são mais difíceis de compreender.

Um exemplo é o candidato Boulos usando o exemplo da queda das barreiras de Mariana e Brumadinho para dizer que todas as empresas – e por tabela o capitalismo – prezam mais o lucro que a vida. Não importa que esses acidentes sejam uma exceção, eles são tratados como regra, a serviço de uma agenda. E essa narrativa é irresistível para os jovens ixpertos.

Outro truque usado pelos empreendedores de disponibilidade é construir narrativas que tirem vantagem do desejo das pessoas pela aceitação social. Para isso eles enfatizam a grande quantidade de gente que apoia sua mensagem. Ou sugerem que quem discorda dela é malvisto pelos outros.

Recentemente o economista Eduardo Moreira lançou a hasthtag #somos70 para passar a narrativa de que a maioria absoluta da população não votou em Bolsonaro, portanto, não apoia Bolsonaro. E se você não concorda com isso é gado. E isso é repetido por dezenas de influenciadores em todas as instâncias. Então deve ser verdade! Você entendeu qual é o jogo?

Cadê o boi
Tavinho Moura

Ô menino, ô menina
Gente fina, cadê o boi
Meus senhores e senhoras
Gente amiga, cadê o boi
Quem souber o que acontece
Diga logo, foi ou não foi
Tá sumido, tá perdido
Se ele some, não tem festa
Não tem vida nem presente
Nem passado, não tem nada
Boi é tudo, boi é força
Boi é gente, cadê o boi
Boi é povo, povo é festa
Boi é tudo, cadê o boi
Sol e chuva no trabalho
Construindo, cadê o boi
Leva o trigo, leva a cana
Leva a água, cadê o boi
Foi maldade, foi magia,
Foi inveja, o que que foi
Foi prefeito, foi governo
Foi Herodes, quem é que foi
Sem o boi Natal não presta
Não tem festa, cadê o boi
Sem o povo, Natal não presta
Não tem festa, cadê o boi
Pois o boi que é a festa
Boi estrela, cadê o boi

Essa é Cadê o boi, do Tavinho Moura, aqui com ele mesmo….

Bem, como a cascata de disponibilidade geralmente acontece numa larga escala social, há pouco que você possa fazer para pará-la depois que ela ganha impulso.

O que dá pra fazer é permanecer consciente da existência dela. Mesmo que nem todas sejam negativas, o ponto é que elas podem pressionar você a aceitar e promover ideias mesmo que você não acredite que elas sejam verdadeiras. Ou que sejam de seu interesse. Você acredita verdadeiramente que Bolsonaro está incendiando a Amazônia propositadamente? Que é um genocida? Se acredita, seu caso é grave.

Mesmo que seja complicado identificar uma cascata de disponibilidade, alguns sinais podem ajudar:

1. O assunto em questão repentinamente ganha importância no discurso público.

2.O assunto começa a ser debatido com intensidade por gente que normalmente não estaria interessada nele

3. As discussões foram acionadas por um evento recente

4. As discussões parecem ser mais emocionais do que baseadas em fatos

5. As discussões são enquadradas de tal forma que quem for contra a opinião defendida é apresentado como vilão.

6. Há um chamado para ação imediata, que não leva em consideração as consequências futuras.

Se você acredita que encontrou uma cascata de disponibilidade, pode usar diversas técnicas para evitar o viés. Pode, por exemplo, reduzir a velocidade de seu processo de reflexão para aumentar a capacidade de processar todas as informações relevantes de forma racional  em vez de emocional.

Eu criei a minha regra das 48 horas, cara! Apareceu uma bomba na imprensa, eu não tomo nenhuma decisão antes de 48 horas. Calma, devagar, espera, deixa chegar mais informação, deiva ver o que está acontecendo. Só depois é que eu vou dar a minha opinião.

Verifique se o assunto em questão confirma suas crenças preexistentes. O viés de confirmação fará com que você esteja predisposto a aceitar as informações da cascata. Fique esperto para as mensagens disseminadas pelos empreendedores da disponibilidade, especialmente quando eles têm motivações claras para espalhar a desinformação.

Por fim: nem toda informação dentro de uma cascata da disponibilidade é ruim ou esta errada. Tenha cuidado com ela, processe-a de forma racional.

E parte importante de você aprender a processar as informações, é tomar contato com coisas diferentes, né?

Por exemplo, o Itaú Cultural tem três podcasts para quem se interessa por música, literatura e questões indígenas.

No podcast Escritores-Leitores, autores brasileiros falam de seu processo criativo. No podcast Toca Brasil, artistas, produtores e pesquisadores do universo musical falam de seu trabalho. E no podcast Mekukradjá escritores, cineastas e lideranças de povos indígenas de várias regiões do Brasil tratam das questões indígenas.

Acesse itaucultural.org.br. Agora você tem cultura entrando por aqui, pelos olhos e oelos ouvidos…yi

Muito bem! Então hoje você aprendeu que a cascata de disponibilidade é um processo auto alimentado em que um determinado assunto ganha proeminência na opinião pública, aumentado sua disponibilidade para as pessoas, fazendo com que se torne mais fácil para elas acreditar no assunto e espalhá-lo para outras pessoas.

Cascatas de disponibilidade influenciam a opinião pública e podem ter impacto negativo, como quando espalham informações falsas, ou então impacto positivo, quando levam à correção de injustiças e erros na sociedade.

O mais importante: cascatas de disponibilidade são em sua maioria conscientemente criadas por fabricantes de memes. A serviço de interesses que não sei se são os seus.

O importante é você estar consciente da manipulação, sempre praticar o ceticismo saudável, cuidar quando sua certeza se transformar em fé e paixão. Aí meu, fica difícil raciocinar.

Fique esperto.

Paixão e Fé
Milton Nascimento

Já bate o sino, bate na catedral
E o som penetra todos os portais
A igreja está chamando seus fiéis
Para rezar por seu Senhor
Para cantar a ressureição

E sai o povo pelas ruas a cobrir
De areia e flores as pedras do chão
Nas varandas vejo as moças e os lençóis
Enquanto passa a procissão
Louvando as coisas da fé

Velejar, velejei
No mar do Senhor
Lá eu vi a fé e a paixão
Lá eu vi a agonia da barca dos homens

Já bate o sino, bate no coração
E o povo põe de lado a sua dor
Pelas ruas capistranas de toda cor
Esquece a sua paixão
Para viver a do Senhor

É assim então, ao som da fabulosa Paixão e Fé, aqui com Tavinho Moura e Fernando Brandt, que vamos saindo de mansinho…

Miolo fervendo, né, cara? Olhe pro lado aí, você vai ver que o que mais tem é cascata.

O Café Brasil é produzido por quatro pessoas. Eu, Luciano Pires, na direção e apresentação, Lalá Moreira na técnica, Ciça Camargo na produção e, é claro, você aí ó, completando o ciclo.

O conteúdo do Café Brasil pode chegar ao vivo em sua empresa através de minhas palestras. Acesse lucianopires.com.br e vamos com um cafezinho ao vivo?

De onde veio este programa aqui tem muito mais e você pode agora fazer parte do time, vem pra cá, cara! Acesse o link confraria.cafe. De novo confraria.cafe. Nele, você vai conhecer os planos pra se tornar um assinante e contribuir ativamente para que esse conteúdo aqui chegue pra muito mais gente gratuitamente. Tem um plano lá, que custa R$12,00 por mês.O preço de uma latinha de cerveja quente. Todo mês esse dinheiro vai fazer com que você nos ajude a continuar crescendo e trazendo a nossa voz, fazendo com que ela seja ouvida, continuando a trabalhar pela liberdade, pela independência. De novo: vem pra cá. confraria.cafe.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Para terminar, uma frase de Daniel Kahneman:

As pessoas tendem a determinar a importância relativa dos assuntos pela facilidade com que conseguem recuperá-los na memória. E isso é imensamente determinado pela extensão da cobertura da imprensa.