s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Sexta Feira 13 e o impeachment

Sexta Feira 13 e o impeachment

Luciano Pires -

Quem assistiu Sexta Feira 13 sabe como funcionam os filmes de horror produzidos em série: Jason Voorhees, o monstro, mata um monte de gente até ser derrotado. Mas quando achamos que está tudo bem e o mocinho beija a mocinha, Jason levanta e ataca outra vez para ser morto pelo mocinho mais uma vez. E no próximo filme ele volta. Mais forte.

Publiquei esta semana em meu Facebook um artigo de Dora Kramer chamado “Calma no Brasil” em que ela defende que “a interrupção de um mandato de um presidente da República não é assunto a ser tratado à luz de vontades. Requer consistência, fundamento, seriedade.”. E manifestei que fazia minhas as palavras dela.

Pronto! Em segundos chegaram dezenas de comentários de gente furiosa, me condenando por não querer tirar a Dilma de lá, por “jogar água na fervura”, por proteger o PT e outras acusações sempre embasadas na emoção. Mas em questões políticas eu não me baseio em emoção, veja só:

O Jurista Ives Gandra publicou um artigo sobre seu parecer de que há elementos suficientes para começar um processo de impeachment contra Dilma Rousseff, baseado na omissão, imperícia, imprudência ou negligência da presidente. Pronto, todo mundo ficou assanhado. Mas poucos repararam na forma como ele encerra o artigo: “Não deixei, todavia, de esclarecer que o julgamento do ‘impeachment’ pelo Congresso é mais político que jurídico, lembrando o caso do Presidente Collor, que afastado da presidência pelo Congresso, foi absolvido pela Suprema Corte.”.

Impeachment é política, não é matemática, muito menos emoção. Fernando Collor, além de perder todo apoio, tinha contra si um PT raivoso e um PSDB muito diferente desse saco de bundões de hoje. Caiu, pois havia forças muito maiores que as que o apoiavam.

Não é o caso de Dilma que, apesar de parecer sozinha, tem sim o apoio do PT com todos seus tentáculos. E seu marqueteiro.

Se o pedido de impeachment não for embasado com consistência, fundamento e seriedade em provas concretas e não apenas em indícios, o PT e seus serviçais terão munição para começar uma guerra política, com Dilma (e Lula, é claro) como mártir e você como golpista. E terão dezenas de milhões de brasileiros com eles. Quase conseguiram isso com o Mensalão, mesmo com a tonelada de provas em mãos! Imagine com um processo baseado em indícios…

Um processo baseado na omissão, imperícia, imprudência ou negligência da presidente vai gerar discussões por anos a fio e o que sairá daí é imprevisível. E cá entre nós, em termos de organização política o PT dá de relho em todo mundo. Estamos diante da possibilidade de repetir o que aconteceu na Venezuela, quando um movimento afoito derrubou Hugo Chávez, que voltou em seguida com mais força e transformou o país num inferno.

Jason ressuscitou. Mais forte.

Quem leu o texto de Dora Kramer sem derrubar o disjuntor, leu isto: “Se mais adiante vierem a aparecer fatos que indiquem a responsabilidade da presidente em quaisquer crimes serão outros quinhentos”. Taí. Não é para não ir às ruas, não é para ficar de braços cruzados esperando, não é para poupar o PT. É para focar a energia onde o resultado é certo,  na pressão para a revelação de provas concretas, para a aceleração das investigações, para o surgimento de fatos indiscutíveis que não deem aos estrategistas do PT, que são muito melhores que eu, você e todos os opositores juntos, tudo que eles querem para iniciar sua “guerra santa”.

Todo esse barulho, gritaria, emoção é lindo de ver, serve como instrumento de pressão e cria um clima importante, mas só os bobinhos acham que impeachment é decidido nas ruas.

Não é.

Meu imperativo categórico é tirar o PT do poder, mas quero fazer direito, com fogo, água, serra elétrica e estaca.

Ou o Jason volta. Mais forte.

Quer que eu desenhe?