s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Vivendo em “emergency mode”

Vivendo em “emergency mode”

Mauro Segura - Transformação -

A vida de executivo tem dessas coisas… muitos anos atrás eu encontrei um amigo que se mostrava cansado e ansioso. Ele ocupava uma posição de diretor numa empresa de varejo. Perguntei o que estava acontecendo e ele foi econômico na resposta: “Estou em survival mode”. Traduzindo sua resposta: significava dizer que ele estava passando por uma fase de trabalho pesado, com muitas demandas, pressão, mudança de organização e enormes desafios de curtíssimo prazo, tudo ao mesmo tempo, e estava enlouquecido tentando sobreviver a tudo aquilo. Gostei de sua capacidade de sumarizar numa expressão aquele momento que ele estava vivendo. Com o passar do tempo eu adotei a expressão “emergency mode”, que para mim me pareceu mais adequada.

Pois bem, eu estou vivendo atualmente uma fase de “emergency mode”… com a clara percepção de que tenho mais coisas para realizar do que a minha capacidade de entrega-las, num prazo extremamente curto, com a real sensação de que preciso trabalhar mais e de forma diferente para não me enrolar no meio de tantas demandas. A boa coisa disso é que eu tenho consciência das minhas limitações e confio que essa é uma fase que vai passar em algum momento. Isso implica que eu preciso ter a sabedoria de selecionar o que é mais importante, ter a coragem de falar “nãos”, deixar cair conscientemente alguns pratos e somente me engajar nas reais prioridades.

Dá para viver em “emergency mode”? Dá!!!! Mas somente durante uma curta fase, sacrificando o lado pessoal e outras responsabilidades. Isso faz parte do jogo, faz parte da vida profissional, mais especialmente da vida executiva que muitas vezes passa por picos e vales. Porém, existe a necessidade latente de estar atento para identificar quando as demandas atingirem um estágio de melhor equilíbrio para, então, desligar a chave de “emergency mode”.

Conheço executivos que vivem para trabalhar. Em algum momento da vida ligaram a chave de “emergency mode” e nunca mais desligaram, vivendo constantemente nesse estágio, transformando o trabalho na quase única razão da sua vida. Ok, isso pode ser uma opção de vida e eu não pretendo entrar na polêmica das escolhas individuais de cada um. Cada um decide o que quer fazer da vida, numa boa, mas eu tenho um ponto de vista sobre isso.

O segredo para não pirar é não deixar o “emergency mode” se tornar indolor e nos dominar, como acontece com o sapo colocado numa panela de água quente, que se aquece lentamente e ele morre sem sentir. Aí nos transformamos em seres humanos continuamente estressados, obcecados e em perene estado de insatisfação… sem sentir. Eu sei que existem pessoas que pensam diferente, que acham que isso é legal, que tem que ter assim mesmo, que profissionais dedicados precisam se mostrar tensos e trabalhar sempre com a corda esticada. Enfim, é um bom e controverso papo que não me atrevo a entrar. Já passei do tempo de discutir isso.

De minha parte, como disse, eu estou em um período de “emergency mode”, tratando de acelerar tudo que posso para voltar em breve a um estado mais brando e razoável. Tudo depende de mim. Estarei ligado, com o dedo preparado para desligar o botão no tempo certo. Por enquanto, mantenho o pé fundo no acelerador para entregar os projetos, realizar as atividades, tomar e implementar as decisões necessárias para reequilibrar a agenda.

O meu atual ritmo tem me afastado um pouco das redes sociais. Estou escrevendo esse texto dentro de um avião, no meio da madrugada, num vôo internacional, e vou posta-lo na primeira oportunidade. É o que deu pra fazer :):)

Ver Todos os artigos de Mauro Segura