s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Minha vida

Minha vida

Luciano Pires -

Nasci no dia 25 de junho de 1956. O Brasil estava em estado de sítio e, pra piorar, nasci corintiano. Levei mais de 20 anos pra ver meu time ganhar um título. Em 1959, os militares tentam derrubar JK. Em 1961, Jânio toma um porre e renuncia. Em 1962, a crise dos mísseis em Cuba quase descamba numa guerra nuclear. Em 1964, o golpe militar, a revolução, que impõe ao País duas décadas de ditadura. Em 1968 vem o AI 5, o ato institucional que acaba de vez com os direitos individuais. Em 1969 tivemos o auge da guerrilha urbana, assustando a todos com os roubos, sequestros e assassinatos. Em 1972 tem início a guerrilha do Araguaia, que acontece longe de nossos olhos. Mas acontece. Em 1973 vem a crise do petróleo, que muda de vez a história da humanidade. Em 1975 Vladimir Herzog morre, torturado nos porões da repressão. E o regime militar começa a balançar. Em 1977 o presidente Geisel fecha o Congresso. Quem é que se lembra disso? Em 1978 acontecem as greves do ABC, com os metalúrgicos se mobilizando. Surge o Lula. Em 1981 a bomba do Riocentro gera um escândalo que prenuncia o fim do regime militar. Em 1984 o povo vai às ruas pelas Diretas Já, que não são aprovadas pelo Congresso. Em 1985, finalmente a volta, ainda meia-boca, da democracia. Tancredo Neves é eleito presidente e morre…

Entre 1980 e 1994 vivemos uma superinflação crônica, uma moratória externa, um confisco monetário, duas recessões, dois colapsos cambiais, cinco planos econômicos, seis moedas e uma quase moeda. O Brasil teve onze ministros da Economia e quatorze presidentes do Banco Central!

E tivemos também o Plano Cruzado. As eleições diretas. O Plano Collor e aquela tungada em nosso dinheiro. Tivemos o impeachment, o Plano Real, as crises asiática e russa. O apagão. A eleição de Lula. O mensalão…

Muito prazer, esta é a história de minha vida. Me pergunto como será viver num país sem crise? Não sei. Desde que nasci, vivo de crise em crise, nunca vi o Brasil em paz, tranquilo, sereno. Sempre enrolado, atrapalhado, desorientado, enganado, roubado, ameaçado…

Cara, como é difícil ser brasileiro!

Fui falar com meu pai pra perguntar como era antes e ele veio com as histórias da guerra. Acredite, era uma sucessão de crises!

Muito bem. Cheguei aos cinquenta anos melhor que meu pai ou meu avô estavam quando tinham a mesma idade, com uma aparência mais jovem, mais viajado, mais estudado. E meus filhos, que estão melhores do que eu estava na idade deles, provavelmente estarão melhores do que estou hoje, quando chegarem aos cinquenta. Sou um privilegiado. Tem gente que acha que sou “sortudo”. Sou, sim… Isso me lembra a frase de Thomas Jefferson:

“Creio bastante na sorte. E tenho constatado que, quanto mais eu trabalho, mais sorte tenho”.

Então é isso. No dia em que completei cinquenta anos abri um vinho e, enquanto tomava um gole saboroso, meu pensamento estava concentrado numa questão intrigante: como estaria eu, aliás, como estaríamos nós, se nos últimos cinquenta anos o Brasil não estivesse permanentemente em crise?

_______________________________________

Este texto esta em meu livro NÓIS…QUI INVERTEMO AS COISA. Foi escrito em 2006. O que mudou? Só uma coisa: fiquei mais velho.