s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Seu cérebro está te enganando

Seu cérebro está te enganando

Mauro Segura - Transformação -

Cada um de nós carrega uma máquina fantástica dentro da cabeça: o cérebro. É ali que as coisas acontecem. Nós acreditamos que estamos sempre no comando, que somos racionais na maior do tempo e que comandamos o nosso cérebro em nossas decisões, mas o que ocorre quase sempre é o contrário. Somos guiados por circuitos internos do cérebro que nos fazem agir por hábito, estereótipos e decisões muitas vezes inconscientes. Ou seja, o nosso cérebro nos engana quase o tempo todo.

De uns anos para cá, eu passei a ler livros e artigos sobre neurociência, especialmente aqueles mais focados no cérebro. Descobri ao longo do tempo o quanto nós, como seres humanos, negligenciamos o entendimento e cuidado com esse órgão, que é o mais importante do ser humano. Ironicamente, nós cuidamos com mais carinho de outros órgãos do corpo do que do nosso cérebro. Esse texto resume alguns dados e insights que aprendi sobre o cérebro, como ele funciona e nos “engana”. Nada é novidade, tudo está abundantemente descrito em livros, alguns bem famosos. Espero que ajude você da mesma forma como me ajudou. A consciência sobre vários dos pontos abaixo me fez ficar mais atento e cuidadoso com a máquina que levo dentro da cabeça.

Para nos tornamos seres humanos melhores, precisamos nutrir e exercitar melhor o cérebro. Esqueça fazer palavras cruzadas, não é disso que estou falando.

O cérebro pesa mais ou menos 1,5 kg, representando de 2 a 3% da massa corporal. Imagine o cérebro como uma máquina repleta de circuitos neurais, compostos de chips de neurônios processadores de informação. Algo similar aos circuitos embutidos nos computadores e smartphones que usamos todos os dias. Ou seja, pense no cérebro como uma máquina repleta de fios, conexões, que não desliga nunca, muito menos quando estamos dormindo.

Como uma máquina, o cérebro precisa de energia para funcionar. E ele consome muita energia: cerca de 20% do nosso oxigênio e de 15 a 20% da glicose. Em alguns casos, por exemplo, quando estamos estudando ou participando de uma discussão mais complexa, o cérebro pode chegar a gastar até 50% de todo o oxigênio disponível no corpo. Portanto, se você estiver super pressionado, tenso ou prestes a tomar uma decisão difícil, o seu cérebro vai trabalhar num ritmo frenético. Como qualquer máquina, ele estará sujeito a um “super aquecimento” ou poderá “bater pino”. Colocar o cérebro em intensa atividade todo o tempo é o mesmo que colocar o motor de uma máquina em velocidade máxima contínua. Em algum momento ele vai pifar.

Existem de 80 a 100 bilhões de células nervosas (os chamados neurônios) e mais de 160 mil quilômetros de vasos sanguíneos no cérebro, o que é suficiente para dar quatro voltas na Terra. O cérebro possui mais conexões do que o número de estrelas em nossa galáxia. Cada um de nós, carregando esse supercomputador na cabeça, é capaz de escanear e processar imagens complexas em até 13 milissegundos, possibilitando arquivar o equivalente a mil terabytes de informações. Essa máquina fenomenal é formada nos primeiros anos de vida, sendo que uma média de 700 a mil novas conexões entre os neurônios se formam a cada segundo. Baseados em estudos de imagens, neurocientistas afirmam que o cérebro não está completamente maduro até os 25 anos. Por todas essas características que o cérebro é tão demandante, dando a percepção de que o corpo humano trabalha só para ele.

O cérebro é irrigado por 25% do sangue que circula em todo o corpo e ele, em repouso, produz energia suficiente para acender uma lâmpada de 25 watts.

Não existe nenhum super computador no mundo com essas capacidades… nem perto disso. Aliás, se fosse possível criar um computador com o mesmo número de circuitos do cérebro, ele consumiria uma quantidade absurda de eletricidade: 60 milhões de watts por hora, segundo uma estimativa de cientistas da Universidade Stanford. Isso é o equivalente a 0,4% de toda a energia produzida pela usina de Itaipu, uma das maiores do mundo.

Como será que funciona esse super computador que temos na cabeça? Como podemos moldá-lo para nos prover uma vida melhor? Um artigo assinado por Richard Regan dá insights que nos ajudam nas respostas dessas perguntas. Tal artigo teve origem num webinar dado por Shawna Fraser, do NeuroLeadership Institute, que apresentou fatos sobre como o cérebro funciona. Eis abaixo um resumo.

 

O cérebro é uma máquina de fazer conexões

O cérebro faz milhões de conexões todos os dias, sem parar. Conexões novas e em larga escala são energizantes, porque levam as pessoas a querer agir e fazer coisas diferentes. Tendemos a encontrar mais e criativas “soluções para os nossos problemas” quando o nosso cérebro consegue fazer novas ligações. Portanto, precisamos criar estímulos para que o cérebro crie novas conexões diariamente. Não apenas os nossos pensamentos podem mudar o cérebro e seus caminhos, mas os pensamentos dos outros podem fazer o mesmo. É por isso que é importante se cercar de pessoas que nos encorajam e nos motivam a aceitar as diferenças. Ao fazermos isso, estaremos estimulando novas conexões.

 

Não há dois cérebros iguais

Todos os cérebros são diferentes. Cada ser humano tem um conjunto único de circuitos e conexões que moldam os pensamentos que temos sobre as coisas. As funções físicas e mentais básicas, como mover um membro, usam circuitos similares, mas pensamentos sobre questões mais sutis, como propósito e motivação, envolvem conjuntos individuais complexos de circuitos. A forma como cada um resolve um problema é muito individual e usa um caminho próprio de circuitos dentro do cérebro. Outras pessoas provavelmente usarão caminhos mentais diferentes de você para solucionar o mesmo problema. Portanto, cada ser humano é único.

 

O cérebro é “preguiçoso” e nos cria hábitos de forma inconsciente

Quando estamos diante de uma nova ideia ou comportamento, o nosso cérebro acessa uma espécie de “memória de trabalho”, que é um recurso muito limitado. Falando de outra forma: o cérebro cria circuitos neurais para comportamentos, pensamentos e atividades que se repetem, e ele tenta encaixar tudo que recebe dentro desses circuitos pré-estabelecidos, de modo que, literalmente, ele não precise gastar mais tanta energia em determinadas atividades. É por conta dessa característica que o cérebro nos cria hábitos e nos coloca em “piloto automático” em grande parte dos nossos momentos do dia. Atividades que envolvem tirar as pessoas do piloto automático para o pensamento consciente, exigem muito mais esforço do cérebro. O fato é que quase sempre estamos em “piloto automático” sem sentir, isso tudo porque o cérebro está sempre tentando economizar energia.

 

Nossa rede neural leva à percepção automática

Os circuitos neurais criados ao longo do tempo dentro da nossa cabeça nos levam à percepção automática, ou seja, as nossas percepções são impulsionadas por circuitos rígidos gravados dentro do cérebro — hábitos antigos — muito mais do que pelo recebimento de dados novos do mundo. Como resultado, as pessoas percebem o mundo de acordo com suas crenças, preconceitos e atitudes, em vez de ver as coisas como são ou como poderiam ser. Os vieses que temos influenciam muito a forma como tomamos decisões.

 

É fácil criar novas fiações neurais

É praticamente impossível desconstruir a nossa fiação neural existente. O que foi construído está lá, para sempre. No entanto, é fácil criar uma fiação adicional, porque o cérebro está constantemente criando novas conexões. Toda vez que encontramos uma nova pessoa ou entendemos uma nova ideia, literalmente criamos um novo “mapa” em nosso cérebro. Criar novos circuitos pode ser bem fácil. O segredo, se quisermos criar novos circuitos saudáveis de longo prazo, é prestar muita atenção nas atividades que fazemos no dia a dia. A qualidade e quantidade (segundos) do nosso foco são os que provocam a evolução do nosso cérebro ao longo do tempo.

 

Ao ler os pontos acima chegamos a quatro insights:

  • Nós percebemos o mundo conforme as fiações neurais construídas dentro do nosso cérebro, ou seja, percebemos o mundo de acordo com as crenças, preconceitos e atitudes gravadas em nossa cabeça, em vez de ver as coisas como realmente são ou como poderiam ser.

 

  • Necessitamos estar atentos que tais estruturas neurais, formadas por circuitos em nossa cabeça, precisam evoluir e isso pode ser feito através do estímulo contínuo da criação de novas conexões dentro do cérebro. Fazemos isso conhecendo novas pessoas, nos expondo a situações fora do nosso cotidiano, saindo da zona de conforto, evitando conscientemente hábitos de todos os tipos e nos desligando do “piloto automático”.

 

  • Devemos ter foco no que fazemos diariamente, ou seja, viver mais integralmente o que fazemos do que fazer mais, assim desafiamos o cérebro. Devemos fazer isso através de exercícios simples como viver com mais atenção e foco, caso contrário o cérebro vai atrofiar como outras partes do nosso corpo.

 

  • Tal qual uma máquina, o cérebro precisa parar algumas vezes, se resfriar e até receber uma manutenção. É isso que acontece quando dormimos profundamente ou tiramos um cochilo, ouvimos uma música, nos divertimos e curtimos férias revigorantes. Isso é criar novas fiações, estabelecer novos caminhos nos circuitos do cérebro e sair do “piloto automático”.

Tudo o que fazemos na vida depende do nosso cérebro, por isso precisamos mantê-lo saudável, descansado e estimulado para a nossa jornada diária. Conhecer um pouco mais de ciência nos ajuda a entender esse super computador que carregamos em nossa cabeça. Os truques que ele nos prega são poderosos e nos guiam em nossas atividades diárias, portanto, podemos tomar melhores decisões e desfrutarmos de uma vida melhor ao conhecermos melhor a nossa máquina de pensar. Cuide dele para ele cuidar de você.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura