s
Videocasts Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 04

Videocast Nakata T02 04

Ciça Camargo -

 

INICIATIVA E ACABATIVA

Você reparou que problemas parecem bumerangues? Quando achamos estar livres, lá vêm eles de volta. E, junto com os problemas recorrentes, um exército de questões que exigem nossa atenção, como:

  • Lidar com pessoas;
  • Tomar decisões;
  • Traçar estratégias;
  • Implementar planos;
  • Ter jogo de cintura para acordos, negociações e conflitos;
  • Contar com valores e trocas.

Que trabalheira, não é? Não parece desmotivador? Mas sabe por que essas coisas vão e vêm? Tenho 5 bons motivos para explicar:

  1. Não há ninguém para assegurar que as decisões se transformem em ações

Se suas decisões não evoluem para ação, não há quem assegure que você está executando o prometido. Quantas vezes você decidiu que ia começar o regime alimentar na segunda feira? E ficou na decisão, sem ação?

  1. Esquecemos que, tomar decisões, não muda nada

Tem gente que acha que porque a decisão foi tomada, as coisas vão acontecer. Não vão. Só acontecem se houver ação.

  1. Planejamentos, reuniões e relatórios são confundidos com ações

Eles são essenciais para a tomada de ações, mas precisam ser transformados em ações. Quando você faz um plano, é como desenhar um mapa. É necessário, ajuda muito, mas só tem sentido se você cair na estrada.

  1. Ideias e conceitos complexos são considerados melhores, só por serem complexos.

Em minha experiência profissional, inúmeras vezes reparei que a solução para os problemas estava ali, dentro de casa, na mente das pessoas envolvidas com o problema, e não nas soluções complexas de terceiros. Que, convenhamos, são muito mais vistosas, custam muito mais caro e, na maioria das vezes, levam para o mesmo resultado das soluções simples.

  1. Chega de iniciativa! Precisamos de acabativa

De pró-atividade o mundo está cheio. Mas quantas pessoas levam esses projetos até o fim, e quantas deixam os planejamentos “morrerem na praia” por nunca encerrá-los? A pessoa mais bem-sucedida não é aquela que só traz novas ideias, mas aquela que abraça o projeto e o carrega até concluí-lo. Aquela que sabe que agir é alma do negócio.

Estamos rodeados por gente cheia de iniciativa, mas sem acabativa. Para que serve quem tem iniciativa e não tem acabativa? Para começar os projetos e não terminar. Por isso, a acabativa, que ainda não existe nos dicionários, é fundamental.

E sabe como aplicá-la na sua rotina e na da sua empresa?

  • Pergunte por que antes de mergulhar no como realizar ações para solucionar problemas;
  • Não tome decisões, apenas. Levante-se, aja e faça acontecer;
  • A ação vale mais do que qualquer conceito elegante;
  • O erro é uma lição, e não há ação imune a falhas. Permita-se errar, mas aprenda com os erros;
  • Alimente seus medos, mas não a covardia. O medo é natural, ensina, protege, traz ponderações e bom senso. A covardia paralisa.
  • Conflitos geram discussões e novas respostas, são fundamentais para criação de novas ideias. O problema é permitir que se transformem em confronto. O confronto desvia o foco dos inimigos que estão lá fora, para os companheiros que estão aqui dentro. E perde-se tempo, energia, dinheiro e oportunidades na luta interna;
  • O que os líderes fazem, como aplicam seu tempo e alocam os seus recursos, importa. Todo líder é um professor de ética. Para o bem e para o mal. Seu comportamento determina se seus seguidores vão agir ou apenas contemplar.

Essas dicas são óbvias, mas eficientes. Experimente examinar seu dia a dia, sua relação com seus colegas, com seu líder, com seus clientes e fornecedores. Procure saber o que está impedindo que as coisas aconteçam.

Seja você o agente da mudança. Com muita iniciativa e ainda mais acabativa.