s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Terror sagrado

Terror sagrado

Luciano Pires -

Bem, como no Brasil ainda não temos uma lei que defina claramente o que é terrorismo, vamos a quem tem. Diz o Capítulo VIII, Seção 802 do USA Patriot Act, o ato do Congresso norte americano transformado em lei por George Bush imediatamente após o atentado às torres gêmeas em 2001:

“Ato de terrorismo é qualquer atividade que (A) envolva um ato violento ou perigoso para a vida humana, que seja uma violação das leis criminais dos Estados Unidos, ou que seja uma violação criminal cometida sob a jurisdição dos Estados Unidos ou qualquer Estado; e (B) com a intenção aparente de (i) intimidar ou coagir a população civil; (ii) influenciar a política de um governo através da intimidação ou coerção; ou (iii) afetar a conduta de um governo utilizando assassinatos ou sequestros.”

Essa definição não dimensiona o tamanho do ato terrorista. Um indivíduo armado com uma pistola que atire contra uma instalação do governo, por exemplo, já está caracterizado como terrorista. Ataques de dimensões catastróficas são as exceções que ficam permanentemente gravadas na memória das pessoas, mas qualquer levantamento de atos terroristas mostrará que a maioria absoluta são pequenas ações que podem ser confundidas com crimes comuns. O que as diferencia são as motivações políticas de seus autores.

Motivações políticas. Mas aí surge outro elemento: a religião.

Diferente dos terroristas dos anos 70, 80 e 90, como os grupos que sequestravam aviões, roubavam bancos e atacaram durante as olimpíadas de 1972 em Munique, os terroristas islâmicos hoje à frente das ações mais impactantes não perseguem simplesmente objetivos políticos, mas sagrados. Aliás, não diferenciam um do outro. E isso muda completamente a equação.

Terroristas com motivação religiosa executam suas ações violentas como uma espécie de batalha espiritual. Seus atos bárbaros obedecem a uma ética, eles agem em nome do divino. Para eles, violência e mortes são apenas ferramentas para atingir uma transcendência moral e espiritual em direção à purificação da raça humana, à imortalidade, à uma união com seus deuses, sejam eles cristãos, islâmicos, hindus ou qualquer outra vertente religiosa.

Quem considera sagrado algum aspecto de sua vida, coloca nele maior prioridade, investe mais energia e esforços e obtém um propósito maior do que com atividades consideradas não sagradas. Definir que algo é sagrado, portanto, tem impactos emocionais e comportamentais significativos. Valores considerados sagrados têm precedência sobre o que seriam preocupações “mundanas”.

É nessa seara que está a “jihad”, termo árabe que significa “luta”, “esforço” ou empenho, conceito que tem dois significados. Primeiro o interno, do esforço pessoal, espiritual e introspectivo para, em nome de Alá, controlar seus impulsos, sua ira e perdoar os pecados. Depois o externo, guiado pelas palavras de Maomé que estimulam o uso de meios combativos para difundir a paz e a justiça da religião islâmica para quem não está sob sua influência.

A Jihad é, portanto, uma visão de mundo compartilhada por bilhões de pessoas de múltiplas nacionalidades que professam a fé no islamismo. As pacíficas entendem jihad como a busca por se tornar um ser humano melhor, as fundamentalistas como a justificativa para os banhos de sangue em nome de Alá.

Aos olhos dos fundamentalistas, aquilo que consideramos como atos de terror são necessidades espirituais, acima do amor e dos deveres para com a família, por exemplo. Nada deve desviar o foco dos desígnios de Deus, portanto o “terror sagrado” não admite negociações. É por isso que muitas medidas de contraterrorismo com ameaças e tentativas de negociação apenas ampliam o ódio dos fundamentalistas. Pedir que abram mão de seus valores sagrados em nome de poder político ou ganhos financeiros é entendido como tentação do diabo.

Estamos perplexos com a revelação de que jovens de várias nacionalidades saem de suas casas, especialmente na Europa, para se juntar ao Estado Islâmico, por exemplo, recrutados através de conexões familiares, grupos de jogadores on-line, salas de chat e clubes. Jovens que, sem perspectivas de futuro, estão sujeitos à santificar causas e terminar explodindo a si mesmos e a inocentes num restaurante ou clube em Paris.

Nada disso justifica os banhos de sangue que temos assistido, mas explica.

O terror sagrado não é simplesmente o velho terrorismo com motivações ou retórica diferente.

É infinitamente mais perigoso.