s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Cafezinho 619 – Don´t make stupid people famous
Cafezinho 619 – Don´t make stupid people famous
As pessoas que realmente fazem diferença na sua vida ...

Ver mais

Café Brasil 921 – A Praça e a torre
Café Brasil 921 – A Praça e a torre
O livro "A Praça e a Torre: Redes, Hierarquias e a Luta ...

Ver mais

Café Brasil 920 – No Caravelas
Café Brasil 920 – No Caravelas
O Caravelas Podcast foi criado pelo advogado e ...

Ver mais

Café Brasil 919 – Muito Além do Jardim
Café Brasil 919 – Muito Além do Jardim
Neste episódio, a partir de um filme delicioso, uma ...

Ver mais

LíderCast Especial Ozires Silva – Parte 2
LíderCast Especial Ozires Silva – Parte 2
Segunda parte da entrevista realizada com o ex-ministro ...

Ver mais

LíderCast Especial Ozires Silva – Parte 1
LíderCast Especial Ozires Silva – Parte 1
Seguindo na missão de trazer de volta alguns dos ...

Ver mais

LíderCast 316 – Gustavo Succi
LíderCast 316 – Gustavo Succi
No episódio de hoje temos Gustavo Succi, que é o CEO da ...

Ver mais

LíderCast 315 – Marina Helena
LíderCast 315 – Marina Helena
Hoje temos como convidada Marina Helena, pré-candidata ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Daniel Kahneman, a economia e a psicologia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Daniel Kahneman, a economia e a psicologia   “O trabalho de Kahneman é realmente monumental na história do pensamento”. Steven Pinker (Entrevista em 2014 ao jornal The Guardian) ...

Ver mais

Oppenheimer e a Bomba
alexsoletto
Iscas Científicas
  Texto de Alex Soletto   “Agora me tornei a Morte, o destruidor dos mundos” (frase do livro hindu Bhagavad Gita)   A frase foi repetida por Oppenheimer após o teste da ...

Ver mais

G20
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo o que é o G20          Katherine Buso    Luiz A. Machado  Paulo Galvão Jr. 1. Considerações iniciais O presente artigo analisa os principais indicadores econômicos do Grupo dos Vinte ...

Ver mais

Talentos, tecnologia, tesouros e tolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Talentos, tecnologia, tesouros e tolerância “É a relação entre quem tem a força das ideias e quem tem o poder da força que permite progredir no tempo e no espaço na cidade, de forma ...

Ver mais

Cafezinho 618 – Uma descoberta no Polo Norte
Cafezinho 618 – Uma descoberta no Polo Norte
Em 2008 eu embarquei numa viagem até o Polo Norte, que ...

Ver mais

Cafezinho 917 – Mais pedras no lago
Cafezinho 917 – Mais pedras no lago
Já devíamos ter percebido que a colaboração e a união ...

Ver mais

Cafezinho 616 –  Bem-vindo, seu Caos
Cafezinho 616 –  Bem-vindo, seu Caos
Vivemos numa era de caos. Não se trata mais de planejar ...

Ver mais

Cafezinho 615 – Esquerda e direita
Cafezinho 615 – Esquerda e direita
Ser verdadeiramente racional significa estar aberto a ...

Ver mais

Socialismo amargo

Socialismo amargo

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Socialismo amargo

 

Viajando por países socialistas bebendo muita cerveja

 

“O socialismo de qualquer tipo leva a uma destruição total do espírito humano.”
Alexander Soljenitsin

 

Dediquei parte considerável do recesso de fim de ano à leitura, procurando diversificar os estilos por considerar esta uma estratégia adequada para expandir o repertório e, consequentemente, desenvolver a criatividade.

Entre os livros que tive a oportunidade de ler nesse período encontra-se Socialismo amargo, que tem por subtítulo Dois economistas em um giro etílico pelo mundo, de autoria de Robert Lawson e Benjamin Powell.

Robert Lawson dirige o O’Neil Center na Cox School of Business na Southern Methodist University e é um dos autores do conhecido Economic Freedom of the World, cujo relatório é publicado anualmente pelo Fraser Institute. Benjamin Powell, por sua vez, é diretor executivo do Free Market Institute e professor de economia no Rawls College of Business Administration da Texas Tech University. São, portanto, economistas que acreditam no livre mercado e que, preocupados com o crescimento da simpatia pelo socialismo nos Estados Unidos, principalmente depois da crise financeira de 2008, decidiram combinar duas paixões – viajar e tomar cerveja – com o objetivo de conhecer a fundo  a realidade de diversos países socialistas.

Paulo Polzonoff Jr., que assina o prefácio à edição brasileira, afirma que “a ideia por trás de Socialismo amargo é simples e em nada original: dois intelectuais, no caso economistas, viajam pelo mundo a fim de observar de perto o zoológico humano em que invariavelmente se transformam as experiências socialistas”.

Lawson e Powell se tornaram amigos durante uma reunião da Sociedade Mont Pèlerin, realizada em Salt Lake City no ano de 2004. O economista Friedrich Hayek, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 1974, fundou a Sociedade Mont Pèlerin em 1947, reunindo acadêmicos talentosos de todo o mundo, preocupados com a disseminação do socialismo e do totalitarismo. A Sociedade Mont Pèlerin promove encontros gerais a cada dois anos, entremeados por encontros regionais. Ao longo dos anos, oito membros da Sociedade Mont Pèlerin ganharam o Prêmio Nobel, entre os quais Friedrich Hayek, Milton Friedman, Gary Becker e James Buchanan. Atualmente, a sociedade conta com mais de quinhentos membros, não apenas acadêmicos, mas líderes empresariais, políticos e intelectuais que compartilham o compromisso de defender a liberdade.

Logo na Introdução, Lawson e Powell fazem algumas considerações que julgo oportuno reproduzir:

Hoje apenas três países permanecem quase inteiramente socialistas: Coreia do Norte, Venezuela e Cuba. Outros países oficialmente socialistas, como a China, o são apenas nominalmente, mas na verdade permitem tanta propriedade e controle privados que se qualificam como economias mistas.

Visitaremos esses lugares e também três antigos países soviéticos que estão tentando fazer reformas – Rússia, Ucrânia e Geórgia. Combinaremos nossas observações de viagens em primeira mão com a teoria econômica, história e ciência social empírica para tentar entender o que está acontecendo nesses lugares.

Para nós, como viajantes, as políticas econômicas socialistas podem ser um inconveniente, entretanto podem impor, aos que vivem sob elas, um sofrimento brutal e desnecessário. Isso nos deixa com raiva – e pode deixá-lo com raiva também.

Então, com esse aviso, arrume sua bagagem de mão e peça uma bebida forte ao comissário de bordo: vamos embarcar em nossa viagem pelo mundo “não livre”.

A primeira parada na viagem aos países socialistas de Lawson e Powell foi na Suécia, que, a rigor, não é um país socialista. A visita à Suécia, em setembro de 2009, permitiu que os autores entendessem melhor que o país é, em essência, capitalista, obtendo resultados altamente positivos na proteção aos direitos de propriedade, permitindo o livre comércio e regulando apenas ligeiramente os mercados de crédito e as empresas em geral. O que leva muita gente a se confundir, considerando a Suécia um país socialista é o fato de o país possuir um grande estado de bem-estar social, assistência médica fornecida pelo governo, generosos benefícios de desemprego e elevados níveis de tributação.  Em resumo: “A Suécia é um país próspero, basicamente capitalista. Quando estávamos lá, podíamos ver isso com nossos próprios olhos. Os suecos eram obviamente ricos, seus prédios, bem conservados, e sua cerveja, boa e gelada”.

Os capítulos seguintes correspondem às diversas paradas da viagem.

Na Venezuela, definida como “socialismo faminto”, visitada em janeiro de 2017, os autores destacam: “Os direitos de propriedade inseguros na Venezuela, as indústrias nacionalizadas, os impostos punitivos, a inflação monetária e as regulamentações sufocantes dos negócios resultaram no que vimos, em detalhes vividos e comoventes, na Ponte Santander, na fronteira entre a Colômbia e a Venezuela: venezuelanos de classe média empobrecidos, carregando fardos de açúcar, arroz, feijão e fraldas. Vimos os fatos econômicos como resultado possível da teoria econômica”.

Em Cuba, definida como “socialismo de subsistência”, visitada em maio de 2016, constataram: “Os cubanos, sob um sistema socialista, permanecem pobres e comem alimentos insossos. A noventa quilômetros de distância, os cubanos que moram em Miami tornaram-se relativamente ricos e fazem uma comida maravilhosa. Mesmas pessoas, dois sistemas econômicos diferentes, dois resultados econômicos – e gastronômicos – drasticamente diferentes”.

A Coreia do Norte, definida como “socialismo sombrio”, visitada em maio de 2017, continua entre os países mais pobres do mundo, mas a pobreza material não é muito pior do que a que pode ser vista em outras partes da Ásia ou da África. Chocante; para Lawson e Powell, é o contraste entre a Coreia do Norte e seus vizinhos, China e Coreia do Sul: “Imagens noturnas de satélite revelam a Coreia do Sul iluminada como uma árvore de Natal, com uma enorme estrela de luz emanando de Seul, e filamentos menores de luz fluindo por todo o país. Exceto por um pequeno ponto de luz em Pyongyang e estreitos trechos de luz espalhando-se pelo rio Yalu, na China, o norte é escuro. Em nenhum lugar do mundo, o contraste entre o socialismo e o capitalismo é tão preto e branco – ou, nesse caso, preto e iluminado – como é aqui”.

Sobre a China, definida como “socialismo falso”, visitada em maio de 2017, os autores afirmam: “Quando a China comunista era governada por ideólogos socialistas, era um Estado policial empobrecido e totalitário, que matou dezenas de milhões de seu próprio povo. Agora, a China comunista pratica capitalismo de compadrio e é um Estado policial próspero e muito mais contido. Isso é péssimo, mas acredite em nós – ainda é progresso”.

Da Rússia e da Ucrânia, definidas como “socialismo de ressaca”, visitadas em setembro de 2017, Lawson e Powell ficaram com a seguinte impressão: “A verdade não importa muito quando um governo socialista o declara inimigo do povo. Quando George Orwell escreveu 1984, seu romance distópico, dizem que tinha a BBC em mente, mas também o comunismo soviético. Apesar de toda a ‘privatização’ ocorrida na Rússia e na Ucrânia, ambos os países sofrem de uma grande ressaca comunista”.

A Geórgia, definida como “novo capitalismo”, visitada em setembro de 2017, deixou uma impressão muito positiva nos autores, em grande parte graças às contribuições de Mikheil “Misaha” Saakashvili, líder do país a partir de janeiro de 2004, e do ministro das reformas econômicas, Kakha Bendukidze, com quem tiveram uma longa conversa. Bendukidze, que faleceu em Londres em 2014, durante uma operação cardíaca, era uma figura imponente, que devia pesar uns 160 quilos e que pensava e agia como um fanático libertário.

Como assinalam com propriedade Lawson e Powell,

A propriedade privada é essencial, mas não suficiente, para apoiar um sistema de livre mercado. Esse também depende de outras liberdades econômicas, como a liberdade de iniciar um negócio, produzir bens, competir com outras empresas, definir preços e contratar e demitir funcionários. Quando Kakha Bendukidze entrou em cena, praticamente todas as esferas da economia georgiana precisavam, desesperadamente, de liberalização econômica. Não só o Estado possuía muitas indústrias, mas também os impostos eram altos e a regulamentação burocrática sufocava os empresários.

De acordo com Lawson e Powell, frente a tamanhos desafios, “Kakha Bendukidze se concentrou em três objetivos sobrepostos: reduzir o tamanho do governo, privatizar empresas estatais em negócios independentes e revogar burocracia, regras e regulamentos desnecessários”.

Por ter sido um estado-satélite russo, e depois soviético, durante mais de duzentos anos e de ter passado os primeiros doze anos após o colapso da União Soviética seguindo políticas amplamente socialistas, a Geórgia ainda pode ser considerada pobre, com uma renda média de apenas  US$ 8.000 por ano. Porém, após ter abraçado a liberdade econômica e o capitalismo, o crescimento econômico tem aumentado exponencialmente, possibilitando visíveis melhoras do padrão de vida de seus habitantes. Mesmo que ainda não possa se orgulhar de sua prosperidade, certamente está indo muito melhor do que antes, e o futuro parece muito promissor.

No último capítulo, Lawson e Powell relatam as impressões e, principalmente, as contradições   observadas na Conferência do Socialismo, realizada em Chicago em julho de 2018, considerado o maior encontro anual de socialistas americanos, da qual participaram como infiltrados.

Encerro o artigo reproduzindo as palavras conclusivas de Lawson e Powell:

Tanto a teoria econômica quanto a evidência empírica sugerem que os países que abraçam os mercados em maior medida e evitam as políticas socialistas em maior medida, permitem aos humanos vidas mais ricas, mais longas, melhores e mais gratificantes. E, depois de trotar ao redor do globo, visitando muitos dos países que estão, ou estiveram, no espectro mais próximo do socialismo puro, podemos atestar com segurança que o socialismo é simplesmente péssimo.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

 Referências 

FRASER Institute. Relatório Anual do Economic Freedom of the World 2022. Disponível em https://www.fraserinstitute.org/studies/economic-freedom-of-the-world-2022-annual-report.

LAWSON, Robert e POWELL, Benjamin. Socialismo amargo: dois economistas em um giro etílico pelo mundo. Tradução de Fernando Silva. São Paulo: LVM Editora, 2021.

ORWELL, George. 1984. Tradução de Wilson Velloso. São Paulo: Ed. Nacional, 1984.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado