s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Como se proteger da manipulação das mídias
Como se proteger da manipulação das mídias
Descubra o passo a passo para se proteger das mentiras, ...

Ver mais

Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Publiquei um post em minha página do Facebook, dizendo ...

Ver mais

Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
O Brasil é um grande país, que precisa de um povo unido ...

Ver mais

Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Um dia, descobri que grande parte dos ouvintes do ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Entulho? Só quando convém
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Nestes tempos estranhos, algumas expressões da moda são muito ridículas, reverberadas principalmente pelas redes sociais; as politicamente corretas geralmente são as piores. Mas há outras, como o ...

Ver mais

Conhecendo a história do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Conhecendo a história do Brasil… por meio dos que contaram a história “A história é a justiça imparcial, mas tem a mania de chegar tarde.” Roberto Campos[1] Em artigo intitulado Livros para ...

Ver mais

Tributo a Jaime Lerner
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tributo a Jaime Lerner Recebi, com enorme tristeza, a notícia do falecimento de Jaime Lerner, ocorrido em Curitiba, dia 27 de maio. Seu trabalho como urbanista é merecedor de reconhecimento tanto ...

Ver mais

Macrotendências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Macrotendências: mudanças em curso  “As mortes totais causadas pelo terrorismo em todo o mundo despencaram 59% desde seu pico em 2014. No Ocidente, a ameaça presente é menos da violência islâmica ...

Ver mais

Cafezinho 395 – Ervas daninhas
Cafezinho 395 – Ervas daninhas
Afinal, em que tipo de solo você acha que brota a ...

Ver mais

Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Isso é o que eu chamo de “celebrar o fracasso”: ...

Ver mais

Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Se no reino animal é a degeneração física que torna os ...

Ver mais

Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Tem tanta mentira em volta da gente, que acabamos ...

Ver mais

Café Brasil 745 – Superhomem

Café Brasil 745 – Superhomem

Luciano Pires -

A Perfetto é a patrocinadora do Café Brasil que faz sorvetes.

Vc já foi no blog deles hein? Fica lá no perfetto.com.br , lembre-se o perfetto tem sempre dois tês. Tem uma receita lá de Carpaccio de sorvete, que vou te contar… Você usa o Maxxi Creme ou uma unidade do Fazendo Festa, um sorvete cremoso de baunilha com cobertura de chocolate ao leite, mistura com morango e hummm, cara! Fica cremoso, não é muito doce… Olha, vou te contar. É simplesmente Perfetto.

vamos ver aqui:

Luciano – Ô Lalá, na hora do prazer, é pra fazer o quê?

Lalá – Use Perfetto!

Luciano – Rararararara…

Com sorvete #TudoéPerfetto

O programa de hoje passa por igualdade de gêneros. E será a partir da obra de um de nossos maiores artistas: Gilberto Gil. Só que tem uma coisa, cara! Se você está contaminado pela política, se não gosta do Gil político, se só consegue enxergar as opiniões erradas que ele tem sobre como deve ser a sociedade, do pessoal com quem ele anda, cara! Olha: para por aqui tá? Neste episódio, estou interessado no poeta, no sujeito que teve a coragem de trazer a público, quase 50 anos atrás, um debate que hoje é considerado moderno.

Bom dia, boa tarde, boa noite. Você está no Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Posso entrar?

“Bom dia, meu nome é Denise, tenho 43 anos, trabalho com tecnologia da informação desde os 19. Estudei processamento de dados e arquitetura e urbanismo, essa última como um capricho, como um desejo que eu sempre tive de aprender mais sobre a arte. Eu trabalho  com metodologia ágil, então a gente tem que pensar diferente isso… a faculdade acabou me ajudando a ser mais flexível quanto a isso.

Moro aqui em Portugal, viemos eu, meu marido, dois filhos e duas cachorras, em 2019. Aqui em Portugal pude perceber o que realmente é uma mudança, não só fisicamente, mas uma mudança de estilo de vida, mudança de cabeça, de cultura. Isso enriqueceu muito a minha família, me enriqueceu. No Brasil eu não era dona de casa, aqui eu passei a ser dona de casa, mãe a 100% e também resolvi entrar pro mercado de TI aqui.

Pra entrar no mercado de TI foi quase frustrante, porque eu não conhecia ninguém, demorou um pouco pra eu entrar, mas eu consegui entrar no mercado, já estou trabalhando há um ano com tecnologia aqui em Portugal e está sendo um sucesso pra mim. Foi uma evolução, eu consegui lidar com todos os fatores que eu não tinha no Brasil. Então foi uma mudança muito grande pra mim.

Bom, resolvi mandar esse áudio também, além dessa introdução da minha vida, que eu gosto disso, dizer que eu ouço o Café há muito anos, há muitos anos mesmo. E eu nunca paguei um centavo, como dizem aqui, nunca paguei um cêntimo.

E ultimamente, eu tenho ouvido mais o Café Brasil, tá muito mais rico, pra mim, foi muito mais profundo essa fase, acho que junta essa pandemia, essa carência que a gente tem de ouvir e resolvi assinar, comprei o MLACamp, vou fazer todas as aulas, estou super dedicada a esse aprendizado, mais esse aprendizado e vou assinar o Café Premium sim, porque isso não me custa nada como o Luciano mesmo diz: são duas latinhas de cerveja quente. Então, vale muito mais do que isso. É espetacular.

Eu já ouvi vários áudios, das pessoas do podcast e é interessante, é gratificante e é emocionante ver a transformação das pessoas e eu me incluo nesse grupo de transformados. Estou mostrando o Café Brasil pra minha família, tenho um filho de 19 anos e o meu marido também, tô mostrando pra ele, pra ele entender o que eu ouço. E é um prazer, é um prazer passar isso pra frente. Tô divulgando pra quem eu posso porque pra mim é quase como uma auto ajuda. Foi espetacular o Café.

Desculpa o áudio muito grande, mas eu queria só dizer isso, tá bem? Muito obrigada. Muito obrigada mesmo.

Ah! eu esqueci de dizer também: o aplicativo que eu baixei aqui no iPhone, está excepcional, tá muito legal. Muito legal. Muito bem organizado. Eu me perco na quantidade de informação que tem, na quantidade de publicação que tem, mas é um caminho espetacular. Eu adorei o app.”

Que legal Denise! Olha! Esse seu depoimento, aí mostra bem a força da mulher, viu? Imagino a barra de mudar para um país diferente, longe de todos os amigos, ser mãe, dona de casa, profissional de TI, tudo ao mesmo tempo! Olha! Eu não sei se o super homem aqui conseguiria bancar essa aí não, viu? Parabéns, e muito obrigado pelo depoimento sobre nosso conteúdo. Seja sempre bem-vinda, curta o conteúdo e continue espalhando nossa sementinha! Você é o tipo de ouvinte que nos orgulha!

Ah, e você elogiou o aplicativo, cara! É a primeira que alguém faz isso e com entusiasmo! Muito obrigado!!

Muito bem. A Denise receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculinos. Basta enviar um endereço aqui no Brasil para contato@lucianopires.com.br.

A DKT distribui as marcas Prudence, Sutra e Andalan, contemplando a maior linha de preservativos do mercado, além de outros produtos como anticonceptivos intrauterinos, géis lubrificantes, estimuladores, coletor menstrual descartável e lenços umedecidos. A causa da DKT é reverter grande parte de seus lucros para projetos nas regiões mais carentes do planeta para evitar gravidez indesejada, infecções sexualmente transmissíveis e a AIDS. Ao comprar um produto Prudence, Sutra ou Andalan você está ajudando nessa missão!

facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então!

Luciano – Lalá, qual é o recado você tem para as mulheres?

Lalá – Não esqueçam: na hora do amor, usem Prudence!

Muito bem! Eu uso essa versão deliciosa de Refazenda, com Mauro Senise, pra voltar para 1975, quando Gilberto Gil lança um dos melhores discos de sua carreira, Refazenda, que abria a trilogia “Re” (Refazenda (1975), Refavela (1977) e Refestança (1978)).

O álbum está recheado de clássicos, que mostram claramente a qualidade da poesia, da composição, dos arranjos que marcaram uma fase de Gil.

Olha só os petardos…”Ela”, “Tenho Sede”, “Refazenda”, “Jeca Total”, “Essa é pra Tocar no Rádio”, “Ê, Povo, Ê”, “Retiros Espirituais”, “O Rouxinol”, “Lamento Sertanejo e “Meditação”.

Gil vinha de um período rock’n roll e surpreendeu a todos ao produzir um trabalho com foco nas raízes nordestinas. Dominguinhos faz parte do álbum, proporcionado uma combinação irresistível do acordeon nordestino com o violão Ovation e os novos pedais que Gil usou nas gravações.

Uma das canções, no entanto, a quarta faixa do lado A, causou espécie, como diria meu avô… Foi a faixa Pai e Mãe, que tinha uma letra dúbia que causou grande repercussão:

Pai e mãe
Gilberto Gil

Eu passei muito tempo
Aprendendo a beijar outros homens
Como beijo o meu pai
Eu passei muito tempo
Pra saber que a mulher que eu amei
Que amo, que amarei
Será sempre a mulher
Como é minha mãe

Como é, minha mãe?
Como vão seus temores?
Meu pai, como vai?
Diga a ele que não se aborreça comigo
Quando me vir beijar outro homem qualquer
Diga a ele que eu quando beijo um amigo
Estou certo de ser alguém como ele é
Alguém com sua força pra me proteger
Alguém com seu carinho pra me confortar
Alguém com olhos e coração bem abertos
Para me compreender

E aí, hein? Que tal, cara? A canção é maravilhosa, não é? Cara, aquele “aprender a beijar outros homens…”, em 1975,  foi uma porrada.

Naquela época as pessoas olhavam com desconfiança aqueles neo hippies, que tinham trejeito efeminados, mas eram casados e tinham filhos, afinal, Gil… será que ele é?  Gil falava em beijar outros homens como beijava seu pai. Mas ao mesmo tempo dizia “Diga a ele que não se aborreça comigo/Quando me vir beijar outro homem qualquer/Diga a ele que eu quando beijo um amigo/Estou certo de ser alguém como ele é…”

Em 1975 Gil já colocava em pauta a discussão da masculinidade. Era demais para aqueles tempos… O próprio Gil falou a respeito numa entrevista à Bruna Lombardi:

Bruna – Uma das frases de maior delicadeza que eu já ouvi um homem dizer numa canção. Você diz: eu Eu passei muito tempo aprendendo a beijar outros homens, como beijo o meu pai… é belíssimo isso.

Gil – descobrir a mãe nele, é isso.

Bruna – E você uma vez, Gil, declarou numa revista, que tinha amado outro homem. Você procurava seu pai em outro homem?

Gil – Eu acho que é. Acho que é isso. Deve ter sido isso. Procurar… não é nem procurar, é encontrar, né? Na verdade, não tinha essa necessidade de procurar, mas encontrava em… de repente… num outro homem aquela coisa… um conjunto pai e mãe possível, quer dizer, um ser em que o afeto podia fluir sem muitas barreiras, sem ficar pensado nas questões de sexo…

Bruna – de homessexualismo, de ser visto como um….não havia nada a provar. Você estava buscando… não  é você específico, mas a maioria das pessoas da sua geração, uma formação machista e você não quis isso.

Gil – Não quero… talvez uma das guerras que eu tenha travado  na minha vida tenha sido contra isso. Eu falei um pouco disso. Foi o momento na vida em que eu tive que investir na minha mãe.

Bruna – Você teve que dar à feminilidade.

Gil – Eu tive que investir na minha mãe. Meu pai era muito, muito o domínio na minha casa. Tudo tinha sido o meu pai, tudo tinha sido meu pai, tudo tinha sido meu pai…

Bruna – Mas como que você descobriu isso? Você lembra?

Gil – Não sei. A vida foi me dando. eu me lembro que eu fiz  essa música Pai e mãe, a que voê citou alguns versos dela, eu fiz no dia que eu completei 33 anos. E eu me lembro muito bem que o impulso inicial da composição foi a parelha o Cristo, o Jesus e a Virgem Maria. O filho e a mãe…

O Gil já tinha a reflexão dele meio confusa, né? Mas tá valendo, cara!

O filho e a mãe… O homem e a mulher… Entendeu? Gil comprou a briga em 1975, trazendo a público um questionamento sobre o papel do homem e da mulher na sociedade. E fez isso com poesia. Apanhou e apanha até hoje, é só ler as áreas de comentários dos vídeos onde ele aparece, cara. O que tem de estúpido lá, é brincadeira.

Mas vamos avançar para 1979…Novamente Gil causa, ao dar voz a um lado feminino do homem. Como em Pai e Mãe, Gil reflete sobre o papel do homem e da mulher na sociedade, fundindo os dois gêneros.

E ele conta como nasceu essa canção, quando estava nos Estados Unidos se preparando para uma turnê por lá. Ouça:

Gil – Superhomem, a canção, por volta de meia noite, uma hora da manhã, ouço vozes. eu estava no quarto já, pra dormir. Era o Caetano com amigos chegando do filme Superhomem que eles tinham ido ver. Eu estava no quarto já, pra dormir, Caetano narrava com aquele entusiasmo que lhe é peculiar, com relação a cinema, ele é louco por cinema. É coisa do filme, o que era o filme e tal. E eu me lembro bem que entre muitas passagens narradas com detalhes por ele, ficou na memória aquela coisa do Superhomem revertendo o eixo da terra, interferindo na rotação da terra, pra voltar ao tempo e salvar a mocinha que tinha sido soterrada e tal.

Depois da conversa toda, fui pro quarto e eu fiquei com aquilo na cabeça. Engraçado o Super Homem…. a conversa rolou até três, quatro da manhã, eu fui me recolher e não consegui dormir. Aí peguei o violão, caderninho e escrevi a canção. Essa união indissociável que existe entre o homem e a mulher, essa dependência mútua, de um e do outro, da qual depende também a sobrevivência da espécie, não é?

Com o advento da era moderna, as mulheres ganharam muito espaço, né? Todos os espaços, e isso foi necessariamente colocando o homem contra a parede também. Ele foi entendendo que precisava rever essa dependência real que ele tem dela. Então, é melhor a gente ceder os anéis pra não perder os dedos.

Eu acho que uma cultura de maior harmonização entre os gêneros, desemboca em mais harmonia também em outros campos, porque esse é o campo básico do relacionamento. É o primordial, é o primitivo, né? O homem e a mulher. Começa tudo daí.

Então eu acho que todas as outras questões sociais, quer dizer, decorrem disso aí. Eu, pelo menos, gosto de acreditar assim. Eu sou… eu sou… eu sou adepto da harmonização. eu gosto muito de tudo que possa ter cheiro de harmonia, ter gosto de harmonia, ter gosto de entendimento…

Um dia
Vivi a ilusão de que ser homem bastaria
Que o mundo masculino tudo me daria
Do que eu quisesse ter
Que nada
Minha porção mulher, que até então se resguardara
É a porção melhor que trago em mim agora
É que me faz viver
Quem dera
Pudesse todo homem compreender, oh, mãe, quem dera
Ser o verão o apogeu da primavera
E só por ela ser
Quem sabe
O Superhomem venha nos restituir a glória
Mudando como um deus o curso da história
Por causa da mulher

Cara! É maravilhosa. Essa canção foi feita com base na narrativa do Caetano Veloso. Como era Superhomem – O Filme, ficou Superhomem – a Canção

Gil fez a excursão norte americana toda e, só quando chegou a Los Angeles para gravar o disco, foi que assistiu o filme.

A cena que inspirou Gil, aquela do Super-Homem fazendo a terra girar ao contrário e voltando  o tempo pra salvar a mocinha, causou discussões. Mario Puzo, autor do roteiro original do filme, não concordou com a inclusão desta solução tão mágica assim em seu trabalho Ele ficou louco da vida e falou publicamente. Mas o público que ficou fascinado com aquele Super-Homem que parecia voar de verdade, mesmo com os efeitos especiais toscos da época, adorou a solução para salvar a mocinha…

Gilberto Gil compreendeu ali a força daquela mulher, capaz de fazer o homem mais poderoso do mundo inverter o tempo, cara … Em certa medida, Lois Lane era mais poderosa que o Super-Homem!

E a história da humanidade está repleta de momentos em que, por uma mulher, muitos homens poderosos perderam a cabeça. Literalmente…

Cara! Que poder é esse?

E o Itaú Cultural hein? Con seus três podcasts faz com que quem se interessa por música, literatura e questões indígenas, faça a festa, cara!

O podcast Escritores-Leitores, traz autores brasileiros pra falar de seu processo criativo. O podcast Toca Brasil, traz artistas, produtores e pesquisadores do universo musical pra falar do seu trabalho. E o podcast Mekukradjá traz escritores, cineastas e lideranças de povos indígenas de várias regiões do Brasil tratam das questões indígenas.

Acesse itaucultural.org.br , Agora você tem cultura entrando por aqui: pelos olhos e pelos ouvidos…

Pois é… Muita gente na época – e até hoje – considera aquela fala sobre a ‘porção mulher’ como uma confissão ou apologia à homossexualidade. E Gil afirma que é justamente o contrário. Sim, há uma insinuação de androginia ali, um tema que interessava muito ao Gil na ocasião, do feminino como complementação do masculino e vice-versa, “masculino e feminino como duas qualidades essenciais ao ser humano.”, como Gil mesmo diz, certamente remetendo a Carl Jung, que disse assim:

“Todo homem leva dentro de si a imagem eterna da mulher, não a imagem desta ou daquela mulher em particular, mas sim uma imagem feminina bem definida, (…) sendo inconsciente, tal imagem, é sempre projetada na pessoa amada, e constitui um dos principais motivos da atração apaixonada ou aversão.”

Jung afirmou que todo ser humano possui características psicológicas de ambos os sexos. A parte interior feminina do homem, Jung chamou de Anima. E chamou de Animus o lado masculino da psique feminina. Portanto, todo mundo, inclusive você, possui qualidades que pertencem ao sexo oposto, tanto no sentido biológico, como também no psicológico.

Você lembra daquele conceito do Yin e Yang do Taoísmo? A complementariedade, cara? É a mesma coisa.

Aliás, na época em que Gil lançou essa canção, David Bowie e Freddie Mercury também assumiam uma postura andrógina nos palcos. No Brasil, era Ney Matogrosso nos Secos e Molhados, seguindo o sucesso estrondoso de Lennie Dale e os Dzi Croquettes, que em 1973, no auge do regime militar, já assumiam a androginia como uma bandeira nos palcos do Rio de Janeiro.

Havia um interesse global em compreender essa fusão entre homem e mulher. Músicas com essa temática eram lançadas a todo tempo. Quem não lembra de Pepeu Gomes em 1982?

Masculino e feminino
Pepeu Gomes

Ôu! Ôu!
Ser um homem feminino
Não fere o meu lado masculino
Se Deus é menina e menino
Sou Masculino e Feminino…

Olhei tudo que aprendi
E um belo dia eu vi…

Que ser um homem feminino
Não fere o meu lado masculino
Se Deus é menina e menino
Sou Masculino e Feminino…

Olhei tudo que aprendi
E um belo dia eu vi
Uh! Uh! Uh! Uh…

E vem de lá!
O meu sentimento de ser
E vem de lá!
O meu sentimento de ser
Meu coração!
Mensageiro vem me dizer
Meu coração!
Mensageiro vem me dizer…

Salve, salve a alegria
A pureza e a fantasia
Salve, salve a alegria
A pureza e a fantasia…

Olhei tudo que aprendi
E um belo dia eu vi
Uh! Uh! Uh! Uh…

Que ser um homem feminino
Não fere o meu lado masculino
Se Deus é menina e menino
Sou Masculino e Feminino…

Vou assim todo o tempo
Vivendo e aprendendo
Ôu!…

E vem de lá!
O meu sentimento de ser
E vem de lá!
o meu sentimento de ser
Meu coração!
Mensageiro vem me dizer
Meu coração!
Mensageiro vem me dizer
Ôu! Ôu! Uh!…

Cara! Você reparou na riqueza dos arranjos? A paisagem sonora, cara! Que coisa fantástica. A música que esses caras faziam naquela época era fantástica! E aquele era o Pepeu, cantando que tinha um lado feminino e fazendo  seis filhos com a Baby Consuelo…

E o Ney Matogrosso em 1981?

Homem com H
Antonio Barros

Nunca vi rastro de cobra
Nem couro de lobisomem
Se correr o bicho pega
Se ficar o bicho come
Porque eu sou é home’
Porque eu sou é home’
Menino eu sou é home’
Menino eu sou é home’
E como sou
Nunca vi rastro de cobra
Nem couro de lobisomem
Se correr o bicho pega
Se ficar o bicho come
Porque eu sou é home’
Porque eu sou é home’
Menino eu sou é home’
Menino eu sou é home’
Quando eu estava prá nascer
De vez em quando eu ouvia
Eu ouvia a mãe dizer
Ai meu Deus como eu queria
Que essa cabra fosse home’
Cabra macho prá danar
Ah! Mamãe aqui estou eu
Mamãe aqui estou eu
Sou homem com H
E como sou
Nunca vi rastro de cobra
Nem couro de lobisomem
Se correr o bicho pega
Se ficar o bicho come
Porque eu sou é home’
Porque eu sou é home’
Menino eu sou é home’
Menino eu sou é home’
E como sou…

Rarararara… cara, como a música brasileira tem história, viu?

A riqueza da música popular brasileira é um negócio impressionante. Mas tem que estudar, tem que ir atrás, tem que entender o porque, tem que saber quem é que estava cantando, quando estava cantando, o que queria dizer aquilo, qual era a mensagem que estava sendo passada ali. E quando você descobre, você entende que é possível contar a história do país através da sua música.

Muito bem….

Lembrando então que Carl Jung complementou sobre a anima e o animus assim:

“Visto esta imagem ser inconsciente, será sempre projetada, inconscientemente, na pessoa amada; ela constitui uma das razões importantes para a atração passional ou para a repulsa.”

Você entendeu, hein? Você seu ogro, precisa de sua porção mulher para se relacionar com as princesas. E você, princesa, precisa de sua porção ogro também.

Então relaxa.

E goza.

Mas use Prudence.

É assim, com Ney Matogrosso e o Homem com H, de Antonio Barros, que vamos arrumando as coisas pra sair embalados.

Olha! Essa discussão de homem, mulher, isso aí é desde a idade das pedras e não vai terminar nunca, O que me deixa enlouquecido é quando essa coisa vira bandeira política e começa essa barbaridade que nós estamos vendo aí de se contrapor  um contra o outro. A forma que eu tenho pra responder isso é contar um pouquinho o que acontecia comigo ao longo da vida. Cara!

Eu comandei equipes de todo tipo, de todo tamanho em empresa grande, depois fazendo meus projetos aqui, sempre tive nas equipes mulheres, e contratei, se bobear, mais mulheres do que homens. E quando a pessoa pergunta pra mim, qual é o critério que eu uso pras contratações, eu digo o seguinte: cara, eu contrato cérebros. Eu estou interessado em cérebros. Se em volta do cérebro tem um casca branca, preta, masculina, feminina, tem pipipi ou pepeca, cara, isso não tem a menor importância.  Eu quero o cérebro.

E se a gente entendesse que é assim que a humanidade funciona, talvez ficasse tudo muito mais fácil.

Olha só: o Café Brasil é produzido por quatro pessoas. Eu, Luciano Pires, na direção e apresentação, Lalá Moreira na técnica, Ciça Camargo na produção e, é claro, você aí, completando o ciclo.

De onde veio este programa tem muito mais, especialmente para quem assina o Café Brasil Premium. Cara! Vai lá: confraria.cafe. Tem um plano lá de doze reais por mês. Cara! Duas latinhas de cerveja quente, bicho. É muito barato. E vai ajudar a gente a continuar entregando esse conteúdo aqui gratuitamente pra muitas pessoas.

Aproveite o embalo também que eu lancei meu curso CAMP que é uma paulada. CAMP: mlacafebrasil.com. É um curso que trata de planejamento, de produtividade, de inovação, de liderança, de moral e ética e de comunicação, de um jeito como você nunca viu. Sem blá blá blá e sem formula mágica. Estilo Luciano Pires.

Se você gosta dos podcasts, vai amar o curso. Vem pro CAMP. mlacafebrasil.com.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Para terminar, aqui vai uma frase de Gilberto Gil:

Quem sabe
O Superhomem venha nos restituir a glória
Mudando como um deus o curso da história
Por causa da mulher

 

 

 

A morte de lois lane https://www.youtube.com/watch?v=3gSOZW-vNFk

Terra gira ao contrario https://www.youtube.com/watch?v=5DJ1_sklHHk