s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday

Café Brasil 795 – A Black Friday

Luciano Pires -

Sabe quem ajuda este programa chegar até você?

É a Terra Desenvolvimento Agropecuário, que é especializada em inteligência no agro.

Utilizando diversas técnicas, pesquisas, tecnologia e uma equipe realizadora, a Terra levanta todos os números de sua fazenda em tempo real e auxilia você a traçar estratégias, fazer previsões e, principalmente, agir para tornar a fazenda eficiente e mais lucrativa.

E para você que acredita no agro e está interessado em investir em um seguimento lucrativo e promissor, a Terra oferece orientação e serviços, para tornar esse empreendimento uma realidade.

terradesenvolvimento.com.br – razão para produzir, emoção para transformar. A inteligência a serviço do agro.

Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria porque era um período do ano em que as margens de lucro dos varejistas finalmente eram escritas com a tinta preta dos lucros, depois de um ano de tinta vermelha das perdas. Embora seja verdade que os varejistas historicamente registraram suas perdas e lucros em vermelho e preto, esta versão da origem da Black Friday, na verdade, é imprecisa.

Vamos ver do que se trata. E aproveitar pra anunciar a Black Friday do Café Brasil.

Bom dia, boa tarde, boa noite. Você está no Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Posso entrar?

Ah, as campanhas de marketing que as empresas faziam, marcavam a gente, não é? Aqueles jingles… Não sei se nossa cultura atual suporta algo assim, mas que era legal era.

No primeiro jingle, das casas Pernambucanas, você ouviu o Vintage Vocal. E este aqui, inesquecível, da Varig, é com as Meninas Cantoras de Petrópolis.

Pois é. Mas agora a onda é… Black Friday!

O termo ‘Black Friday’ apareceu pela primeira vez em 24 de setembro de 1869, quando dois astutos corretores de ações de Wall Street, Jay Gould e Jim Fisk, elaboraram um plano para comprar o máximo possível do ouro do país e vendê-lo com um lucro enorme. Esse plano fez com que naquela sexta feira o mercado de ações quebrasse e ricos e pobres fossem à falência no processo. Aquela friday foi black por ter sido uma tragédia…

Quase quarenta anos depois, em 1905, uma loja de departamentos canadense chamada Eaton’s organizou um primeiro desfile do Dia de Ação de Graças. O desfile entusiasmou as pessoas, levantou o moral e ajudou a impulsionar as vendas no dia seguinte, pois os varejistas concordaram unanimemente em aguardar o desfile para só então anunciar suas ofertas de Natal.

Seguindo uma lei aprovada em 1941 que tornava oficialmente o Dia de Ação de Graças a quarta quinta-feira de novembro, no início dos anos 1950 as pessoas começaram a ligar dizendo que estavam doentes no dia seguinte ao Dia de Ação de Graças, tanto para estender o feriado quanto para aproveitar o fato de as lojas estarem abertas. Em vez de causar dor de cabeça ao RH tentando determinar quem estava realmente doente e quem estava matando aula, muitos chefes decidiram incluir a sexta-feira após o Dia de Ação de Graças como um feriado adicional pago. Essa tendência se espalhou, e logo muitas pessoas estavam aproveitando o dia extra, aquela sexta feira, para começar suas compras de Natal.

Pronto. Novamente, uma sexta feira com as pessoas indo às compras. E assim a sexta-feira após o Dia de Ação de Graças se tornou oficialmente associada às compras. Vai juntando aí as ideias.

E é então que entra o departamento de polícia da Filadélfia…

Em meados da década de 1950, os policiais da Filadélfia estavam usando o termo Black Friday, informalmente, para descrever o caos causado por hordas de compradores suburbanos que inundavam a cidade. Esses compradores criavam longas filas de tráfego e poluição, e pior ainda, os ladrões estavam usando o caos a seu favor, fugindo com mercadorias roubadas enquanto as lojas estavam superlotadas e em confusão. Por isso a polícia não tinha permissão para tirar o dia de folga e estava tendo que trabalhar muitas horas extras para tentar controlar a situação.

Em 1961 o termo ‘Black Friday’ havia sido oficialmente adotado na Filadélfia e, apesar de uma breve tentativa frustrada dos comerciantes da cidade de alterar o termo para ‘Big Friday’, o termo Black Friday logo se espalhou para o resto do país.

Nos anos 1980 a teoria do vermelho para o preto surgiu, em uma tentativa de transformar as conotações negativas de como a sexta-feira negra começou, em algo positivo.

Nos últimos anos, o antigo evento de compras de um dia se espalhou por quatro dias. O sábado e o domingo para pequenas empresas e a Cyber ​​Monday também oferecem aos compradores de feriados a chance de fechar negócios, e alguns agora estão até abrindo mão do Dia de Ação de Graças para aproveitar as melhores ofertas. Com a proliferação do comércio eletrônico, a Black Friday já se transformou em Black Week e Black Month…

As vendas online cresceram significativamente na pandemia e, mesmo com o avanço da vacinação e o retorno das atividades das lojas físicas, a compra digital é um conforto que o consumidor não abre mais mão.

No Brasil, segundo uma pesquisa da E-bit/Nielsen, o varejo brasileiro deve movimentar R$110 bilhões de reais em 2021.

Olha: e por falar em e-commerce…

Se você empreende e quer vender online ou quer que seu negócio virtual se destaque mais na internet, prestenção nesta dica:

A Nuvemshop, maior plataforma de e-commerce da América Latina, ajuda você a montar o seu e-commerce em minutos! Com 10 anos de estrada e mais de 90 mil clientes, a Nuvemshop transforma seus sonhos em vendas.

A plataforma da Nuvemshop possibilita a criação e gestão de suas vendas de uma forma super simples e eficaz. Você tem acesso a mais de 150 aplicativos e mais de 1000 agências parceiras oferecendo as melhores soluções que te ajudam a chegar mais longe, independente do tamanho do seu negócio.

E agora vem o melhor. Para os ouvintes do Café Brasil, a Nuvemshop oferece 25% de desconto na primeira mensalidade da loja virtual, além da promoção padrão de 30 dias gratuitos e isenção da tarifa de venda durante 90 dias. Que tal?

O link exclusivo da promoção está na descrição deste programa no  portalcafebrasil.com.br.

Link: https://www.nuvemshop.com.br/partners/cafe-brasil?utm_source=podcast&utm_medium=affiliates&utm_campaign=cafe_brasil

Mas se quiser saber mais, dê uma olhada no @nuvemshop no Instagram.

Nuvemshop: mostre ao mundo do que você é capaz.

“Bom dia, boa tarde, boa noite, Luciano. Aqui é a Daiane de Mauá, São Paulo. Mais uma mulher gravando pra falar do episódio do Cuzão.

Fui educada numa família cristã, católica e eu sempre ouvi dos meus pais que a gente tem que ignorar determinadas coisas. Quando as pessoas tentam nos atingir, as pessoas brincam com nossas vulnerabilidades, elas são maldosas e ruins, mas só fazem isso… elas só tem poder sobre nós se nós darmos pra elas quanto doeu na gente.

Claro né, que durante a minha adolescência, eu acho que a gente tem mais aquele ímpeto de justiça, de não deixar as coisas baratas e de querer, de certa forma, uma compensaçao… não sei nem se é vingança, mas eu queria, de certa forma, ver aqui que está escrito na Bíblia, aquilo que meus pais falavam, que você… quanto você corre, né? Eu queria ver aquilo acontecendo. mas nunca tive coragem e nem vontade de fazê-lo porque eu sei que não seria bom pra mim, porque eu sei que eu iria ficar mal, entendeu? Então, eu prefiro sofrer injustiças do que ser agressiva e injusta com as pessoas. Eu prefiro amargar prejuízo de ter sido boa, justa e honesta. Eu acho que é muito por isso.

Eu acho que a pessoa que deixou o comentário pra você, ou não entendeu o seu trabalho, ou não entende o mecanismo das coisas, porque graças a Deus, você encontra prazer e felicidade na realização do seu trabalho, mas precisa da contrapartida. As coisas não se fazem sozinhas, contas não se pagam sozinhas, boletos sempre chegam. Então, eu achei que o posocionamento dele foi totalmente ofensivo, por n motivos. Eu não teria coragem de uma pessoa que eu admiro e respeito tanto, ser tão ofensiva com ela, né?

Mas enfim, eu sei também, entendo também, que nós, conforme eu fui crescendo, apesar de ter tido essa base, que ah!, tem que ignorar, tem que relevar, que todo mundo, de certa forma encontra, vai colher aquilo que plantou, né? Eu sei que nós não podemos ser como  Dom Quixotes, né? Que lutava contra moinhos de vento, mas eu sei que nós devemos, como você sempre diz, refinar a nossa capaciade de julgamento e tomada de decisão, pra saber em quais brigas nós devemos entrar, o que que merece nossa atenção, nosso dinheiro, nosso tempo, pra que quando nós entremos numa briga, nós saibamos exatamente porque nós entramos nela e não por emoções, não por assim… na razão mesmo.

Eu sei que tudo que você faz é minimamente calculado, eu sei que você quis provocar mesmo a audiência, e conseguiu, parabéns, objetivo concluído com sucesso. É isso. É sobre isso. Foi sobre ignorar coisas que não merecem nossa atenção, nosso tempo, nosso dinheiro, a nossa paz, nossa…sabe? Não merecem nada nosso. Então, é literalmente relevar, ignorar e fingir que você não viu, e saber exatamente, nós vamos entrar e porque nós estamos entrando nela. Pra não sermos como um adolescente que quer vingança e que nós sejamos maduros e consigamos escolher as nossas brigas. 

Mas é isso. Parabéns pelo seu trabalho e vida longa ao Cafezinho e ao Café Brasil”.

Oi Daiane. Então, eu disse no programa e continuo acreditando nisso: eu acho que foi uma provocação irreverente do ouvinte, não havia intenção de ofender. Por isso decidi fazer dois programas sobre o assunto. Se eu tivesse considerado uma ofensa, teria ignorado, como você diz e como eu faço costumeiramente em minhas redes. Vamos gastar tempo com quem curte a gente, não é? Olha: muito obrigado aí pelo comentário, viu?

Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil fazendo sorvetes, não é?

No site perfetto.com.br – lembre-se, Perfetto tem dois “tês”, a gente enlouquece. E aí, hein? Vamos quebrar paradigmas? Que tal um sorvete no lanche da tarde, cara? O picolé Fazendo Festa é Perfetto! Refresca, alimenta, tem cremosidade única e é fonte de energia. Saboreie e finalize o seu dia muito bem! Você tá se aguentando aí, cara? É difícil, né?  Vai lá no blog! Dá uma olhada, cara: é enlouquecedor!

Luciano – E aí, Lalá, vai um Fazendo Festa aí?

Lala – Hummmm… na hora da festa, use Pru… que dizer: na hora da festa, tome Perfetto!

 

Rarararara… que tal o Vintage Vocal, com Pizza com Guaraná? Deu uma lembrança boa por aí, né? Pois é…

Olha! A insanidade, os golpes e a violência das vendas da Black Friday sempre foram manchetes dos jornais. Mas apesar de saber dos riscos, milhões de pessoas continuam a participar do frenesi de compras a cada ano. E a aguardar com ansiedade a sexta feira fatídica. Aliás, contam com ela para que o balanço do ano feche no positivo.

Uma das marcas da ciência psicológica é que somos influenciados pelas ações dos outros – muitas vezes mais do que gostaríamos de admitir.  Quando as pessoas ao nosso redor entram na espiral das compras, é mais provável que entremos também. É o mesmo efeito quando uma pessoa à sua frente naquela comemoração na pizzaria, influencia sua decisão de pegar um terceiro pedaço daquela maravilha a calabresa com cebola, cara. A gente imita.

Gatilhos sociais desempenham um papel fundamental na mentalidade de multidão que permeia a Black Friday. Isso inclui o conceito de escassez – a promessa frenética de “enquanto durarem os estoques”. A escassez é um esporte competitivo. Cria uma motivação competitiva, de modo que as pessoas vão a extremos absurdos para conseguir o melhor negócio ou abocanhar algo antes dos outros. E uma vez que uma pessoa começa a correr, todo mundo corre atrás. É o conceito de prova social.

Se outra pessoa está com pressa, deve haver alguma urgência, então eu devo me apressar também. E uma vez que todos estão correndo em direção ao mesmo destino, a situação piora rapidamente.

É essa a mecânica da Black Friday. Corre que tem uma oportunidade que você vai perder, cara!

Mas afinal, qual é o lance da Black Friday? Bem, as vendas sensíveis ao tempo (aquela do compre agora ou você perderá a oportunidade!, o carrinho fecha hoje à noite!) as multidões eletrificadas da Black Friday têm explicações neurológicas.

Para a verdadeira felicidade duradoura, precisamos da endorfina, da dopamina, da oxitocina e da serotonina. É esse quarteto que chamamos de “hormônios da felicidade”. São neurotransmissores capazes de gerar sensações como alegria, recompensa e bem-estar. Todos eles são produzidos pelo próprio corpo e liberados em situações específicas, como na prática esportiva, na meditação, durante dores intensas e… nas compras.

Pense na dopamina como um adolescente em busca de emoções. Na oxitocina como um jovem adulto, na endorfina como a mãe que acalma e na serotonina como o pai.

Acontece que o dominador depois das compras é a dopamina. É ela que dá a você uma sensação prazerosa ao comprar um produto incrível. E você se sentirá bem … por algum um tempo. O problema é que fazer compras não produz um efeito de felicidade duradouro. A dopamina tem tudo a ver com a pressa. Mas faltam os outros hormônios.

A dopamina é desencadeada pela novidade, a oxitocina pelo toque, a endorfina como um analgésico e a serotonina por conexões significativas com outras pessoas. Quando você se envolve em uma atividade ininterrupta de aumento de dopamina como a Black Friday, você agride o seu cérebro com um excesso de dopamina e sem a serotonina mais sábia e poderosa para manter as coisas sob controle e a endorfina como um atenuador das dores musculares e dos esforços físicos, o bicho pega!

A dopamina por si só é como todos os vícios começam; na verdade, a dopamina não controlada é a raiz de todos os vícios. Quantas compras você fez numa Black Friday, com brilho nos olhos, para mais tarde se arrepender?

Culpa da dopamina.

A dopamina acompanhada da oxitocina, da endorfina e da serotonina, torna sua mente mais aguçada. A dopamina sem as outras três (especialmente sem a serotonina) só quer mais e mais impulsos, como um adolescente rebelde quando os pais estão fora da cidade.

A dopamina não controlada deixa você com problemas cognitivos.

As experiências mais poderosas são aquelas em que você aumenta a dopamina, a oxitocina, a endorfina e a serotonina.

E a Black Friday, meu caro, não faz isso.

Para despertar completamente os hormônios da felicidade, não basta comprar. Você tem de se envolver nas novidades, no contato humano e em ajudar os outros.

E nasceu a Itaú Cultural Play, plataforma de streaming gratuita dedicada a produções nacionais. O catálogo oferece mais de cem títulos já na estreia e é composto de filmes, séries, programas de TV, festivais e mostras temáticas e competitivas, além de produções audiovisuais de instituições culturais parceiras. É só fazer um cadastro gratuito que você poderá acessar todo conteúdo e escolher se verá no desktop ou no celular.

Acesse itaucultural.org.br. Agora você tem cultura entrando por aqui, por aqui, pelos olhos e pelos ouvidos…

Muito bem!

Vamos em busca da felicidade duradoura, hein? Da endorfina, da dopamina, da oxitocina e da serotonina? Olha! Tem muitas formas. A que eu vou indicar agora é a do Black Friday do Café Brasil!

O que que é fundamental para você se envolver nas novidades, no contato humano e em ajudar os outros, hein? Ter um bom repertório para julgar e fazer escolhas nos momentos importantes de sua vida, não é?

A maior parte de nossos problemas vem da ignorância: ignoramos o valor das coisas; ignoramos as relações de causa e consequência; ignoramos o valor futuro das coisas; ignoramos a origem a história e a tradição de nossas culturas; ignoramos os atributos básicos para a liderança. Ignoramos as alternativas para os momentos em que nos vemos num beco aparentemente sem saída.

É aí que a gente aqui entra, cara… De onde vem este podcast? De uma central de geração de conteúdo que é rica e que hoje está toda organizada para ajudar você a se aprofundar em disciplinas como planejamento, produtividade, liderança, inovação, comunicação e moral e ética. São essas áreas que contribuem para eliminar a ignorância e refinar sua capacidade de julgamento e de tomada de decisão.

Tornando-se assinante do Café Brasil Premium, você vai mergulhar num ecossistema onde pode desenvolver instrumentos para criticar, avaliar e enriquecer sua argumentação nas negociações diárias.

Olha só: no grande dilema de negociar ambições, riscos, ilusões e trocas consigo mesmo, sai-se melhor quem tem mais capacidade de fazer correlações e conexões. Para isso a experiência e o repertório são fundamentais. E é isso que o Café Brasil Premium proporciona: repertório e contato com as experiências de indivíduos que enfrentaram e enfrentaram todos os tipos de dificuldades, cara. Gente como a gente.

E agora então vem a nossa Black Friday! Prestenção!

A partir de hoje, e por um curto período, estaremos oferecendo uma promoção imperdível de Black Friday: a assinatura do plano anual do Café Brasil Premium com 50% de desconto. Você está ouvindo? CINQUENTA POR CENTO de desconto! Por R$ 216,00 que você pode dividir, na hora do pagamento em doze parcelas de DEZOITO REAIS, você garantirá um ano de acesso a um mundo de conteúdo com potencial de fazer sua carreira subir de nível, cara.

O que é que você compra com dezoito reais por mês?Não dá nem uma pizza com guaraná. Duas latas de cerveja quente? Carra! Tire o escorpião do bolso e venha com a gente, cafebrasilzize-se!

Cafebrasilzizar-se! Olha que verbo que eu inventei….

Eu cafebrasilzizo
Tu cafebrasilziza
Ele cafebrasilziza
Nós cafebrasilzizamos
Vós cafebrasilzizais
Eles cafebrasilzizam-se

Cafebrazilze-se…tem coisa parecida com isso?

Faz assim, ó: acesse cafebrasil.me, de novo: cafebrasil.me e faça a melhor aplicação de 18 reais mensais de sua vida! Sae o que voce vai levar com isso? Conhecimento, que você poe gastar à vontade que nunca vai faltar, cara! Zedoito reais por mês, poe mudar sua vida.

Isso sim é Black Friday, cara… Cultura, conhecimento, provocação… liberdade!

Me libertei
Frankye Adriano
Tony Bizarro

Jurei nunca mais fazer som por aqui
Porque ninguém tinha interesse em ouvir
Mas agora é hora de me libertar
E quem quizer ouça primeiro pra depois falar
Porque

Todo o meu canto sai do meu coração 

Jurei nunca mais fazer som por aqui
Porque ninguem tinha interesse em ouvir
Mas agora é hora de me libertar
E quem quizer ouça primeiro pra depois ouvir
Porque

Todo o meu canto sai do meu coração.

É assim então, ao som de Toni Tornado, para a composição de Tony Bizarro ME LIBERTEI, que vamos saindo com um grito de liberdade na garganta.

Olha! Liberdade vem com educação, com engajamento, com incomodação, com investimento cara, com garra. Não vem com piadinhas, ignorância, tretinhas e indignação seletiva. Muito menos com afetação de virtude. Por isso é importante encarar a vida como uma oportunidade de aprendizado contínuo.

É isso que a gente faz.

Cafebrasilzize-se você também, cara. cafebrasil.me. cafebrasil.me. Entre lá. Aproveite a Black Friday e faça a sua assinatura.

O Café Brasil é produzido por quatro pessoas. Eu, Luciano Pires, na direção e apresentação, Lalá Moreira na técnica, Ciça Camargo na produção e, você aí, nosso quarto Beatle, cara, completando o ciclo.

O conteúdo do Café Brasil pode chegar ao vivo em sua empresa através de minhas palestras. Acesse lucianopires.com.br e vamos com um cafezinho ao vivo.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Para terminar, uma frase adaptada do filósofo grego Plutarco:

Ensinemos os moços a terem três coisas: temperança na alma, escassez de palavras e vergonha na cara.