s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Não devemos aceitar verdades universais a partir de ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Café Brasil 757 – O dono da firma
Café Brasil 757 – O dono da firma
Vamos então a mais um programa que fala do empreendedor ...

Ver mais

Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Usar a internet de forma responsável, é isso que trata ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

A guerra dos pelados
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
De 1912 a 1916 o Estado de Santa Catarina sofreu a Guerra do Contestado, conflito armado que opôs, de um lado, posseiros e pequenos produtores rurais, e de outro militares federais e estaduais. ...

Ver mais

A americanização do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O imperialismo sedutor     “Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor Eu fui à  Penha, fui pedir à Padroeira para me ajudar Salve o Morro do Vintém, pendura a saia que eu quero ...

Ver mais

Economia da desigualdade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia da desigualdade “Os valores que conferem ao capitalismo sua legitimidade são prosperidade e liberdade para todos. […[ Se você concentra poder e renda em um pequeno grupo, o ...

Ver mais

Autonomia do Banco Central
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Caminhando rumo à autonomia do Banco Central ˜O desejo parece ser o de que a política econômica saia de uma vez por todas da alçada dos presidentes da república. […]. Delega-se para a diretoria ...

Ver mais

Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
O viés de confirmação leva ao isolacionismo ...

Ver mais

Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
No Chapeuzinho Vermelho 4.0, tá cheio de lobo se ...

Ver mais

Cafezinho 362 – Na bala!
Cafezinho 362 – Na bala!
Se a constituição brasileira não proíbe que o deputado ...

Ver mais

Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Tudo o que é possível de ser tornado coletivo em grande ...

Ver mais

Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia

Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia

Luciano Pires -

A Perfetto é patrocinadora do Café Brasil e… sabe o que eles fazem? Sorvetes!

Você já foi no blog da Perfetto? Fica lá no perfetto.com.br , esse perfetto tem dois tês. Achei lá o Purple Power, um delicioso picolé de açaí, rico em polpa de açaí natural… huummmm… Tem uma cobertura de chocolate branco e flocos de banana que é pra fechar com chave de ouro! A combinação faz TODA a diferença! Só provando pra entender. Entendeu?

Com sorvete #TudoéPerfetto

Os norte-americanos têm um termo interessante: talk is cheap, que numa tradução livre quer dizer “falar é barato”. Sim, falar é a parte fácil, cara. Como é simples abrir a bocarra e soltar um absurdo qualquer, não é? O duro mesmo é falar e fazer o que se diz. Quando isso não acontece, lidamos com um conceito interessante. O da hipocrisia. Vamos nessa?

Bom dia, boa tarde, boa noite. Você está no Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Posso entrar?

Hipocrisia
Barrerito

Deus, olhe seus filhos
Que caminham sem destino
Até parece procissão de peregrinos
Buscando forças pra poder sobreviver

Deus, os grandes homens
Que tem tudo em suas mãos
Fez do seu mundo uma horrível escravidão
Usam a força com abuso de poder

Meu Deus, esqueceram
Até os seus mandamentos
E ignoram todos seus ensinamentos
E não se importam com a miséria do seu povo

Meu Deus, já perderam
Por você todo o respeito
Eu lhe peço, oh meu Deus que dê um jeito
Mande Seu Filho Jesus Cristo vir de novo

Jesus, quando vier
O Senhor venha prevenido
Pois o Senhor pode também correr perigo
Pois eles podem até declararem guerra

Jesus, traga o exército
De Deus junto contigo
Pra socorrer o nosso povo tão sofrido
Com a hipocrisia que existe nesta Terra

Rararararara… sabe quem é esse? Barrerito, o cantor das andorinhas, com seu sucesso Hipocrisia.

Jesus, quando vier
O Senhor venha prevenido
Pois o Senhor pode também correr perigo
Pois eles podem até declararem guerra

Rararara… não tá fácil pra ninguém, viu bicho?

Pois é…

Talk is cheap. Falar é barato. Falar é fácil.

Minha filha tomou a decisão de retornar à academia. Quer emagrecer. Veio me falar entusiasmada da nova academia que encontrou, foi até lá e fechou com eles um mês, para testar. Na segunda, ela começaria.

Um mês depois, mesmo tendo pago, ela foi à academia, você sabe quantas vezes? Nenhuma. Zero. Niente. Nada. Nem uma, cara!

Falar é fácil. Inscrever-se na academia é muito fácil, cara. É só ir lá e pagar, né? Mas aí vem a parte difícil.

Sabe aquele equipamento de ginástica que você comprou e nunca usou? Pois é… comprar é fácil, cara. Mas aí, tem de fazer.

Isso me leva a outro termo que os norte-americanos também usam: walk the talk. Aliás, tem um Café Brasil a respeito, é o 214.

No walk the talk, o talk é a parte fácil…

Falar é fácil cara, não demanda investimentos, dá menos trabalho e, curiosamente, tem uma baita credibilidade. Se alguém diz que faz, a gente acredita. Dá um baita trabalho ir lá ver se o fulano fez mesmo. E isso vale até mesmo de nós pra nós. Eu decidi que vou emagrecer e vou na academia. Pronto, está assumido o compromisso e fiquei feliz. Afinal, eu acredito em mim, não é? Pois é…

E se eu decidir que vou acompanhar o que você prometeu fazer, é provável que você se sinta insultado. Como assim, eu não confio na sua palavra? Se eu ouvi sua promessa, mas desconfio de sua palavra, significa que acho que você não vai walk the talk. Não vai fazer o que disse que faria.

Significa que acho que você é… hipócrita.

O termo hipocrisia deriva do grego hypo, que quer dizer sob, e krinein, que significa mudar, decidir. Daí nasceu o termo hypokrinesthai, eu sei lá como é que fala isso aqui em grego, cara, que significa fingir, representar um papel, responder. Enttão veio o latim Hypocrisis, que significa imitar os gestos ou a fala de uma pessoa. Lá pelo ano 1200, mudou para ipocrisie, o pecado de fingir virtudes ou bondades. E chegou no hipocrisia que conhecemos hoje.

Sacou? Hipocrisia é a arte de aparentar qualidades com o propósito de parecer virtuoso. Tem tudo a ver com o Café Brasil 744 – Sinalização de virtude.

Mas vai mais longe, sabe? Hipocrisia é mais do que só querer parecer virtuoso.

Você quer um exemplo recente? O do Youtuber Felipe Neto que enquanto fazia vídeos condenando as pessoas que não respeitavam o “fique em casa” dos tempos de pandemia, inclusive acusando outros youtubers que fizeram festas, foi filmado jogando uma pelada com os amigos. Correu para as redes sociais para dizer que cometeu aquele deslize, mas logo foi desmascarado: ele foi jogar bola várias vezes durante a pandemia. Acusava nas redes sociais as práticas que ele mesmo fazia em privado. Ou não tão privado.

E como esquecer o governador João Dória Junior durante a campanha eleitoral de seu pupilo Bruno Covas à prefeitura de São Paulo, jurando de pés juntos que não haveria mais lockdown? Passada a eleição, com o pupilo eleito, ele imediatamente decretou fechamento geral.

Semanas depois, ao anunciar novo fechamento, Doria se mandou para Miami, para umas férias de final de ano, que ninguém é de ferro, né?

O cara é um hipócrita. Ele não walk the talk.

Como é desagradável lidar com gente assim…

“Olá Luciano. Meu nome é Maurício. Eu moro numa cidade chamada Itaiópolis, aqui em Santa Catarina. Gostaria de falar um muito obrigado pra você. Até hoje, ouvindo os podcasts seus no dia todo, trabalho de porteiro. Aí, nos finais de semana eu criei o vício de aproveitar o meu tempo ouvindo seus podcasts. E isso tem me ajudado muito, crescimento enorme, abrido um leque na cabeça, incrível.

O outro final de semana que eu estava ouvindo O bom e o mau, que são, se não me engano, três horas de podcast, eu cheguei em casa assim viciado e continuei ouvindo, ouvindo e fui dormir e acabou que de madrugada ainda estava no automático os podcasts. De tão bom e esclarecedor que é cada assunto abordado, cada historia diferente, cada matéria, cada coisa que você fala sobre uma pessoa, um escritor que aguça a curiosidade de procurar, de ir a fundo e a gente só tem a ganhar. 

Então, eu gostaria de agradecer pelo seu trabalho e espero que continue muitos e muitos anos. Tenho falado pra todos os meus amigos que gostam de coisas novas e coisas interessantes, sobre o teu trabalho. Espero que você tenha muito sucesso e viva o Cafezinho!” 

Cara, que fantástico… o Mauricio é porteiro, numa cidade com pouco mais de 20 mil habitantes, no interior de Santa Catarina. E tomou a decisão de crescer intelectualmente, e ainda tem a grandeza de mandar uma mensagem agradecendo a gente, cara? Mauricio, nós é que agradecemos a você, meu caro. Uma mensagem assim mostra que tudo que temos feito, vale muito a pena. Muito obrigado de verdade, parabéns pela tua decisão de crescer.

Muito bem. O Mauricio receberá um KIT DKT, com alguns dos principais produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculinos. Basta enviar seu endereço para contato@lucianopires.com.br

A DKT distribui a maior linha de preservativos do mercado, com a marca Prudence, além de outros produtos como os anticonceptivos intrauterinos Andalan, géis lubrificantes, estimuladores, coletor menstrual descartável e lenços umedecidos. Mas o que realmente marca na DKT é sua causa de reverter grande parte de seus lucros para projetos nas regiões mais carentes do planeta. A DKT trabalha para evitar a gravidez indesejada, infecções sexualmente transmissíveis e a AIDS. Ao comprar um produto Prudence, Sutra ou Andalan você está ajudando nessa missão!

facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então!

Luciano – Lalá, olha lá, sem hipocrisia, Lalá. Na hora do amor, você usa o quê?

Lalá – Ora, meu, na hora do amor eu uso Prudence! Sem vacilar, né?

Nos últimos tempos, falou-se muito da dissonância cognitiva. Eu mesmo falei em vários programas. No Cafezinho 41, eu comecei assim:

“Sabe aquele momento em que você, tão defensor dos direitos dos animais, senta para jantar, olha aquele bife maravilhoso ou então aquele franguinho a passarinho que a sua mãe preparou com tanto carinho e lembra daquele documentário sobre matadouros de animais? Sabe aquele desconforto, cara?

O nome daquilo é dissonância cognitiva, uma espécie de anomalia psíquica causada pelo fato de alguém defender simultaneamente duas ideias contraditórias que tenham como consequência tipos de ação opostos. O resultado, para quem ainda tem um pouco de caráter, é a sensação incômoda de hipocrisia, ou a desagradável percepção de que você fez uma bobagem. Ou deveria ser desagradável. Eu disse “deveria” porque basta observar o comportamento de vários políticos para perceber que tem gente que lida muito bem com esse desconforto. Os caras são bons, meu! Gente normal, não reconhece facilmente as verdades negativas sobre si mesma. Gente profissional como esses caras aí… aí é que não reconhece coisa nenhuma.

No jornalismo então, cara… eu tenho certeza que a dissonância cognitiva foi ampliada pelo Coronavirus.

Vou usar aqui agora um trecho de um artigo intitulado “Um artigo hipócrita contra a abominável hipocrisia”, publicado por Mario Rosa no site Poder 360. Ouça:

Na condição de hipócrita confesso, posso falar agora não em tese, mas com notório saber. O grande mistério da hipocrisia é que por trás de um hipócrita não existe apenas um pervertido. Existem inúmeras perversões simultâneas. O hipócrita, por exemplo, sente-se em algum sentido um semideus, sente-se superior aos demais. E a prova disso é a sua hipocrisia, que permite a ele cometer os mesmos erros que condena nos outros. Todo hipócrita é de algum modo um megalomaníaco –ao imaginar-se acima de tudo e todos– mas nem todo megalomaníaco é um hipócrita, é bom frisar.

O hipócrita, a rigor, é um mentiroso. Pois só pode apontar o dedo contra o defeito alheio se esconder do mundo todo que aquele mesmo defeito também é seu. Como vemos, a hipocrisia se fosse um vírus seria de alta letalidade, pois é permanentemente mutante. Difícil seria combatê-lo num organismo vivo, tal a sua capacidade de se transformar em mentira ou em megalomania de uma hora para outra ou em outra manifestação qualquer. No universo social, é essa multifacetada natureza da hipocrisia que a faz tão penosa de detectar.

O hipócrita também é um contraditório, mais uma variação do vírus. Afinal, fala uma coisa e faz outra. O hipócrita é igualmente um covarde. Pois se esconde dentro de suas contradições para atacar aqueles que sabe iguais a ele. E os ataca nos momentos em que seus iguais estão fragilizados usando toda a carga de suas pretensas virtudes para arruinar semelhantes.

Os hipócritas são medrosos. Vivem apavorados com o risco de serem desmascarados. E por isso muitas vezes se tornam radicais. Não porque são fervorosos defensores de seus princípios (que não têm, sabemos, por trás da máscara da hipocrisia). Mas é que o fervor no hipócrita serve como uma cortina de fumaça para escondê-lo de tudo e todos e para ameaçar e desestimular permanentemente qualquer um que tente identificá-lo.

É claro que o mundo não é habitado só por hipócritas. Há muita, muita gente que assume ser o que é e paga o preço por isso. São seres corajosos. E nem sempre tão admirados quanto os hipócritas, diga-se de passagem. Fazer o quê? O mundo é como é. Não é justo dizer que não existam aqueles que são rigorosos com o mundo tanto quanto são consigo mesmos. Esses existem, sim. Mas os autênticos e implacáveis constituem uma casta infinitesimal dos seres imperfeitos que somos.

Você poderá me perguntar: afinal, por que levantar esse tema da hipocrisia em tempos como o que vivemos, onde vemos tanta indignação, tanto ódio, tanto inconformismo? Você está querendo dizer que há no meio disso uma epidemia invisível de hipocrisia (por definição, a hipocrisia não é visível aos olhos)? Minha resposta é não. Não, de jeito nenhum! Estou falando de hipocrisia sob um ponto de vista absolutamente abstrato e teórico. Não há qualquer conexão com o contexto atual. Mas não se esqueça de minha primeira ressalva: este é um artigo hipócrita contra a abominável hipocrisia.

Enquanto isso, vamos dar uma olhadinha no Itau Cultural? Que continua promovendo ações. Ele inaugurou, no final do ano passado a mostra com a vida e obra de Lima Duarte. Lima é a cara do brasileiro. Sua história acompanha a evolução dos nossos formatos para contar histórias – rádio, teatro, televisão, cinema, agora na internet. O ator, diretor, sonoplasta, dublador e apresentador, que completou 90 anos em 2020, é tema da 50ª edição do programa Ocupação Itaú Cultural.

Se você não pode ir lá visitar, ao vivo, in loco, o Itaú Cultural simplifica: você pode conhecer pelo site mais de 50 eventos riquíssimos nos quais você pode mergulhar.

Procure a Ocupação no itaucultural.org.br.

Agora você tem cultura entrando por aqui, ó: pelos olhos e pelos ouvidos…

A hipocrisia, muitas vezes é uma arma, usada como uma falácia para aliviar acusações. Ou então para fazê-las.

O deputado Zé acusa Flavio de fazer rachadinhas.

Mas o deputado Zé também faz rachadinhas.

Então, Flavio pode ignorar as acusações do Zé.

Sacou o jogo? Se alguém faz algo que me ofende, imediatamente esqueço que já fiz ou posso ter feito o mesmo. E parto para o ataque. Ou vice-versa. Isso é uma falácia, cara!

Portanto, é muitobom que você sempre se lembre de algumas dicas: lembre do seu avô falando:

Quem tem telhado de vidro, não atire pedras.
Não julgue, ou você será julgado.
Quem não tiver pecado, que atire a primeira pedra.

Quantas vezes você ouviu isso? Não são verdades, hein? Pois é… mas se você levar esses velhos ditos da sabedoria popular a sério, nunca maisvai criticar algo errado.

Todo mundo, em algum grau, é hipócrita. Para nos protegermos, temos vieses. O segredo é tentar reconhecer o problema e não ser ainda mais hipócrita, acusando outros de hipócritas.

Ouçam Pondé.

Há uma dimensão, digamos assim, de aparência na vida pública e essa dimensão de aparência é ela que, digamos, de alguma forma guarda um grau de parentesco com a própria ideia de hipocrisia, porquem como essa dimensão de aparência não suporta determinados graus muito radicais de sinceridade ou de verdade, então, em alguma medida você deve, de alguma forma, digamos assim, maquiar algumas ideias, maquiar alguns gestos, maquiar algumas decisões, porque a verdade nua e crua talvez se tornasse falta de educação, falta de empatia, intolerância, quem sabe às vezes até, algo próximo a preconceito, né?

Então acho que há aí, em me lembro da famosa frase do Nelson Rodrigues: mintam, mintam, por misericórdia! Apesar que essa frase do Nelson, ela está não tanto associada, digamos, ao espaço público enquanto tal, mas está mais associada ao espaço familiar. Quando Nelson falava: mintam, mintam, por misericórdia, o que ele queria dizer é que o convívio familiar, é o convívio que demanda uma certa zona de sombra, né? Se você falar a verdade o tempo inteiro para as pessoas à sua volta, seguramente, na sua vida familiar, ou entre amigos próximos, e tal, seguramente vai ser impossível conviver.

Se você, sei lá, tem uma amiga que faz um regime e pergunta pra você se ela emagreceu e você disser, não, você engordou, é óbvio que você não está ajudando muito, né? Provavelmente, se você falar isso é porque, na verdade, você quer sacanear ela. E não porque você tá fazendo a famosa crítica construtiva.

Então, também no âmbito do convívio familiar, eu não diria hipocrisia, exatamente, mas eu diria que há ali um espaço pro que a gente pode chamar de “mentira misericordiosa”, de alguma forma. 

Uma mentira em que se omite determinadas ideias, você não precisa ser tão explícito em certas opiniões, o que, por exemplo, foi meio destuído ano passado no Brasil por conta das eleições e das polarizações.

Agora, dizer a hipocrisia reina no mundo, numa certa medida não. Se você mentir o tempo inteiro, tanto pra você, quanto pros outros, em todos os níveis, o convívio com você vai ficar impossível. Porque, em algum momento, se vai perceber que você está mentindo. Sabe aquela frase, mentira tem perna curta? Em algum momento, a mentira, a hipocrisia, a falsidade, ela vai tocar você e você vai ser, digamos assim, desnudado na sua incapacidade de sustentar qualquer que seja a verdade, né?

Agora, o Kierkegaard tem  uma ideia muito interessante no livro dele Obras do amor, em que ele fala que no final das contas a única forma absoluta de resistência à mentira e à hipocrisia, é o amor. Porque  quando você ama, diz o Kierkegaard no livro Obras do amor, você está tão distante de qualquer necessidade de mentir, você está tão tomado por essa… e aqui não é o amor romântico, é o amor divino que ele  está falando, o amor ágape, o amor que brota do mundo cristão, você está tão tomado pela ideia de ser sincero, de dizer a verdade e tão distante do medo do que vão pensar de você, que você segundo ele, segundo Kierkegaard,seria a única forma em que você estaria completamente a salvo da hipocrisia.

Pois é. Esse foi o Luiz Felipe Pondé, falando da hipocrisia como ferramenta de convivência. Como aquela mentira misericordiosa… rararara, adorei essa! Não é fascinante, hein? Somos imperfeitos, meu caro. A questão é ter senso de proporção. É por isso que o Felipe Neto lá foi atacado de todos os lados. O palco dele é grande demais, ele influencia gente demais, ele acusa gente demais, ele cancela demais, ele caga regra demais. Quando chega na vez dele, uma atitude que todos fazem, ganha outra dimensão. Sabe o que é isso?Senso de proporção.

Por isso é fundamental evitar o tudo ou nada, o mau ou bom. Quando atuamos nos extremos, deixamos de considerar as nuances do meio termo. E aí, o sujeito que faz um elogio grosseiro para uma mulher, é colocado na mesma cesta do estuprador. O sujeito que para em fila dupla, é comparado ao político que desvia milhões da merenda escolar. O sujeito que comemora as festas em família, é chamado de genocida.

Isso não é hipocrisia. É histeria. Ou loucura.

Tempos modernos
Lulu Santos

Eu vejo a vida melhor no futuro
Eu vejo isso por cima de um muro
De hipocrisia que insiste em nos rodear

Eu vejo a vida mais clara e farta
Repleta de toda satisfação
Que se tem direito do firmamento ao chão

Eu quero crer no amor numa boa
Que isso valha pra qualquer pessoa
Que realizar a força que tem uma paixão

Eu vejo um novo começo de era
De gente fina, elegante e sincera
Com habilidade
Pra dizer mais sim do que não, não, não

Hoje o tempo voa, amor
Escorre pelas mãos
Mesmo sem se sentir
Não há tempo que volte, amor
Vamos viver tudo que há pra viver
Vamos nos permitir

Eu quero crer no amor numa boa
Que isso valha pra qualquer pessoa
Que realizar a força que tem uma paixão

Eu vejo um novo começo de era
De gente fina, elegante e sincera
Com habilidade
Pra dizer mais sim do que não, não, não

Hoje o tempo voa, amor
Escorre pelas mãos
Mesmo sem se sentir
Não há tempo que volte, amor
Vamos viver tudo que há pra viver
Vamos nos permitir

E não há tempo que volte, amor
Vamos viver tudo que há pra viver
Vamos nos permitir

E é assim, com Temos Modernos, clássico de Lulu Santos, em versão do DJ Meme, com Fernanda Abreu e Toni Garrido, que vamos fechando a lojinha….

O Café Brasil é produzido por quatro pessoas. Eu, Luciano Pires, na direção e apresentação, Lalá Moreira na técnica, Ciça Camargo na produção e, é claro, você aí, completando o ciclo.

Tá certo então, hein? Reconheça o hipócrita que vive em você, pratique o senso de proporção e, principalmente, olhe para o seu rabo antes de apontar para o rabo dos outros. Se todo mundo fizesse isso, viveríamos em um mundo muito melhor.

O conteúdo do Café Brasil pode chegar ao vivo em sua empresa através de minhas palestras. Acesse lucianopires.com.br e vamos com um cafezinho ao vivo. Tem umas palestras online que estão sendo sensacionais. cara!

De onde veio este programa tem muito mais, especialmente para quem assina o cafebrasilpremium.com.br, a nossa “Netflix do Conhecimento”. Cara! Vai lá, bicho. Tem muito material, tem gente de primeira linha, tem um grupo no Telegram que é uma delícia. Se você acessar confraria.cafe, vai conhecer todos os planos. Vem com a gente, vem!

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Para terminar, uma frase de William Shakespeare:

O diabo pode citar as Escrituras quando isso lhe convém.