s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Quero meu vermelho de volta.

Quero meu vermelho de volta.

Luciano Pires -

E São Paulo amanhece com alguns monumentos emporcalhados com tinta, entre eles o Monumento às Bandeiras, escultura de Victor Brecheret em frente ao Parque do Ibirapuera. Alguém despejou latas de tinta azul e amarela na base e um vistoso vermelho em cima. Serviço de estúpidos.

Recebi no celular a foto do monumento vandalizado enquanto estava na estrada. Era uma imagem de uma tela de TV, cheia de brilhos, onde só consegui ter certeza do vermelho.  E publiquei um post no Facebook () :

“Bom dia? Este é o Monumento às Bandeiras, em frente ao Parque do Ibirapuera. Amanheceu assim: lambuzado de tinta vermelha. Que doença é essa?”

Pronto! Vieram os comentários se queixando de que, cego para outras cores por meu ódio ao PT, só vi a cor vermelha. E também os comentários de quem viu naquele vermelho, um partido. Como se fizesse alguma diferença a cor com a qual os babacas emporcalharam o monumento! Mas para a maioria dos que comentaram meu post, mais importante que discutir o vandalismo é discutir a motivação ideológica dos pichadores. E, é claro, a minha, o daltônico político que só vê a cor vermelha.

O vermelho é a cor da energia, da paixão e da ação. É uma cor quente, associada à nossas necessidades físicas e vontade de viver. O vermelho energiza, excita as emoções e motiva para a ação, é a cor da sexualidade, estimula paixões, amor e sexo pelo lado positivo, e vingança e ódio pelo lado negativo. Mas esse é o vermelho do mundo físico, relacionado às sensações provocadas em nossos olhos pela propriedade dos objetos de refletir a luz. Rosas vermelhas, sol amarelo, céu azul, folhas verdes, nuvens brancas. O vermelho é uma cor linda, que adoro.

Mas há outro vermelho, o da cor política. Parece que a coisa vem da idade média, quando os navios em combate usavam uma flâmula longa e vermelha, significando a luta até a morte. Não é difícil imaginar que a inspiração veio do vermelho do sangue que corre em nossas veias, que ocupa nosso coração, que irriga nosso cérebro. Ao que consta, foi na revolução francesa, sempre ela, em 1789 que a bandeira vermelha passou a representar os ideais do que viriam a ser o socialismo e comunismo. E no Brasil, você sabe quem herdou o vermelho como cor política.

Voltando então ao que realmente interessa: ao substituir a cor que a reflexão das luzes produz em nossos olhos, pela cor política, a ação dos vândalos cai para segundo plano e passamos a discutir as motivações políticas. E aí, meu caro, cabe tudo. Não tem gente que defende como ação legítima botar fogo em orelhão e quebrar bancos da praça?

Pois é. Hoje em dia, quem sai com uma camisa vermelha porque gosta do vermelho, tem de tomar cuidado. Sua intenção de enviar vibrações de energia para as pessoas será interpretada como um manifesto político. E eu, que já tive calça vermelha, camisa vermelha, meia vermelha, gravata vermelha, não tenho mais. A coisa está tão louca que recentemente fiz um gráfico com um quadrilátero com dois lados, um vermelho, outro verde e fui questionado sobre a razão de justamente “aquele” lado ser vermelho. E se o vermelho estivesse do outro lado, eu seria questionado igual.

A reação ao meu post me deu certeza de que o PT e suas franjas não roubaram de nós apenas dinheiro, orgulho, esperança, empregos ou dignidade.

Roubaram até a cor vermelha.

Quero meu vermelho de volta.