s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade

Só envelhece quem perde a curiosidade

Henrique Szklo - Iscas Criativas -

O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, religiosa, posições políticas e o que mais nos convença que os outros não passam de embalagens que precisamos organizar em nosso supermercado mental. Até aí nenhuma novidade em relação à história da humanidade.

A sociedade está ficando cada vez mais juvenilizada

As pessoas criativas, atualizadas, modernas, que sabem das coisas não passam dos 30 anos. É aquela história: uma mulher não pode passar dos 30 anos senão vira tia. Graças à nova ordem mundial púbere, a população de tios e tias no mundo tomou uma proporção inimaginável.

Envelhecer se tornou um termo pejorativo. Da mesma forma que antigamente se criticava alguém por ser jovens demais. Duas bobagens. As pessoas são diferentes e não é sua idade, raça, religião ou nacionalidade que definem sua capacidade e criatividade.

A sociedade vendeu para estas pobre criaturas ingênuas, que elas são o esteio do futuro, que são os líderes de um movimento civilizatório e evolutivo. Que vão salvar o mundo com suas startups e qualquer um que não esteja nessa bolha, não merece ser ouvido, respeitado, sequer percebido.

Estive convivendo alguns meses com este novo estrato social e tirei algumas conclusões: a maioria das startups são inúteis, a despeito da excitação de seus CEOs de vinte e poucos anos e de seus funcionários (ou qualquer que seja a palavra que se use hoje). Filhotes bastardos do vale do silício. São mal educados, mimados e preconceituosos com relação à idade. Mas, como em todas as épocas da humanidade, a maioria dos jovens é tão criativa quanto uma propaganda de guaraná Dolly. O sistema os convenceu de que a simples iniciativa de lançar uma startup os catapultaria à condição automática de New Zuckers.

São seduzidos pela ilusão de que saber mexer com desenvoltura com todos os gadgets e navegar tranquilamente em todos os aplicativos disponíveis na loja do Google faz da pessoa um indivíduo interessante, inteligente, conectado e … criativo.

Mas vou dizer o que eu aprendi em todos os meus anos de vida, quase todos praticando e estudando a criatividade. A idade cronológica não tem nada a ver com o envelhecimento. É a visão de mundo que faz diferença. É o desejo incontrolável de aprender, não só em como se cria stories no Instagram, mas aquele conhecimento que alimenta a alma, que fala de nós como seres maravilhosos e desprezíveis, que nos ensinam a observar o mundo e a vida com assombro, paciência e curiosidade.

Idosos de vinte e poucos anos

Não é incomum eu sentir que meus filhos são mais velhos que eu, cheios de certezas encontradas no wikipedia, desprezando a experiência como um valor, confundindo informação com cultura, comparando maturidade com fossilização, ignorando que a avaliação das pessoas se dá por sua capacidade de enxergar o mundo com subversão, de transformar as coisas de fato e não por arquétipos primários.

Mas a culpa não é deles. Os jovens sempre tiveram, a partir do século passado, uma postura subversiva e questionadora. Ainda bem. Mas antes eles tinham de lutar contra uma barreira poderosa de crenças conservadoras. Serviam como novos temperos à pratos já consagrados. O resultado era uma espécie de acordo que resultava em avanços lentos mas sólidos. Hoje eles são os proprietários do mundo, então, não há mediação, não há consenso, apenas a realização de caprichos de reis levados ao trono ainda ostentando várias espinhas em sua face real.

Só é velho quem desistiu de aprender

Pode prestar atenção. As pessoas que não se desafiam, não se encantam com novidades, não têm mais paciência, que acreditam que não precisam mais aprender e todos aqueles que deixam a vida lhes levar, vão perdendo a vivacidade, o brilho nos olhos e a capacidade de enxergar o mundo com todas as cores. Os olhos vão ficando opacos e o semblante cada vez mais carregado e lânguido. A fruta que perde o viço, a água que parada apodrece aos poucos. Isso é envelhecer.

Para terminar, vou repetir o conselho que Nelson Rodrigues, aquele vetusto que escrevia no século passado, deu aos jovens: envelheçam.

 

Visite meu site: Escola Nômade para Mentes Criativas

Ver Todos os artigos de Henrique Szklo