s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Velhos amigos

Velhos amigos

Chiquinho Rodrigues -

O Vitché era um filho da puta!

Ele tinha vinte e um anos, era meu irmão, seis anos mais velho que eu, e já se julgava  um grande adulto. Vivia me enchendo o saco com mil apelidos tipo: “chapecó”,  “benza”,  “orelha de abano” (quando eu era moleque, era orelhudo). Mas o que  me deixava mais chateado mesmo era ele não deixar encostar a mão naquele  bendito violão!

Ele estava aprendendo a tocar aquela porra e só estudava na hora do almoço, por mais ou menos uns vinte minutos, e então enjoava. Depois  disso, só de pirraça, desafinava todas as cordas e escondia aquela droga  atrás do sofá, onde ele pensava que eu não acharia.

Pura besteira! Eu estudava de manhã no S.Judas Tadeu e coçava a tarde  inteira. Portanto, era só ele ir embora que eu pegava aquele troço, afinava  do meu jeito e ficava tocando horas… até doer a mão! Eu já estava com o  saco cheio de tocar “Corcovado”. Mas, quem tinha aula de violão era o Vitché  e, se ele não estudasse, “nós” não mudaríamos de música.

Pois bem! Era um domingo. Eu achei que ele não estivesse em casa e fui acompanhado de João Gilberto na vitrola tocar, pela milésima vez,  a nossa canção predileta: “Corcovado”.

Tô eu lá na maior concentração, quando pressinto alguém atrás de mim… olho pra trás e quem vejo? Isso mesmo! VITCHÉ!

Lá fui eu protegendo a cabeça, achando que vinha porrada.

Mas, pra surpresa minha, ele pediu pra que eu tocasse mais uma vez e…  gostou! (era a primeira vez que estava ouvindo eu tocar) Mandou eu trocar de  roupa e fomos até a casa do Didi, seu professor de violão.

A escola era onde é até hoje, na esquina da Avenida Paes de Barros com a Curupacê.

Aí Luciano… eu vi o cara tocar! (Era a época da Bossa Nova)

Foi um desfile de Garotas de Ipanema, Dindis, sambas de aviões, de verões, de céu, de sol, de sal, de sul e a puta que pariu! Fora  que além de tocar violão, o cara tocava piano, flauta e cantava!

Eu me senti dentro de um daqueles apartamentos no Rio de Janeiro onde se  iniciou a Bossa Nova que eu tanto amava. Foi uma manhã inesquecível. Saí de lá flutuando, bêbado e inebriado com tanto talento. Além do que o Didi, acho que atendendo as preces da minha mãe e dos meus vizinhos, me passou mais  umas três músicas novas (ufa!), pra eu ensaiar em casa. No meu rosto devia  estar pendurado aquele sorriso idiota que só orgulho de pai ou felicidade plena podem emprestar.

Aquilo entrou em meus ouvidos e imprimiu algo tão forte em minha alma, que  eu soube naquele instante que nunca mais minha vida seria a mesma.

Assim foi e assim tem sido. O violão se tornou meu universo. Meu cúmplice, amigo, confidente, companheiro de lindas frases e  parceiro do meu legado.

Naquele domingo, saindo da casa do Didi, descendo a Paes de Barros, eu decidi que não viveria mais sem a música. Às vezes me pergunto:  como é que pôde um simples pedaço de pau, preso em seis cordas, mexer tanto  com a vida de uma pessoa?

Mas quando pego um violão pra tocar, algo químico e mágico  acontece entre nós dois. Algo que só algumas pessoas de sensibilidade, quando me ouvem ou me vêem tocando, conseguem sentir. Porém,  não conseguem explicar.

E talvez não haja mesmo nenhuma explicação.

Pois ninguém que tenha passado pela minha vida chegou sequer perto desse  entendimento.

Talvez o único que tenha entendido (e culpado de tudo isso) tenha sido o filho da puta do Vitché.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues