s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

O “anti” não funciona mais.
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Em política, imagem em construção no presente faz diferença. Imagem consolidada no passado, boa ou ruim, costuma ser decisiva.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

História do Programa

História do Programa

xpirit -

Depoimento de Luciano Pires

DCIM100GOPROGOPR2223.

“Em 2005 eu buscava formas de ampliar o alcance de meu trabalho. Queria levar para mais gente, buscar meios de falar às pessoas que não estavam conectadas ao limitado universo da internet. Foi quando meu amigo Jackson Dorta sugeriu que eu procurasse uma rádio, indicando a Mundial FM, em São Paulo. Fiquei curioso e marquei uma reunião com a diretora da rádio. Expliquei quem eu era, mostrei meus livros e disse que queria comprar um horário para colocar um programa no ar, com os mesmos conteúdos de meus textos. A diretora gostou. Era uma terça-feira e ela disse: “Muito bem, sexta-feira você está no ar…” Como assim? Entrar no ar em três dias? Eu estava fazendo apenas uma sondagem, vendo quanto custava, conhecendo a rádio… E ela me colocava na parede: é pegar ou largar! É claro que eu topei. Adoro entrar em frias! E numa sexta-feira 13, em maio de 2005, estreei na rádio meu programa Café Brasil.

Quando ouço hoje o primeiro programa, fico com vergonha. Um horror… Mas trabalhei bastante para melhorar, chegando a um formato interessante. A ideia era lançar “iscas intelectuais”, usando meus textos e de meus conhecidos (ou outros que encontro em publicações e na internet), mesclados com música popular brasileira. Com uma característica: as músicas teriam que ter relação com o assunto do programa, o que me abriu oportunidade de tocar qualquer artista. Em nenhum outro lugar você escuta um programa que começa com Monsueto, vai a Antônio Nóbrega, retorna para Mamonas Assassinas, segue com André Abujamra, vai pra Villa Lobos e termina com Tião Carreiro e Pardinho… Uma festa!

Ainda em 2005 um fornecedor propôs colocar os programas no ar pela internet, num esquema que ele chamou de Rádio Café Brasil. Era um sisteminha tosco, que tocava os programas mas não permitia download. E um dia recebi um contato de uma pessoa que se gabava de ter baixado todos os programas. Como eu não entendia nada do assunto, especulo que o nerd usou algo através do “temp” e conseguiu montar uma coleção de programas… Hummmm… Será que dava?

Um ano e meio após o nascimento do programa concluí que precisava encontrar uma forma mais fácil de deixar os programas à disposição das pessoas. Pô, dava um trabalhão, ia pro ar e depois acabava? E em setembro de 2006 assinei com a Podbr um contrato para distribuição do programa Café Brasil como podcast. Lembro-me que no momento em que fechei o contrato comentei com o pessoal da Podbr:

“O dia em que eu tiver 3 mil downloads por mês estarei realizado.”

Nessa época o Café Brasil era gravado no estúdio do músico Sérgio Sá, que compôs as vinhetas do programa. Em 2007 encontrei a Ciça Camargo, que assumiu as funções de produtora do programa, ajudando imensamente a colocar ordem na casa. E também em 2007 conheci o Lalá Moreira que logo mais assumiu a direção técnica do programa. Lalá vem do rádio e é um conceituado DJ. Sua rapidez e criatividade nos permitiram um ganho de qualidade e produtividade excepcional. O Café Brasil é um dos raríssimos podcasts que está pronto para ir ao ar 10 minutos após ser gravado.

Em 2007 foram 427 mil downloads. Em 2008, 887 mil. 2009, 1.095 mil. 2010 chegamos aos 1,3 milhões de downloads. E em 2013 quebramos a barreira dos 3 milhões. Em 2015 atingimos 6,8 milhões, com uma média de 150 mil downloads por programa. Em 2016, vamos atingir 8 milhões, um número excepcional, que coloca o Café Brasil e pé de igualdade com muitas revistas e programas de rádio conhecidos que não têm esse número de ouvintes! Mais à frente retornarei a esse tema.

Na edição de 2008 do Prêmio Podcast Brasil, o Café Brasil foi escolhido pelo Júri Técnico como o melhor podcast de Variedades e Entretenimento.

Em 2009, na derradeira edição do Prêmio conquistamos mais uma vez como o Melhor podcast de Variedades, no voto do Juri e no do Popular. E fomos o podcast mais votado em todas as categorias.

Em 2010 cheguei à uma compreensão do que é que eu chamo de “Cultura brasileira” quando falo do Café Brasil. É diferente do que se convenciona chamar de cultura por aí… Dividi a Cultura Brasileira em quatro blocos:

  • EXPRESSÃO: o idioma falado, as artes, a mídia, o folclore, a literatura
  • CIDADANIA: a política, a organização social
  • EDUCAÇÃO: a escola, a política educacional
  • COMPORTAMENTO: as relações dos brasileiros com o meio-ambiente,com o mundo, a religião, etc

É nesses quatro blocos que eu costumo reinar…

Hoje o Café Brasil está sólido, tendo se transformado numa parte importante das receitas do Café Brasil Editorial, sem perder a essência. Costumo dizer que se eu pegar o conteúdo do programa número 1, lá de Abril de 2005 e regravar com os recursos técnicos de hoje, funciona perfeitamente. Mantive a essência, o propósito, a coerência, e se o programa tem algum sucesso, essa é a explicação fundamental.

Para ter uma visão mais abrangente de onde chegamos, assista os vídeos que produzi e que estão aqui:

http://portalcafebrasil.com.br/tudo-sobre-podcasts/mundo-dos-podcasts/

E aqui um vídeo promo do episódio 500 que mostra algumas cenas do processo de produção do programa no estúdio:

E aqui você pode acompanhar uma sessão completa de gravação do Podcast 516, em 7 de julho de 2016.

Mas preciso deixar uma recomendação. Não encare o Café Brasil de forma maniqueísta, do oito ou oitenta, preto ou branco, cheio ou vazio. Considere-o como um estímulo, uma provocação.

Escrevo sem freios, com o coração, interessado no debate. Escrevo para provocar reações. Não estou interessado em provar que estou certo, em ter seguidores ou em ganhar discussões. E não venha me cobrar coerência. Sou um habitante do novo milênio. Não sei mais o que é verdade e o que é mentira. Apenas desconfio. Quando muito, reflito. Quando pouco, provoco. Já se passou um bom tempo desde 2005. E os pocotós continuam, firmes, fortes, cheios de planos e dominando.

Mas eu sou chato.”

 

Luciano Pires

 

“As críticas de Luciano Pires apresentadas em seus livros, e principalmente em seu podcast são de realidades reais brasileiras. O canal virtual do podcasting foi um meio encontrado para alcançar maior quantidade de pessoas, porém, seu foco narrativo nunca foi a internet ou esse mundo virtual, como costuma ser o foco de outros podcasts.
É nessa relação da narração virtual, atemporal e sem fronteiras que o Podcast Café Brasil acaba se aproximando da realidade cotidiana de seus ouvintes. Seus temas costumam ser universais e não só para brasileiros mas para estrangeiros e expatriados. Até mesmo os episódios mais antigos, os primeiros de seu feed datados de 2005 ainda possuem relevância social, além de servirem como base histórica para reflexão sobre a cultura brasileira. O país ainda demonstra os mesmos problemas que apresentavam naquela época, quase como se a realidade atemporal fosse a cultura nacional.”

Pablo de Assis