s
Iscas Intelectuais
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 328 – Crimes de Honra
Cafezinho 328 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)

Alexandre Gomes - Iscas Conhecimento -

A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.

 

Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas (as sincategoremáticas) passa a ser a de apontar para as outras palavras ou juntar palavras.

 

Logo, posso dizer que há DOIS TIPOS de PALAVRAS SINCATEGOREMÁTICAS:

 

 

  • DETERMINATIVAS: são palavras que, quando associadas a um nome comum, são capazes de SELECIONAR (ou DESTACAR) um indivíduo (ou grupo) “PARA FORA” da classe a que pertence por conta desse nome comum. Essa junção: palavra definitiva (ou determinativa) + nome comum, dá-se o nome de DESCRIÇÃO EMPÍRICA. As palavras DETERMINATIVAS incluem artigos e dêiticos. Observe que uma DETERMINATIVA pode designar indivíduos como…

 

 

  • Conhecido: o homem;
  • Presente e próximo: este homem;
  • Definido: um certo homem
  • Um grupo indefinido: muitos homens, alguns homens.

 

1.1. O Artigo: o artigo NUNCA está sozinho. Ele pode ser indefinido ou definido.

Se o artigo é INDEFINIDO, ele seleciona um indivíduo, mas não designa (ou define) qual. Também significa o primeiro encontro, a primeira impressão de algo ou de alguém. Veja: “Hoje, na praça, vi uma mulher linda, morena e de olhos castanhos”
Outro aspecto do artigo é que sua repetição auxilia na clareza de que é dito. Perceba com atenção o exemplo:

“Ele hospedava um poeta e filósofo”

Existe UM ou DOIS hóspedes? A frase acima não está clara, não é? Mas se eu mudo a frase para esta aqui?

“Ele hospedava um poeta e um filósofo”

Bem mais claro, certo?

O artigo DEFINIDO singulariza um indivíduo particular. Também pode significar uma relação de familiaridade estabelecida, ou indicar a eminência (superioridade). Exemplos:
de familiaridade: Ali vai a mulher linda, morena de olhos castanhos que vi ontem na praça.
de eminência: O poeta, O filósofo, A Marília.

1.2. O Dêictico: a função PRINCIPAL do dêictico é agir como uma palavra determinativa, ou seja, LIMITAR UM NOME COMUM. Outras vezes, porém, o dêictico aparece sozinho e, portanto, desempenha as funções de um PRONOME. Veja:

Este lápis. (o dêictico é uma determinativa)

 

já aqui…

 

Este é um lápis (“este” se tornou um pronome, pois “um” está fazendo a função de palavras determinativas)

 

Perceba que o dêictico é um modificador DETERMINATIVO e não um modificador ATRIBUTIVO (isso é função do adjetivo). Certo, você ainda não viu a diferença do que estou apontando. Vamos a novos exemplos então. Veja a frase a seguir:

 

Esta maçã.
“esta” é uma palavra DETERMINATIVA (dêictico, no caso) porque está associada ao SUJEITO, porém ela não PREDICA (atribui qualidades sobre algo do SUJEITO). Agora, se eu mudo a frase e digo: “maçã verde”, VERDE é uma palavra ATRIBUTIVA porque “verde” pode ser PREDICADO (qualidade, característica) de maçã.

Percebe? Esta é uma diferença essencial e profunda que a Gramática Geral faz, mas as Gramáticas Especiais (algumas) não fazem.

A Gramática Geral (que estamos eu e você estudando agora) destaca tanto essa diferença que classifica o adjetivo como uma palavra CATEGOREMÁTICA, e o determinativo (dêictico) como palavra SINCATEGOREMÁTICA.

Para contrapôr as diferenças entre os adjetivos e dêicticos, a caracterísitca comum dos dois é que ambos são modificadores de substâncias (substantivos e sujeitos, para ser mais claro).

Enquanto o dêictico é um modificador que tem a intenção de RESSALTAR, e isto o faz ser DETERMINATIVO. O adjetivo tem a intenção de DESCREVER, logo, é ATRIBUTIVO.

 

E se você achou que eu ia esquecer do segundo tipo de palavras sincategoremáticas…

 

 

  • CONECTIVOS: são palavras que ASSOCIAM palavras a outras palavras. Os conectivos incluem preposições, conjunções, e a pura cópula.

 

 

2.1. As Preposições UNEM substantivos, que não se misturam naturalmente. Note que na natureza (o mundo real) os acidentes existem na substância; bem como na Gramática. ex.: rosa vermelha

Na frase acima – que não é uma oração porque não têm verbo -, uma ideia foi comunicada claramente com duas palavras: um substantivo e um atributivo (adjetivo). Ou seja, a substância e o acidente, sem nenhuma outra palavra para juntá-los e dar sentido ao que se quer comunicar.

Subindo um pouco a complexidade… O que acontece se você somar cinco maçãs, três mesas, quatro cadeiras e dois cães, sem usar conectivos? A resposta será justamente o que está sublinhado na pergunta! Sim, você pode sintetizar e dizer que há catorze objetos, ou coisas, na frase. Mas isso é ignorar a natureza específica de cada objeto.

Porém, se eu usar preposições para organizar os objetos listados antes, posso dizer o seguinte: Dois cães, perseguindo um ao outro, derrubaram cinco maçãs de sobre três mesas para debaixo de quatro cadeiras.

 

Percebe que as preposições expressam uma relação entre essas substâncias SEM LHES ROUBAR a sua natureza específica?

 

2.2. Conjunções unem FRASES. Sejam elas explícitas ou implícitas. Veja os exemplos:

  • O Exército e a Marinha prepararam-se para a guerra.
  • O Exército preparou-se para a guerra, e a Marinha preparou-se para a guerra.

As conjunções puras são COORDENATIVAS, ou seja, unem orações ou frases INDEPENDENTES. Mesmo que a união das frase não signifique união de sentidos

Já que falei de conjunções puras, é natural que você pense que há conjunções impuras. O termo não é adequado, mas a ideia SIM. Há conjunções que subordinam frases ou orações. Essas conjunções são os advérbios conjuntivos, tais como: durante, enquanto, onde, quando, embora, a menos que, senão, se….

 

2.3. A Pura cópula conecta SUJEITO e PREDICADO. Por conta de sua relação com a Lógica, não há nada na Gramática que seja tão NECESSÁRIA entender quanto a natureza e função da PURA CÓPULA.
Por isso, não darei exemplos de puras cópulas, eu vou ESCREVER que palavras SÃO PURA CÓPULA:

 

é’ e “está” (e suas flexões temporais).

 

Compreenda que a pura cópulaé” é uma palavra ESTRITAMENTE SINCATEGOREMÁTICA que declara a relação entre um sujeito e um predicado, estes sim, palavras CATEGOREMÁTICAS.

 

Veja, toda FRASE DECLARATIVA simples é composta de sujeito, pura cópula e predicado.

 

Se a frase contém um verbo que expressa ação simples, a cópula e o complemento subjetivo estão implícitos no verbo e podem ser tornados explícitos pela mudança da ação simples para a locução verbal que indica continuidade da ação (o famoso gerúndio – a língua dos operadores de telemarketing). Veja o esquema abaixo:

 

FORMA VERBAL SIMPLES                                                         FORMA VERBAL CONTÍNUA

O sol brilha.                                                                                             O sol está brilhando.

O vento fustiga a árvore.                                                                       O vento está fustigando a árvore.

O pássaro voa.                                                                                         O pássaro está voando.

O pássaro voou.                                                                                       O pássaro esteve voando.

 

Perceba também que a locução verbal que indica a continuidade da ação (gerúndio), deixa claro que a cópula “está” é estritamente SINCATEGOREMÁTICA. Por exemplo, a única realidade simbolizada nas duas últimas frases do esquema acima é sobre o pássaro que voa, ou que voava. 

 

E reforço: nestes dois casos, a palavra “está” (ou “esteve) é uma cópula.

 

Mas basta eu mudar a estrutura da frase e acrescentar uma palavra, que a palavra que era uma cópula passa a ser um verbo.

 

O pássaro que voa é.

O pássaro que voa era.

 

Nestas duas frase, “é” e “era” são verbos, significando “existe” e “existia”; não são cópulas de forma alguma!

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes