s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Então... diante dos acontecimentos dos últimos dias eu ...

Ver mais

Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Recebi um convite para participar do podcast Beyond The ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

LíderCast 320 – Alessandra Bottini
LíderCast 320 – Alessandra Bottini
A convidada de hoje é Alessandra Bottini, da 270B, uma ...

Ver mais

LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
No episódio de hoje a revisita a uma conversa que foi ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

A tragédia e o princípio da subsidiariedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A tragédia e o princípio da subsidiariedade “Ações que se limitam às respostas de emergência em situações de crise não são suficiente. Eventos como esse – cada vez mais comuns por ...

Ver mais

Percepções opostas sobre a Argentina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções opostas sobre a Argentina “A lista de perrengues diários e dramas nacionais é grande, e a inflação, com certeza, é um dos mais complicados. […] A falta de confiança na ...

Ver mais

Economia + Criatividade = Economia Criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia + Criatividade = Economia Criativa Já se encontra à disposição no Espaço Democrático, a segunda edição revista, atualizada e ampliada do livro Economia + Criatividade = Economia ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Ao longo dos anos, o Brasil experimentou uma variedade ...

Ver mais

Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
O Brasil está vivenciando duas lamas que revelam muito ...

Ver mais

Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Minhas palestras e cursos sobre liderança abrem assim: ...

Ver mais

Simplificar é confundir

Simplificar é confundir

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.
 
Tocqueville estava certo. Em todos os campos da vida humana, a simplificação das idéias, a sua clarificação para que todos possam utilizá-las no discurso de modo aparentemente unívoco, impede que enxerguemos a natureza dialética de todos os conceitos e de todos os problemas do nosso mundo.
 
* * *
 
Por exemplo: o controle social de uma sociedade conduz ao crescimento econômico, à estabilidade e à segurança, quando realizado com racionalidade. Em outras palavras: uma tirania racional de natureza benigna é desejável para grande parte das pessoas. É o que se constrói na China e na Coréia do Sul, e o que em algum momento possivelmente ocorrerá, com graus variados do aspecto tirânico, em todo o mundo ocidental. Todavia, ao mesmo tempo em que o controle social conduz a uma vida mais tranqüila, conduz também à ignorância e à paranóia: se o governo controla tudo, controla também a informação que recebemos, e observa com atenção as nossas opiniões políticas; é melhor não procurar informar-se, é melhor abster-se de pensar de modo autônomo. Em suma: toda utopia é, ao mesmo tempo, uma distopia.
 
Outro exemplo: diz-se que “a mulher emancipou-se no século XX”. Sim, é verdade. “A mulher” emancipou-se dos trabalhos domésticos e foi à rua trabalhar – ou melhor: “a mulher de classe média”. Todavia, para ir à rua trabalhar, ela precisou submeter outra mulher – uma mulher invisível, uma mulher pobre, quase sempre negra – à opressão, a uma espécie de nova escravidão. A emancipação da mulher produz diretamente a exploração da mulher; de fato, não é “a mulher” que se emancipou, mas a mulher de uma classe social específica, por meio da renovada opressão da mulher pobre. O conceito de “emancipação feminina” não é simples.
 
E ainda: a separação entre “esquerda” e “direita” que recebemos da ordenação dos grupos na Assembléia Constituinte francesa, em 1789, dividem-nos com clareza. Todavia, essas palavras mudam de significado a cada geração. Posições “de esquerda” em 1970 (como a concepção marxista de que não importa a identidade de cada pessoa, se homem ou mulher, se branca ou negra, se hetero ou homossexual; todos são iguais, porque igualmente oprimidos, e é preciso ter consciência dessa condição fundamental da situação do trabalhador) seriam consideradas “de direita” em nosso tempo; e posições hoje consideradas “de esquerda” (como a defesa das lutas identitárias – de gênero, de cor, de preferência sexual) seriam consideradas manifestações de um liberalismo burguês e anti-revolucionário, isto é, “de direita”, há cinqüenta anos. As noções de “esquerda” e “direita” não podem ser tomadas como se fossem simples descrições objetivas de um posicionamento político: são noções líquidas que não aceitam definições acabadas.
 
* * *
 
Para compreendermos melhor a nossa situação sócio-política, precisamos deixar de tomar os conceitos como se fossem simples, inequívocos e objetivos. A busca da objetividade conceitual é a busca da superficialidade. Todo conceito tem uma história, estende-se por vários campos de sentido e é polissêmico. Uma perspectiva profunda das coisas precisa começar pela recusa da simplicidade: as idéias simples podem ser claras e bem definidas – mas em lugar de nos esclarecer, obscurecem a compreensão das coisas. Simplificar é confundir; é necessário complexificar para esclarecer.
 
Enfim, amigos: as palavras de ordem, as lacrações, os slogans políticos, repetidos à exaustão por todos os lados da disputa, são a marca da própria ignorância; não são manifestações de uma inteligência crítica, mas de uma inteligência incapaz de compreender a complexidade dialética da realidade humana, em que nada é simples, nada é óbvio, e tudo traz consigo o seu contrário.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche