s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Depois de realizar mais de 1000 palestras no Brasil e ...

Ver mais

Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Senna foi o típico exemplo de que para saber algo, só ...

Ver mais

5o. Sarau Café Brasil
5o. Sarau Café Brasil
Depois da Pandemia, está de volta o #Sarau Café Brasil, ...

Ver mais

Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Coisas que só acontecem quando somos autênticos, quando ...

Ver mais

Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Convidei o Christian Gurtner, criador e apresentador do ...

Ver mais

Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
A Pandemia causou prejuízos em todas as esferas de ...

Ver mais

Café Brasil 820 – My Generations
Café Brasil 820 – My Generations
O conflito de gerações está presente desde o princípio ...

Ver mais

Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
E aí? Como é que você tá, hein? Apanhando da vida? Ela ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

LíderCast 233 – Flavia Zülzke
LíderCast 233 – Flavia Zülzke
Flavia Zülzke é Head de Marketing, Branding, ...

Ver mais

LíderCast 232 – Giovanna Mel
LíderCast 232 – Giovanna Mel
Hoje a convidada é Giovanna Mel, comunicadora e ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 7 – Silogismo Simples (parte 1)
Alexandre Gomes
Como mencionado na lição anterior, vamos agora tratar de silogismo – que é o raciocínio mais associado à lógica.   Definição: O silogismo é um ATO DE RACIOCÍNIO pelo qual a mente ...

Ver mais

Ser ou não ser criativo: eis a questão
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ser ou não ser criativo? Eis a questão  “Criatividade é a inteligência se divertindo.” Albert Einstein Nos eventos voltados ao lançamento do livro Economia + Criatividade = Economia Criativa, ...

Ver mais

Diferentes gerações, diferentes traumas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Inflação e crescimento: diferentes gerações, diferentes traumas “Vejo o Brasil como um país que viveria os ideais do crescimento sustentável. É o lugar mais bonito do mundo e integrar o mundo ...

Ver mais

Segura o Tchan
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O Carnaval de 1996 coroou o sucesso da banda de axé É o Tchan/Gera Samba, liderada por Compadre Washington, com a música-chiclete Segura o Tchan. Além da letra – digamos – exótica, a dançarina ...

Ver mais

Cafezinho 491 – Os malabaristas eleitorais
Cafezinho 491 – Os malabaristas eleitorais
Observando a corrida eleitoral, com os malabarismos que ...

Ver mais

Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
A única certeza que podemos ter é que nas questões ...

Ver mais

Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Há muito tempo compreendi que as pessoas apreendem ...

Ver mais

Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Parece que estamos sob um surto psicótico planetário, ...

Ver mais

Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz

Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz

Luciano Pires -

Sabe quem ajuda este programa chegar até você?

É a Terra Desenvolvimento Agropecuário, que é especializada em inteligência no agro.

Utilizando diversas técnicas, pesquisas, tecnologia e uma equipe realizadora, a Terra levanta todos os números de sua fazenda em tempo real e auxilia você a traçar estratégias, fazer previsões e, principalmente, agir para tornar a fazenda eficiente e mais lucrativa.

E para você que acredita no agro e está interessado em investir em um seguimento lucrativo e promissor, a Terra oferece orientação e serviços, para tornar esse empreendimento uma realidade.

terradesenvolvimento.com.br – razão para produzir, emoção para transformar.

A inteligência a serviço do agro.

E aí? Como é que você tá, hein? Apanhando da vida? Ela não está tratando você bem? Afinal, devemos ser pessimistas ou otimistas sobre a vida? Você acha que as coisas estão mudando para melhor ou pior? O que que é mais inteligente, ter uma atitude positiva ou negativa sobre as coisas que nos cercam? Tem gente que diz que o pessimista é um otimista bem informado… Será?

Bom dia, boa tarde, boa noite. Você está no Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Posso entrar?

Recebi um e-mail da Profa. Lúcia Helena Galvão, que já tive o prazer de ter comigo no LíderCast e em uma live, que cai como uma luva para abrir este episódio. Vamos a ela:

“… quero compartilhar uma historinha.

Havia um rapaz que estava tentando contar uma história para uma menininha e estava cantarolando uma música assim:

‘Era uma vez Ana Maria’.

E a menininha respondeu:

‘Por que era uma vez e não o mês e o dia? Porque Ana Maria e não só Ana ou só Maria? Por que ela morava nesse lugar nesse dia?’

E ela desandou a fazer dezenas de perguntas assim.

Tudo que o rapaz contava, ela questionava.

É sobre esse espírito de contestação que eu gostaria de falar.

Imagine comigo uma pessoa que quando está conversando, não escuta verdadeiramente e encontra-se com olhar ausente.

Ela está mais preocupada em deixar você parar de falar para despejar sua contestação e não ouve mais nada do que você diz.

Com isso, transforma-se em alguém cujos hábitos amargam a vida e as comunicações em todos os âmbitos.

Será que vale a pena, hein?

Por que procurar o lado negativo de tudo? O lado incerto de tudo? Especialmente porque se na hora que vamos nos alimentar, escolhemos o melhor lado da pizza para começar?

Ninguém costuma escolher o pedaço queimado.

Então por que que em uma conversa tanta gente pega o pior e, ao invés de colocar na lixeira, leva para dentro da mente?

Eu sempre fico pensando sobre o que pode motivar esse condicionamento no ser humano.

Será que o problema é acharmos que não precisamos aprender nada?

Platão costumava dizer que o maior impedimento à sabedoria é acreditar saber de tudo.

Na verdade, talvez fosse bom começarmos a contestar ‘para dentro’, de vez em quando.

Pensar nas nossas posturas, na maneira como administramos o tempo, no que estamos fazendo…

Talvez você perceba que não vai suportar fazer isso por muito tempo se não começar a olhar também o que você tem de melhor.

Essa contestação tão destrutiva, ao ser virada para nós mesmos, acaba nos destruindo.

Portanto, não a vire para ninguém.

Seja fator de soma.

Aprenda a simplesmente observar o que está sendo dito.

Haverá vezes em que ouvirá algo que acabará agregando para você.

Passe pelas coisas retirando o que elas têm de melhor.

Sempre haverá uma necessidade de procurarmos o melhor dentro e fora de nós.

Um abraço,

Profa. Lúcia Helena Galvão”


“Bom dia, boa tarde, boa noite, Xará! Luciano Serrano aqui do Pará.

Você estava falando do professor que humilha aluno, eu me lembrei da época da faculdade, que eu fiz de 96 ao ano 2000, publicidade. Tinha aula de Filosofia, cara. Nos primeiros seis meses da faculdade, pense num professor bom, que fazia a gente pensar, colocava perguntas e não respostas, de uma forma muito inteligente, desafiava a gente a desenvolver raciocínios. Depois de seis meses trocaram esse professor por um que só tinha respostas. E não eram respostas boas. 

Eu me lembro de ter levantado e questionado e, principalmente no momento em que ele mesmo se perdeu no raciocínio dele, e eu questionei o fato dele ter gastado a aula toda pra dizer e defender um ponto de vista e no final dizer que não era aquilo e que ele não sabia exatamente o que era, e que iria refazer todo o raciocínio.

Por causa dos meus questionamentos veio uma dependência, a única dependência que eu tive na faculdade foi dessa matéria com esse professor. E fiz a dependência, foi até bom, ele evitou pegar alguma coisa dificil, mas não me deu nenhuma atenção, eu tenho por pensar, ler e pesquisar a respeito, o povo fala que esse livro é muito interessante, foi um dos livros que eu tive que estudar pra fazer a dependência. Então acabou até me ajudando. Mas pra você ver, essa militância, essa atitude de não desenvolver pensadores, e sim o rebanho, o gado que eles tanto falam dos outros, é o que eles acabam fazendo, né?

Só queria compartihar contigo isso aí, porque eu também passei por uma coisa semelhante. Abraço”. 

Grande Luciano Serrano… ele está comentando meu Cafezinho sobre o professor que humilha o aluno. Pois é, meu caro, quanta gente não tem uma história parecida com a sua: ser perseguido por um professor que não gosta de você, ou que quer se vingar de você. Cara: isso não é professor. Quem ouviu o Cafezinho sabe o que é que eu penso a respeito.

No seu comentário você fala de um livro, O Corpo Fala, de Pierre Weil e Roland Tompakow, que é fundamental pra gente entender como é que as pessoas “falam” com a linguagem corporal. Vale muito a pena!

Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil fazendo sorvetes, não é!

No site perfetto.com.br – lembre-se, perfetto tem dois “tês”, a gente enlouquece.

O sorvete mais desejado do momento é o Variatta Frutas Amadas Laranja com Chocolate. Experimente e descubra você também o motivo de tanto sucesso. Em cada pote, que é um potão, cremosíssimo sorvete sabor laranja com chocolate meio amargo trufado. Atenção: é EDIÇÃO LIMITADA.

Você tá se aguentando aí, cara? É difícil, né?  Vai lá no @perfettosorvetes no Instagram! Dê uma olhada, cara: é enlouquecedor!

Luciano – Como é que é, Lalá?

Lalá – huuummm : com sorvete #TudoéPerfetto.

Uma coisa que sempre me deixou curioso nos faroestes que eu assisti no cinema, era quando o mocinho chegava com seu cavalo no saloon. Ele parava em frente, apeava do cavalo e levava o cabo do arreio até aquela trave que fica em frente ao saloon, para amarrar os cavalos. Mas, curiosamente, ele apenas jogava o arreio sobre a trave e entrava no saloon, sem nunca amarrar. Se o cavalo quisesse ir embora, ele iria.Ele não estava amarrado.

E quando o mocinho saía, o cavalo estava lá eperando por ele.

Mas como é que isso acontecia? Como é que tendo a chance de escapar, o cavalo ficava ali parado?

Depois me contaram que o cavalo estava condicionado. Quando via o arreio sobre a trave, imediatamente achava que estava amarrado, pois havia sido amarrado várias vezes antes. E, mesmo tendo a oportunidade, nem tentava escapar, porque ele tinha tentado antes, não tinha adiantado por que que ia adiantar agora, né?

Com o tempo fui reparando que algumas pessoas agem igual. Mesmo tendo a chance de mudar uma situação adversa, permanecem como que presas a um destino imutável.

Li bastante a respeito disso quando conheci o trabalho de um dos nomes mais lembrados quando se pensa em psicologia positiva: o psicólogo norte americano Martin Seligman. Ele é um pesquisador, educador e escritor de livros de autoajuda que criou a teoria da psicologia positiva e do bem-estar.

É bom eu fazer um alerta aqui, para que os haters não usem para descaracterizar a reflexão deste programa: o Seligman entrou numa polêmica quando anunciou suas descobertas de que quando choques elétricos são aplicados a um cão por períodos de tempo, o animal começa a agir desamparado. Isso o levou a cunhar o termo “desamparo aprendido” para descrever a condição pós-tortura dos animais. Os detratores de Seligman o acusaram de ganhar reputação com experimentos aplicando maus tratos a animais. Eu não me aprofundei nessas polêmicas, fiquei apenas com as conclusões de Seligman.

A partir de seus estudos sobre a depressão, Seligman definiu três fatores que separariam os pessimistas dos otimistas.

O primeiro fator é a PERMANÊNCIA. Os pessimistas são mais propensos a ver mudanças como permanentes. Os otimistas veem mudanças como transitórias.  Para um pessimista, se está indo tudo bem, a tendência é que continue sempre bem. Quando não fica bem, o pessimista é tremendamente abalado, achando que a situação ruim se perpetuará.

Já os otimistas curtem quando as coisas vão bem e sabem que em algum momento podem ficar ruins, mas que se isso acontecer, será temporário. Nem o estado de bom nem o estado de ruim seriam permanentes.

Entendeu? Um trata as coisas como permanentes, portanto nada pode ser feito. O outro trata como transitórias, portanto é possível esperar por mudanças para melhor.

O segundo fator é ABRANGÊNCIA. Para um pessimista, um acontecimento ruim abrange toda sua vida. Se ele não consegue atingir um objetivo, tudo está perdido. Nada mais vai dar certo.

Para o otimista, um acontecimento ruim afeta sua vida de forma específica, nunca generalizada. Não deu certo? Bom, vai doer um pouco aqui, mas a gente vai em frente.

Isso me lembra da história daquele executivo que, enquanto estava no escritório, teve uma caneta vazando no bolso de sua camisa, que ficou irremediavelmente manchada. Ao chegar em casa com péssimo humor, sua esposa pergunta o que aconteceu. Ele mostra a mancha e diz:

– Aquela caneta estragou meu dia.

E a esposa retruca:

– Não. A caneta estragou sua camisa.

Percebe? O pessimista contamina sua vida inteira com alguma coisa de ruim que lhe acontecer.

O terceiro atributo é a CULPA PESSOAL. Para um pessimista, tem de haver um culpado por suas mazelas. E muitas vezes, ele mesmo se considera culpado pelos fracassos. E então a responsabilização se mistura com emoção e tudo ganha ares dramáticos. Sim, é preciso responsabilizar os culpados pelos problemas, mas sem transformar isso num drama.

Já o otimista busca o culpado para que o problema não aconteça mais.

Conheço muita gente que sofre antes, com a perspectiva de que o ruim aconteça, sofre durante, enquant0o o ruim acontece e sofre depois, remoendo o ruim que aconteceu, as culpas e os “e se”.

Eu sofro no momento do ruim, nunca antes. E depois cara, bola pra frente.

Permanência, abrangência e culpa pessoal. Eu acho que conforme fui falando aqui você foi lembrando de um monte de gente que conhece, não é?

Olha, tirando os psicóticos, todos somos uma mistura entre otimistas e pessimistas. Temos um pouco de cada um conosco. O mais importante na pesquisa de Seligman é que ele mostrou que, diferente do cavalo que fica inerte diante daquela trave, as pessoas podem mudar.

Quase
Luiz Tatit

Desde que
Que cheguei aqui
Tive que
Que me decidir
Vou ficando
Vou vivendo
Ou devo partir
Fui ficando
Fui vivendo
Fui partir
Era muito tarde
Quase que parto
Mas estava inseguro
Quase que embarco
Num sonho maduro
Quase me curo
Quase, eu juro
Quase dou um grande salto
Para o futuro
Fiquei no caminho
Faltou só um pouquinho

Nunca estive tão perto de ser feliz
Olha! Só não deu certo porque eu não quis
Vi a sorte a um palmo do meu nariz

Só depois
Com você aqui
Só nós dois
Foi aí que eu vi
Como muda
Como fica
Bem melhor assim
Fui sentindo
Fui gostando
Quando vi
Quase estava amando
Quase que sinto
Um desejo violento
Quase que vivo
O maior sentimento
Quase me atinge
Me pega por dentro
Quase que eu me apaixono
Nesse momento
Pra desencantar
Resolvi contar

Mas você
Você não ouviu
Eu cheguei
Já cheguei febril
Murmurando
Qualquer coisa
Só que não saiu
Foi por pouco
Muito pouco
Mais um pouco
E eu diria tudo
Tudo que estava
Na minha garganta
Tudo que eu tento dizer
E não adianta
Quase que eu digo
Com toda a emoção
Quase ponho pra fora
Meu coração
Quase que me expresso
Já pensou o sucesso!

Quase fiz tudo certo pra ser feliz
Quase que eu fiz de tudo mas eu não fiz
Quase alcancei a glória foi por um triz
Quase!

Rararararraa…Cara: esse é o Luis Tatit, ele é ótimo, cara! Músico, linguista, escritor e professor universitário, sua obra é uma delícia. Essa que você ouviu chama-se QUASE… 

Se conseguíssemos medir o grau de bem estar de um grupo de pessoas, provavelmente veríamos uma Curva de Gauss, aqula curva em formato de sino: numa extremidade poucas pessoas em situação ruim, de transtorno mental, na outra extremidade pessoas em situação de êxtase, de bem-estar. E a maioria absoluta estaria no meio da curva, entre uma extremidade e outra. O esforço é fazer com que se encaminhem na direção do bem-estar.

Agora imagine um tsunami de más informações, tragédias, notícias horríveis, angustiantes, só o lado ruim, os erros, sendo mostrados para as pessoas, todo dia, o dia todo. Isso é um processo de erosão do bem-estar psicológico, que empurra quem está no meio da curva na direção do lado do transtorno mental.

Dá para fazer um paralelo que incomoda: quando nos alimentamos de forma equilibrada e movimentamos o corpo regularmente, a tendência é que permaneçamos em nosso peso ideal. Quando surgem problemas que nos tiram desse equilíbrio, como uma lesão ou doença, por xemplo, ou uma compulsão por nos alimentarmos sem controle, perdemos o peso ideal e dali para a frente, é um sofrimento para recuperar o equilíbrio.

É assim com alimentos para o corpo, é assim com alimentos para a mente.

Retomando o texto da Professora Lúcia Helena, quando você escolhe se alimentar apenas das coisas ruins, está desequilibrando sua dieta intelectual. Está sendo empurrado na direção do transtorno mental na curva do bem-estar. E atingirá um ponto em que a obesidade se torna mórbida. Só comida ruim, só o lado torto, vão transformar você num poço até aqui de mágoa.

E o mundo então será uma merda. E não terá saída.

Em 2011, Seligman lançou um livro chamado FLORESCER, já lançado em português, onde apresenta sua teoria do bem-estar, que ele chamou de PERMA. O P é de “energia positiva”, o E é de “engajamento”, o R é de “relacionamentos”, o M é de “significado”, e o A é de “realização”.

A EMOÇÃO POSITIVA, só pode ser avaliada subjetivamente.

O ENGAJAMENTO também é subjetivo e tem a ver com entrar num estado de flow, de fluxo, com um mergulho total naquilo que você se propõe a fazer.

O RELACIONAMENTO tem a ver com suas conexões sociais, com os amigos, com a família.

O SIGNIFICADO tem a ver com o propósito, com sentir-se a serviço de algo maior do que si mesmo.

E a REALIZAÇÃO, bom, essa tem a ver com você sentir que conseguiu! Sabe aquela sensação revigorante de missão cumprida? Pois é.

Se você examinar sua vida sob a ótica da energia positiva, do engajamento, de relacionamentos, do significado e de realização, encontrará onde estão os pontos que precisam ser trabalhados para que você se encaminhe para o lado do bem-estar daquela curva.

Martin Seligman diz que a psicologia deveria estar tão preocupada com as forças humanas quanto com as fraquezas. Deve estar tão preocupada com a construção de força quanto com a reparação de danos. Deve estar interessada nas melhores coisas da vida. E deveria estar igualmente preocupada em tornar a vida das pessoas normais satisfatória e em nutrir grandes talentos. Por isso sua ideia da psicologia positiva, que ele chama de “uma ciência que faz a vida valer a pena”.

Em resumo: devemos dar tanta atenção ao bem estar quando damos à miséria. Dar atenção às coisas que dão certo,  quanto damos às coisas que dão errado. Mais uma vez recomendo que, se você não ouviu o Café Brasil 722 – O Poder do Mau, agora é hora, cara.

E que, se puder, leia o livro de Seligman, Florescer. Coloquei o link para ele no roteiro deste episódio no portalcafebrasil.com.brhttps://amzn.to/3xHJXOP.

Tem muita coisa lá bastante subjetiva, que a gente sabe que não se aplica a todos, mas aquele enfoque de olhar para o positivo em vez de somente para o negativo, é fundamental para quem quer viver num mundo menos agressivo, árido e negativo. Aliás, para quem quer CONSTRUIR um mundo menos agressivo, árido e negativo.

Muito bem. Olha, eu não queria fazer um programa sobre “psicologia positiva”, que tem muito senões, mas foi impossível não abordar o tema. Eu estou estudando o assunto, desde que mergulhamos no poço sem fundo da pandemia e o mundo ficou escuro.

Eu tenho fixado meu trabalho no desenvolvimento da capacidade de julgamento e tomada de decisão das pessoas. É assim há trinta anos, mais de trinta anos, eu nunca me deixei seduzir pelas rotulagens mercadológicas que me ajudariam a vender milhões em cursos, se eu dissesse que estaria ajudando você a conhecer os cinco passos para o sucesso, a ter uma receita para o sucesso e para o bem-estar. Não. Eu ajudo você a desenvolver sua capacidade de julgamento e tomada de decisão, para fazer as melhores escolhas. Mas quem faz as escolhas, cara, é você.

E parte fundamental disso é contar como é que as coisas acontecem. E lembrar que ao escolher qual olhar você terá para o mundo, você define em qual mundo você viverá.

Se seu olhar é pessimista, voltado para o ruim, seu mundo será pessimista e ruim.

Se seu olhar é otimista, voltado para as coisas que dão ou podem dar certo, seu mundo será de esperança e oportunidade.

Tem uma escolha aí.

Quase
Luiz Tatit

Não sei porque eu tô tão feliz
Não há motivo algum pra ter tanta felicidade
Não sei o que que foi que eu fiz
Se eu fui perdendo o senso de realidade
Um sentimento indefinido
Foi me tomando ao cair da tarde
Infelizmente era felicidade
Claro que é muito gostoso
Claro que eu não acredito
Felicidade assim sem mais nem menos é muito esquisito

Não sei porque eu tô tão feliz
Preciso refletir um pouco e sair do barato
Não posso continuar assim feliz
Como se fosse um sentimento inato
Sem ter o menor motivo
Sem uma razão de fato
Ser feliz assim é meio chato
E as coisas nem vão muito bem
Perdi o dinheiro que eu tinha guardado
E pra completar depois disso
Eu fui despedido e estou desempregado
Amor que sempre foi meu forte
Não tenho tido muita sorte
Estou sozinho, sem saída, sem dinheiro e sem comida
E feliz da vida!!!

Não sei porque eu tô tão feliz
Vai ver que é pra esconder no fundo uma infelicidade
Pensei que fosse por aí, fiz todas terapias que tem na cidade
A conclusão veio depressa e sem nenhuma novidade
O meu problema era felicidade
Não fiquei desesperado, não, fui até bem razoável
Felicidade quando é no começo ainda é controlável

Não sei o que foi que eu fiz
Pra merecer estar radiante de felicidade
Mais fácil ver o que não fiz
Fiz muito pouca aqui pra minha idade
Não me dediquei a nada
Tudo eu fiz pela metade, porque então tanta felicidade
E dizem que eu só penso em mim, que sou muito centrado
Que eu sou egoísta
Tem gente que põe meus defeitos em ordem alfabética
E faz uma lista
Por isso não se justifica tanto privilégio de felicidade
Independente dos deslizes dentre todos os felizes
Sou o mais feliz

Não sei porque eu tô tão feliz
E já nem sei se é necessário ter um bom motivo
A busca de uma razão me deu dor de cabeça, acabou comigo
Enfim, eu já tentei de tudo, enfim eu quis ser consequente
Mas desisti, vou ser feliz pra sempre
Peço a todos com licença, vamos liberar o pedaço
Felicidade assim desse tamanho
Só com muito espaço!

É assim então, ao som de Felicidade, de Luis Tatit, que vamos saindo pensativos…

Ele diz assim na letra:

Enfim, eu já tentei de tudo, enfim eu quis ser consequente
Mas desisti, vou ser feliz pra sempre
Peço a todos com licença, vamos liberar o pedaço
Felicidade assim desse tamanho
Só com muito espaço!

O Café Brasil é produzido por quatro pessoas. Eu, Luciano Pires, na direção e apresentação, Lalá Moreira na técnica, Ciça Camargo na produção e, é claro, você aí, que completa o ciclo.

Olha: a gente lançou o podcast Café com Leite, tá um barato, já foram vários episódios ao ar, mas a gente quer fazer o restante, quer fazer os outros vinte e quatro episódios que completariam o ano de 2022. Pra isso nós precisamos de ajuda e lançamos um crowdfunding, um financiamento coletivo, onde a gente espera que as pessoas que acham que vale a pena esse trabalho, que curtem aquilo que a gente faz e acham que um projeto como o Café com Leite merece ir adiante, entre lá e ajude a gente.

Cara, vem pouca gente, o elogio vem de montão, mas participar ativamente, entrando lá e fazendo uma doação, no valor que você quiser, cara, tá vindo pouca gente. Dá uma paradinha aí, dá uma entrada lá, vem com a gente vem! Se você acessar o podcastcafecomleite.com.br, tem ali um link pro nosso crowdfunding. Vcê fica conhecendo o projeto a fundo e participa com a gente de um sonho aí de levar conteúdo que presta pra garotada.

O conteúdo do Café Brasil pode chegar ao vivo em sua empresa através de minhas palestras. Acesse lucianopires.com.br e vamos com um cafezinho ao vivo.

E se quiser mergulhar mais fundo vá para o mundocafebrasil.com. Ali você terá acesso a todo nosso ecossistema, e entre outras coisas, pode se tornar um assinante do Café Brasil.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Para terminar, uma frase do escritor, teólogo e crítico literário inglês Gilbert Keith Chesterton:

Otimista é o indivíduo que julga que tudo está bem, menos o pessimista. E pessimista é o indivíduo que julga que tudo está bem, menos ele próprio.