s
Iscas Intelectuais
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 328 – Crimes de Honra
Cafezinho 328 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)

Alexandre Gomes - Iscas Conhecimento -

 

Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.

 

*  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria INTENÇÃO. É INTENSÃO mesmo, que se refere ao ato de aumentar a tensão, de se tornar intenso. Vem do latim intensio e pode ser utilizado como sinônimo de intensidade. Além disso, tem 1) a semelhança/oposição com a palavra “extensão” e 2) em Lógica, o significado de “intensão” nem sempre coincide com o de “compreensão”. O termo fica mais claro se você o opõe à palavra “extensão”, que é mais clara. Se um termo é mais “extenso”, ou seja, explica vários objetos e/ou idéias, ele tem menor INTENSÃO. 

 

Uma DEFINIÇÃO é simbolizada por uma descrição geral, e não por uma palavra só.

Veja, já dois tipos de definição construídos de um ponto de vista lógico (lembre que a Gramática que estamos vendo tem uma pegada filosófica, então não se atenha à boa e velha Faraco & Moura). Portanto, há uma DEFINIÇÃO LÓGICA e uma DEFINIÇÃO DISTINTIVA.

  • Definição Lógica: Expressa a essência de uma ESPÉCIE em termo de seu gênero próximo e de sua diferença específica. O padrão é: espécie é seu gênero próximo mais DIFERENÇA ESPECÍFICA. Por exemplo: “o homem é um animal possuidor de RACIONALIDADE”. Ou seja, a frase é composta por espécie, gênero próximo e DIFERENÇA ESPECÍFICA. E para não deixar dúvida nenhuma do exemplo, a frase com o esquema fica da seguinte forma: “o homem (espécie) é um animal (gênero próximo) possuidor de RACIONALIDADE (diferença específica).

Acredito que ainda há algo mais a ser dito sobre esses termos, e seguir na frase do exemplo pode ajudar a esclarecer mais as coisas. Vamos do final para o começo agora.

A DIFERENÇA ESPECÍFICA é a “racionalidade”, pois é a parte da essência que pertence SOMENTE a espécie “homem” do exemplo que distingue de todas as outras espécies do gênero.

GÊNERO este que na frase do exemplo é o termo “animal”, pois animalidade é aquela parte da essência do “homem” que ele compartilha com outras espécies de seu gênero.

“homem” é a ESPÉCIE, logo é o TERMO POR DEFINIR.

Note que uma definição lógica não pode ser construída para cada termo porque para alguns termos, não há gênero próximo. Todavia, tais termos podem ser esclarecidos por uma descrição geral, que não é uma DEFINIÇÃO LÓGICA.

Uma definição lógica não pode ser elaborada para um summum genus (gênero mais elevado), um conceito transcendental ou o indivíduo.

Um summum genus, tal como substância ou qualquer outra das Dez Categorias do Ser de Aristóteles, ou um predicável (gênero, espécie, diferença, propriedade, acidente) NÃO PODE SER DEFINIDO LOGICAMENTE. Pois poderia parecer que o SER é o gênero da substância e das outras Categorias, uma vez que as Dez Categorias CLASSIFICAM O SER.

Percebe que ao classificar algo, você acredita que está definindo esse mesmo algo?

Porém, o SER NÃO É ENTENDIDO da mesma maneira como o são substância e acidentes. Além disso, o ser TRANSCENDE as Categorias e, por isso, não pode ser seu gênero.

Imagino, agora, que você está se perguntando: “Transcende como? Por que o ser é maior que as Dez Categorias?”

Bem, isso dá uma bela discussão filosófica, mas vamos usar a imaginação aqui para entender.

Está vendo a ESFERA acima? Mesmo a figura sendo bidimensional, sua MENTE consegue perceber que é um objeto tridimensional ali. Essa compreensão TRANSCENDE, está ALÉM das características do desenho que é INTEIRAMENTE bidimensional. Foi SUA MENTE que compreendeu a tridimensionalidade do desenho.

Da mesma forma que você é o elemento TRANSCENDENTE do desenho da esfera, o SER é o mesmo elemento transcendente quando se trata das Dez Categorias lógicas.

Um conceito transcendental é um conceito que não pode ser classificado porque se estende através e além de todas as Categorias. Por exemplo, aquilo que faz o INDIVÍDUO único e diferente dos outros de sua espécie, serve mais para designação do que para significação.

O que me faz dizer que apenas a ESPÉCIE pode ser definida, e não seu gênero. Ou seja, quando um termo como animal é definido, deve ser definido como ESPÉCIE de seu gênero (organismo) e não como gênero de suas várias ESPÉCIES (homem, cachorro, etc.). Ex,: ANIMAL é um organismo sensível.

  • Definição Distintiva: é a definição pela PROPRIEDADE. O padrão é o seguinte.

ESPÉCIE é gênero + propriedade. Ex.: HOMEM é um ser suscetível de hilaridade.

A PROPRIEDADE não é a essência nem uma parte dela, mas é um CONCOMITANTE NECESSÁRIO da essência e dela resulta.

Veja, um homem possui uma capacidade para a hilaridade, quer a exerça quer não. A risada de uma hiena não é alegre, é apenas um som. Um barulho horrendo, mas não é alegre. Outros exemplos:

Numa tarde ensolarada, minha sombra é CONCOMITANTE a meu corpo.

O paladar é o CONCOMITANTE à nutrição de uma árvore.

Uma DEFINIÇÃO DISTINTIVA por propriedade normalmente é a melhor definição que uma ciência pode alcançar. Na Química, elementos atômicos são definidos por suas propriedades específicas, como estado físico natural, peso atômico, gravidade específica e valência.

É de notar que uma ESPÉCIE tem só uma diferença específica, que pode ter VÁRIAS propriedades específicas.

Há outros tipos de definição que seguem enumeradas a seguir de maneira mais concisa:

  • Definição Causal: é aquela que ESCLARECE o significado ou intensão de um termo ao nomear a causa que produziu a REALIDADE que o termo significa. Ex,: PNEUMONIA (termo) é a doença causada pelo pneumococo (causa eficiente).

Importante: uma DEFINIÇÃO POR CAUSA FINAL é às vezes chamada DEFINIÇÃO INTENCIONAL. E isso faz todo o sentido, pois a intenção (ç, viu!? Ç!) de qualquer coisa é sua causa final, certo?

  • Definição Descritiva: meio que auto-explicativa, pois faz a simples ENUMERAÇÃO das características pelas quais a ESPÉCIE pode ser reconhecida. Ex.: Um ELEFANTE é um quadrúpede mamífero, enorme, atarracado, quase sem pelos, com duas longas presas e só é encontrado na África e Índia.
  • Definição por Exemplo: esta fornece dados para a definição, em vez de ser uma definição em si mesma. Às vezes, a apresentação de exemplos familiares permite à mente fazer, à partir desses exemplos, uma abstração que é mais clara do que seria uma abstração já pronta. Ex.: “gênio militar” pode ser vago, mas se digo: “um gênio militar igual ao de Júlio César”, rapidamente consigo me fazer entender.
  • Definição Gramatical e Retórica (ou nominal): Bom, esta definição traz o problema de tornar claro que termo é imposto a dado símbolo; se é a uma palavra ou a uma sentença, mais do que tornar explícito (evidente) o significado do termo. E por quê é um problema? Porque na comunicação, quem emite algo para uma ou várias pessoas receberem, deve atentar para o seguinte:
  1. a clareza da linguagem que usa,
  2. a eliminação da ambiguidade das palavras (e não estou falando de malícia, mas do fato que as palavras podem ter mais de um significado),
  3. é necessário um acordo honesto entre comunicantes (leitor e escritor, ouvinte e falante) os quais devem atribuir o mesmo significado ao símbolo – palavra, termo ou sentença) dado.

Mais pode ser dito sobre outros tipos de definição, mas esta lição já está longa e algo de valioso se perderia se eu continuasse seguindo da exposição dos exemplos: você, gentil leitora, ou caro leitor, estaria em parafuso e sem entender mais nada. O que vai aqui já é valioso demais. Apreenda o que foi dito aqui, alguns dos tópicos que apresentei serão mais detalhados adiante. Entenda isso como uma introdução.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes