s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Terceirização fora de foco

Terceirização fora de foco

Luciano Pires -

Nós brasileiros temos um talento inigualável para entender mal, traduzir mal e aplicar mal conceitos de administração. Foi assim com o “partnership”, que virou “parceria”, com “reengineering”, que virou “reengenharia” e com o “outsourcing” que virou “terceirização”.

Toda essa discussão em função da PL 4330, por exemplo, que regulamenta a terceirização, não trata daquele “outsourcing” que conheci 25 anos atrás, mas de outra coisa. Tem uma matemática nessa discussão rasteira que não fecha. Se o Zé custa para a empresa 100 e, terceirizado, vai custar 80, de onde saíram os 20? Do salário menor que ele receberá? De impostos menores que pagará? Da comida pior que comerá? Dos benefícios que deixará de ter? Das horas a mais que trabalhará? E a conta piora se entre o Zé e a empresa que vai terceirizar, aparecer um intermediário…

Mas essa discussão está fora de foco. Discute-se o que se vê, quando o que interessa é o que não se vê, como diria São Bastiat.

Tomei contato com o tema ” tercerização”depois que Collor arrombou as portas do Brasil para o mundo em 1991 e tivemos que sair atrás de soluções para aumento de competitividade. O ” outsourcing”, traduzido para “terceirização”,  foi uma delas, mas havia regras bem claras. Só valia a pena terceirizar se o terceirizado fosse capaz de fazer o trabalho de forma mais eficiente que a minha empresa. Não era na redução do salário dos funcionários que se buscavam os ganhos, mas na possibilidade de redução da estrutura administrativa das empresas, nos ganhos de produtividade e com a divisão de meus custos fixos com outras empresas.

Exemplo: se eu conseguisse terceirizar 20% da força de trabalho de minha fábrica, poderia ter menos gente nas áreas administrativas, não teria que investir em ferramental e equipamentos que permaneciam parte do tempo ociosos e que, sendo do terceirizado, poderiam ser utilizados para atender a outros clientes. Mas o mais importante: os terceirizados seriam especialistas, focados em suas atividades, com mais conhecimento e experiência do que minha empresa jamais poderia ter, com mais facilidade para decidir investimentos e flexibilidade para atender às demandas.

Conheci situações em que o processo de terceirização ficou mais caro que manter os funcionários contratados, mas os ganhos em eficiência  que o terceirizado proporcionou, e que a mediocridade imediatista não conseguia ver,  tiveram impacto muito maior nos resultados do que a redução na folha salarial, que era a única coisa que a mediocridade imediatista conseguia ver.

A discussão que toma os espaços no Brasil neste momento não é sobre terceirização, é sobre locação de mão de obra, que é outra coisa. Por isso os sindicatos e os progressistas estão tão assanhados. Esse pessoal só enxerga um patrão ganancioso querendo se livrar de todos os torneiros mecânicos, comprando o trabalho deles por um preço vil e os empurrando para as garras de outros patrões mal intencionados, desonestos e exploradores. Isso não é terceirização. E gente mal intencionada, desonesta e exploradora não precisa de terceirização para agir como abutres. Fazem isso de qualquer jeito.

A PL 4330, ao criar mecanismos para garantir os direitos e colocar terceirizador e terceirizado em posição solidária, vem justamente para defender daqueles abutres os trabalhadores que têm sua mão de obra locada.

Mas, de novo, locação de mão de obra não é terceirização.

Terceirização implica em inteligência, inovação, riscos, empreendedorismo, comprometimento e, acima de tudo, numa relação de confiança. Sou a favor da liberação para se terceirizar tudo, se possível até o presidente da empresa, mas essa decisão tem que ser estratégica, focada nos resultados indiretos.

O idiota que, pensando apenas em redução de custos, achar que dá para terceirizar a inteligência, o tesão e a cultura de sua empresa, vai quebrar.

E os abutres têm que ser presos. Para isso nem precisa da PL 4330, bastaria cumprir a lei.

Mas nós brasileiros temos um talento inigualável para entender mal, traduzir mal, aplicar mal…